Facebook Twitter Instagram

Mutirão de emissão de DAP’s habilita agricultores quilombolas para acesso ao crédito

lideranas_quilombolas_e_fernando

O secretário de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, fez a entrega de 300 Declarações de Aptidão ao Pronaf (DAP´s) para agricultores familiares quilombolas das comunidades de Santo Antônio dos Pretos, Oriente, Brás, Estrada do Fio, Jatobá, São Joaquim, São João, Flechal e Veneza, no município de Penalva. O mutirão para a emissão dos documentos aconteceu, na quinta-feira (30), na comunidade de Santo Antônio.

 

 

Tcnicos_da_Agerp_atendem_agricultorO secretário de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, fez a entrega de 300 Declarações de Aptidão ao Pronaf (DAP´s) para agricultores familiares quilombolas das comunidades de Santo Antônio dos Pretos, Oriente, Brás, Estrada do Fio, Jatobá, São Joaquim, São João, Flechal e Veneza, no município de Penalva. O mutirão para a emissão dos documentos aconteceu, na quinta-feira (30), na comunidade de Santo Antônio.

 

Daps_so_emitidas_em_Alto_BonitoAs DAP´s possibilitam ao trabalhador rural acesso à linha de crédito específica do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para quilombolas. Presentes ao evento, lideranças sindicais, comunitárias, de associações de pequenos produtores rurais e representantes dos Poderes Judiciário e Legislativo Municipal.

 

Os documentos foram emitidos durante toda a semana por equipe de técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), órgão vinculado à Sedes, que junto às lideranças locais, explicou a necessidade de participar do processo.

 

Tecnicos_fazem_palestras_sobre_Daps“Em junho, fizemos outro mutirão e entregamos aos agricultores quilombolas de Alcântara, 400 DAP´s, que somadas às de hoje, beneficiam 700 trabalhadores rurais no Maranhão. Estamos cumprindo a determinação da governadora Roseana Sarney em promover a inclusão produtiva de agricultores quilombolas maranhenses”, destacou Fialho.

 

Para a agricultora da comunidade quilombola Alto Bonito, Ana Célia de Oliveira, a DAP é vital para os trabalhadores da agricultura familiar. “Com acesso ao crédito, vou poder plantar outras culturas na comunidade. Hoje planto mandioca, feijão, arroz e hortaliças”, disse.

 

Durante o evento, também foi apresentado aos agricultores um vídeo produzido pela Secretaria de Estado de Comunicação Social, mostrando a transformação social e econômica ocorrida na vida de agricultores familiares do município de São José de Ribamar com a inclusão produtiva gerada a partir do acesso às políticas públicas de fomento à produção rural.

 

O recebimento da DAP trouxe para a presidente da Associação dos Moradores do Quilombo Santo Antônio, Margarida Mota Aires, a certeza de resultados na agricultura familiar, pois essa era uma das inquietações dos moradores da comunidade.

 

lideranas_quilombolas_e_fernandoAlém da emissão das DAP’s, Fialho assinou o protocolo de intenções com a entidade Medicus Mundi, da Itália, que desenvolverá um projeto sanitário no povoado e em nove comunidades em Penalva. Também foram realizadas ações educativas sobre o acesso às políticas públicas da agricultura familiar, assistência técnica, empreendedorismo, microcrédito orientado e acesso ao mercado, combate à violência contra a mulher e às drogas.

 

Técnicos municipais estão sendo capacitados para a realização da Busca Ativa das famílias em situação de extrema pobreza no município, para inclusão no CadÚnico e acesso ao programa Brasil sem Miséria.

Mutirão beneficia agricultores quilombolas em Penalva

Dap_em_AlcntaraAgricultores familiares quilombolas do município de Penalva estão obtendo a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), documento que dá a acesso à linha de crédito específica do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar para quilombolas, possibilitando a inclusão produtiva desses agricultores. O evento começou na segunda-feira (27) com encerramento nesta sexta-feira (31).

Agricultores familiares quilombolas do município de Penalva estão obtendo a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), documento que dá a acesso à linha de crédito específica do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar para quilombolas, possibilitando a inclusão produtiva desses agricultores. O evento começou na segunda-feira (27) com encerramento nesta sexta-feira (31).

 

Ao todo, estão sendo beneficiados 300 agricultores familiares quilombolas residentes nas comunidades Santo Antônio dos Pretos, Oriente, Brás, Estrada do Fio, Jatobá, São Joaquim, São João, Flechal e Veneza.

 

A emissão e o reenquadramento das DAP’s em Penalva estão sendo feitos, em regime de mutirão, na comunidade de Santo Antônio dos Pretos, pela Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), com coordenação da Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes). Além do mutirão de Penalva, a Sedes/Agerp realizou outro em Alcântara, em junho, quando foram emitidas 400 DAP’s para agricultores quilombolas do município.

 

“Esta é uma iniciativa conjunta dos Governos Federal, Estadual e Municipal e dos movimentos sociais e sindicais para promover a inclusão produtiva dos agricultores quilombolas, num esforço coletivo para a redução acentuada da pobreza extrema no Maranhão”, informou o secretário de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho.

 

Além da emissão das DAP’s, também, estão sendo realizadas ações educativas sobre o acesso às políticas públicas da agricultura familiar, assistência técnica, empreendedorismo, microcrédito orientado e acesso ao mercado, combate à violência contra a mulher e às drogas.

 

Técnicos municipais estão sendo capacitados para a realização da Busca Ativa das famílias em situação de extrema pobreza no município, para inclusão no Cadunico e acesso ao programa Brasil sem Miséria.

 

O mutirão de Penalva reúne várias instituições, entre elas, diversas Secretarias de Estado, Prefeitura Municipalde Penalva, Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, Fundação Palmares e Banco do Nordeste.

 

Bancos oficiais aderem ao programa Viva Oportunidades

O Plano Estadual de Superação da Extrema Pobreza no Maranhão – Programa Viva Oportunidades – do Governo Roseana Sarney, recebeu a adesão do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, do Banco do Nordeste (BNB) e do Banco da Amazônia, durante almoço de trabalho realizado, nesta quarta-feira (22), no Hotel Luzeiros, em São Luís, entre o secretário de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, e superintendentes dessas instituições financeiras.

 

Fernando_Fialho_no_BancoO Plano Estadual de Superação da Extrema Pobreza no Maranhão – Programa Viva Oportunidades – do Governo Roseana Sarney, recebeu a adesão do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, do Banco do Nordeste (BNB) e do Banco da Amazônia, durante almoço de trabalho realizado, nesta quarta-feira (22), no Hotel Luzeiros, em São Luís, entre o secretário de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, e superintendentes dessas instituições financeiras.

 

Os superintendentes elogiaram a filosofia do Plano, as ações a serem desencadeadas e a forma de sua implementação que tem em sua essência a união de todos os entes públicos e atores sociais em uma mobilização coparticipativa para reduzir até o ano de 2015 para menos de 10% o índice de extrema pobreza no Maranhão e traçaram uma agenda de trabalho para definir a participação de cada um no Programa.

 

“Nos próximos três anos vamos investir R$ 1,8 bi em programas de inclusão social e de geração de emprego e renda”, anunciou o superintendente do Banco do Nordeste, Helton Chagas Mendes, ao ressaltar que a parceria com o Governo do Estado vai maximizar os resultados da aplicação desses recursos.

 

Ele relembrou que recentemente o BNB e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), órgão que faz parte da estrutura da Sedes, celebraram um acordo de cooperação técnica para a ampliação do crédito rural, aperfeiçoamento dos projetos e maior assistência técnica para os agricultores familiares.

 

Para o superintendente da Caixa Econômica Federal, Valdemilson Almeida Nascimento, “o Viva Oportunidades, com certeza, será um aliado essencial a bem dos recursos públicos à medida que identifica necessidades, demandas e o governo vai agir como indutor desse processo de desenvolvimento com inclusão e justiça social. “Os recursos existem”, narrou.

 

Segundo ele, agora com essa união e sinergia de Governo, sociedade civil e instituições bancárias, entre outros atores sociais, os recursos serão aplicados com maior agilidade e eficiência e os resultados serão muito mais auspiciosos.

 

Já para o superintendente do Banco do Brasil, Maelcio Mauricio Soares, um dos pontos fundamentais do Viva Oportunidades é a definição de forma clara de onde os recursos serão captados e onde serão aplicados, com metas pré-estabelecidas e a definição de resultados a serem obtidos. “Temos vários projetos que se alinham aos apresentados pelo Governo. A junção desses projetos e união de esforços vai permitir o desenvolvimento do Maranhão e redução das desigualdades regionais e sociais”, afirmou.

 

O superintendente do Basa, José Carlos Rodrigues Filho, elogiou o Viva Oportunidades, em especial por sua vertente em buscar assegurar ao maranhense, trabalho, dignidade e renda. “Somos parceiros do Governo do Maranhão. Estamos todos aqui para somar esforços. Vamos criar uma agenda positiva de trabalho para evitar a sobreposição de ações e recursos”, disse.

 

Políticas públicas

 

F.FilahoO secretário ressaltou, ainda, que o Viva Oportunidades é um conjunto de políticas públicas que estão alinhadas com o Brasil Sem Miséria na perspectiva de criar uma Rede de Proteção Social para resgatar a dignidade de milhões de brasileiros. “Vamos atuar como indutores desse processo de desenvolvimento. Só com a união de todos conseguiremos combater de forma eficiente a pobreza no Maranhão”, refletiu.

 

Fialho disse estar plenamente convicto e confiante que os desafios propostos no Viva Oportunidades serão todos vencidos. “Essa reunião com superintendentes de bancos oficiais me deixou ainda mais convicto. Eles atenderam ao nosso chamamento e vamos trilhar juntos os caminhos da sabedoria de vida compartilhada e com sinergia para a evolução, desenvolvimento e crescimento econômico, social e político do Maranhão. É uma mudança de paradigmas”, enfatizou Fialho.

 

Agerp prepara técnicos para atender agricultores

Jorge_Fortes_palestra
“A Agerp tem sido uma grande parceira no desenvolvimento das políticas públicas aos agricultores familiares no Maranhão”, destacou Everton Paiva, diretor substituto da DATER/SAF, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, (MDA), ao abrir a solenidade do curso modular para Formação de Agentes de Ater, esta semana, no espaço Oásis (Anil).

MDA_na_capacitao“A Agerp tem sido uma grande parceira no desenvolvimento das políticas públicas aos agricultores familiares no Maranhão”, destacou Everton Paiva, diretor substituto da DATER/SAF, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, (MDA), ao abrir a solenidade do curso modular para Formação de Agentes de Ater, esta semana, no espaço Oásis (Anil).

 

A capacitação é oferecida, neste primeiro momento, a sessenta agentes (engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas), que já atendem aos agricultores familiares por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural, (Agerp), nas 19 regionais distribuídas por todo o Estado.

 

Erika_e_JorgeDurante seis dias, os técnicos puderam participar de inúmeras atividades como: palestras, exposições, trabalhos em grupo, painéis, debates, oficinas, exercícios práticos e plenárias para construção do conhecimento dos temas apresentados. O curso teve a supervisão da coordenadoria de capacitação da Agerp e a execução da empresa R & P Administração de Recursos Humanos.

 

 

Pequenos empreendimentos

 

A iniciativa integra o convênio Pacto Federativo de nº 71791/09, firmado entre a Agerp, órgão da Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), e pelo MDA, cuja finalidade é atender 120 profissionais, todos bolsitas da Fapema/ Agerp, em período sequencial – que venham a atuar nos territórios da cidadania rural do Maranhão, com atendimento teórico e prático -, aos agricultores familiares que desenvolvem pequenos empreendimentos familiares rurais envolvendo a produção vegetal, animal, artesanal ou outra atividade.

 

O convênio atende também aos agricultores familiares, sejam eles, indígenas, jovens, mulheres, pescadores artesanais e quilombolas, por meio de cursos de capacitação que estão sendo ministrados com temas relacionados ás políticas de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Seguro da Agricultura Familiar (SEAF) e Programa de Garantia de Preços da Agricultura Familiar (PG/PAF). Nessa etapa receberão orientação cerca de 500 agricultores familiares.

 

Agentes_so_capacitados_IIOs cursos já estão sendo aplicados desde o mês passado, nos municípios de Cururupu, Pinheiro, Viana, Itapecuru- Mirim, Chapadinha, Zé Doca, Rosário, Morros, Caxias, Cantanhêde e Pedreiras. Todos incluídos nos territórios rurais da cidadania cujo objetivo é promover, incrementar a economia e universalizar programas básicos por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável.

 

O Pacto Federativo prevê ainda dois encontros envolvendo quinhentos gestores municipais. Estes participarão de palestras de sensibilização sobre a adesão do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), em seus respectivos municípios. A programação para este tipo de público ocorrerá em outubro, em Itapecuru- Mirim e Zé Doca.

 

Contexto político e institucional

 

Josenildo_falaNa capacitação realizada em São Luis, diretores, coordenadores, assessores da Agerp e convidados discorreram sobre assuntos relacionados à prática dos participantes. Exemplo disso foi a apresentação do contexto político e institucional da Agerp, pela diretora de Ater da Agerp, Thelma Pinheiro, de sistemas agroecológicos, por Marluse Pastor, de políticas de Ater (PNAE, lei de Ater da Agricultura Familiar), por Everton Paiva, (MDA), de política de desenvolvimento territorial por Ney Jefferson Teixeira (delegado do MDA/MA), de ambientação motivacional, por Nehemias Bandeira, e de microcrédito rural, por Edmar Sousa (BNB).

 

Destaque do evento para os três últimos dias em que o consultor da DATER/ MDA, José Rui Ferreira, comandou a equipe participante com variadas técnicas para serem aplicadas no campo, senão no sistema do MDA, por intermédio de laboratório de informática implantado no local, com desenvolvimento de ações de Ater Grupal, exercícios, acompanhamento e exercícios relativos á prática no meio rural.

 

Engenheiro_agrnomo_recebe_certificado“Fiquei satisfeito. O MDA teve o cuidado de firmar convênio com instituições e órgãos comprometidos com a causa dos agricultores familiares. A Agerp pode ficar tranquila que os técnicos que participaram do curso, aprenderam tudo de forma correta e qualitativa”, ressaltou José Rui, elogiando a organização, a programação, a metodologia e a prática do curso modular.

 

O presidente da Agerp, Jorge Fortes, viu como um momento histórico para o Maranhão a capacitação de agentes para atuarem nos campos. “O governo do Estado se compromete em participar da redução da pobreza com aplicação das políticas públicas fundamentais para atender aos agricultores familiares, suporte da produção de alimentos para nós, maranhenses”, disse ele, lembrando ser esta, apenas uma das inúmeras ações que vem sendo desenvolvidas pela Sedes e Agerp no atual governo. “Avanço considerável e absoluto para a melhoria da qualidade de vida desse público, antes tão desamparado”, afirmou.

 

 

JnatasBastante satisfeito, o técnico agrícola da regional de Pindaré, Jônatas Andrade, garantiu ter tido grande aprendizado. Mesmo atuando na área, Andrade afirmou que foi de grande valia a formação continuada de ações que podem cada vez mais, melhorar o atendimento ao agricultor familiar. “Sinto uma responsabilidade enorme porque serei multiplicador desse aprendizado. È a fertilização da educação para o desenvolvimento rural sustentável. Algo nunca visto antes.” Celebrou.

Técnicos da Agerp são capacitados em São Luis

MDA_na_capacitao
“A Agerp tem sido uma grande parceira no desenvolvimento das políticas públicas aos agricultores familiares no Maranhão”, destacou Everton Paiva, diretor substituto da DATER/SAF, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, (MDA), ao abrir a solenidade do curso modular para Formação de Agentes de Ater, esta semana, no espaço Oásis (Anil).

Josenildo_falaA Agerp tem sido uma grande parceira no desenvolvimento das políticas públicas aos agricultores familiares no Maranhão”, destacou Everton Paiva, diretor substituto da DATER/SAF, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, (MDA), ao abrir a solenidade do curso modular para Formação de Agentes de Ater, esta semana, no espaço Oásis (Anil).

 

A capacitação é oferecida, neste primeiro momento, a sessenta agentes (engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas), que já atendem aos agricultores familiares por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural, (Agerp), nas 19 regionais distribuídas por todo o Estado.

 

Durante seis dias, os técnicos puderam participar de inúmeras atividades como: palestras, exposições, trabalhos em grupo, painéis, debates, oficinas, exercícios práticos e plenárias para construção do conhecimento dos temas apresentados. O curso teve a supervisão da coordenadoria de capacitação da Agerp e a execução da empresa R & P Administração de Recursos Humanos.

 

Pequenos empreendimentos

 

Agentes_so_capacitadosA iniciativa integra o convênio Pacto Federativo de nº 71791/09, firmado entre a Agerp, órgão da Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), e pelo MDA, cuja finalidade é atender 120 profissionais, todos bolsitas da Fapema/ Agerp, em período sequencial – que venham a atuar nos territórios da cidadania rural do Maranhão, com atendimento teórico e prático -, aos agricultores familiares que desenvolvem pequenos empreendimentos familiares rurais envolvendo a produção vegetal, animal, artesanal ou outra atividade.

 

O convênio atende também aos agricultores familiares, sejam eles, indígenas, jovens, mulheres, pescadores artesanais e quilombolas, por meio de cursos de capacitação que estão sendo ministrados com temas relacionados ás políticas de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Seguro da Agricultura Familiar (SEAF) e Programa de Garantia de Preços da Agricultura Familiar (PG/PAF). Nessa etapa receberão orientação cerca de 500 agricultores familiares.

 

Os cursos já estão sendo aplicados desde o mês passado, nos municípios de Cururupu, Pinheiro, Viana, Itapecuru- Mirim, Chapadinha, Zé Doca, Rosário, Morros, Caxias, Cantanhêde e Pedreiras. Todos incluídos nos territórios rurais da cidadania cujo objetivo é promover, incrementar a economia e universalizar programas básicos por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável.

 

O Pacto Federativo prevê ainda dois encontros envolvendo quinhentos gestores municipais. Estes participarão de palestras de sensibilização sobre a adesão do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), em seus respectivos municípios. A programação para este tipo de público ocorrerá em outubro, em Itapecuru- Mirim e Zé Doca.

 

Contexto político e institucional

 

Well_dsicursaNa capacitação realizada em São Luis, diretores, coordenadores, assessores da Agerp e convidados discorreram sobre assuntos relacionados à prática dos participantes. Exemplo disso foi a apresentação do contexto político e institucional da Agerp, pela diretora de Ater da Agerp, Thelma Pinheiro, de sistemas agroecológicos, por Marluse Pastor, de políticas de Ater (PNAE, lei de Ater da Agricultura Familiar), por Everton Paiva, (MDA), de política de desenvolvimento territorial por Ney Jefferson Teixeira (delegado do MDA/MA), de ambientação motivacional, por Nehemias Bandeira, e de microcrédito rural, por Edmar Sousa (BNB).

 

Destaque do evento para os três últimos dias em que o consultor da DATER/ MDA, José Rui Ferreira, comandou a equipe participante com variadas técnicas para serem aplicadas no campo, senão no sistema do MDA, por intermédio de laboratório de informática implantado no local, com desenvolvimento de ações de Ater Grupal, exercícios, acompanhamento e exercícios relativos á prática no meio rural.

 

Engenheiro_agrnomo_recebe_certificado“Fiquei satisfeito. O MDA teve o cuidado de firmar convênio com instituições e órgãos comprometidos com a causa dos agricultores familiares. A Agerp pode ficar tranquila que os técnicos que participaram do curso, aprenderam tudo de forma correta e qualitativa”, ressaltou José Rui, elogiando a organização, a programação, a metodologia e a prática do curso modular.

 

O presidente da Agerp, Jorge Fortes, viu como um momento histórico para o Maranhão a capacitação de agentes para atuarem nos campos. “O governo do Estado se compromete em participar da redução da pobreza com aplicação das políticas públicas fundamentais para atender aos agricultores familiares, suporte da produção de alimentos para nós, maranhenses”, disse ele, lembrando ser esta, apenas uma das inúmeras ações que vem sendo desenvolvidas pela Sedes e Agerp no atual governo. “Avanço considerável e absoluto para a melhoria da qualidade de vida desse público, antes tão desamparado”, afirmou.

 

Bastante satisfeito, o técnico agrícola da regional de Pindaré, Jônatas Andrade, garantiu ter tido grande aprendizado. Mesmo atuando na área, Andrade afirmou que foi de grande valia a formação continuada de ações que podem cada vez mais, melhorar o atendimento ao agricultor familiar. “Sinto uma responsabilidade enorme porque serei multiplicador desse aprendizado. È a fertilização da educação para o desenvolvimento rural sustentável. Algo nunca visto antes.” Celebrou.

Agerp participa de Feira em Matões do Norte

qUIABO

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Órgão da Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), participou nesta quarta-feira, (15), da implantação oficial da I Feira da Agricultura Familiar e Economia Solidária de Matões do Norte, a 115 quilômetros de São Luis. 

Agricultoras_familiares_exibem_hortaliasA Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), órgão da Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), participou nesta quarta-feira, (15), da implantação oficial da I Feira da Agricultura Familiar e Economia Solidária de Matões do Norte, a 115 quilômetros de São Luis. Na oportunidade, representou o presidente da Agerp, Jorge Fortes, a engenheira agrônoma, Tatiana Moreno. Também estiveram no local, técnicos da Agerp São Luis e da regional de Itapecuru-Mirim.

 

 

A Feira é uma iniciativa da prefeitura de Matões do Norte em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Sedes/Agerp, Secretaria de Estado do Trabalho e da Economia Solidária (Setres), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Matões do Norte.

 

Se fizeram presentes na solenidade de lançamento, o consultor do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Said Zaidan, a coordenadora da Economia Solidária da Setres, Mariana Nascimento, representante do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Matões do Norte, Antônio Bezerra e das secretarias municipais.

 

Banca_de_cartilhas_-_agerpPara os executores do projeto, a Feira é resultado da preocupação em viabilizar a economia, a segurança alimentar e nutricional, sustentabilidade socioambiental e a promoção da igualdade nas relações de gênero, geração e etnia. Outra preocupação, segundo a organização é incentivar a produção dos empreendimentos, eliminando o papel dos atravessadores, fornecendo produtos de qualidade diretamente aos consumidores do vale do Itapecuru em um espaço específico destinado aos agricultores familiares da região.

 

 

 

Quebradeiras de coco

 

Quarenta famílias de agricultores familiares, dentre elas, quebradeiras de coco, pescadores artesanais, pequenos criadores de animais e artesãs compareceram com seus produtos nas 20 barracas distribuídas no Centro de Abastecimento Feliciano Mendes ao lado do mercado municipal. Os visitantes puderam, na ocasião, degustar comidas típicas preparadas a partir dos produtos trazidos pelos participantes. Doces e outras iguarias feitas do coco babaçu foram apresentados no espaço da Feira.

 

tATI_FALATatiana Moreno da Agerp, falou da importância da implantação da Feira e da valorização dos agricultores familiares. Ressaltou a capacitação do corpo técnico da Agerp e dos agricultores familiares e destacou as políticas públicas desenvolvidas em parceria pelo MDA e Sedes/Agerp em todo o Maranhão cuja preocupação é reduzir a pobreza extrema nos chamados territórios da cidadania.

 

“Eu como técnica da Agerp, me sinto honrada em estar presente em um evento de tamanha grandiosidade para os agricultores familiares e afirmo que esta é uma iniciativa que deve ser seguida pelos demais municípios maranhenses”, disse ela. 

 

 

De acordo com o engenheiro agrônomo e organizador do evento, Juranley Serejo, a I Feira propõe a socialização e valorização do trabalho, passando a ser um ponto de referência e comercialização dos seus produtos semanalmente.

 

ARTESANATO_mATES“Pensamos em criar este espaço numa forma de valorizar os produtores familiares e criando o hábito nos moradores de adquirir seus produtos diretamente das mãos daqueles que produzem, gerando renda ao município”, disse ele, ao tempo que destacou ações da secretaria de agricultura em desenvolvimento, como: implantação do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), implantação de telados para o cultivo de hortaliças, além de treinamento dos agricultores familiares quanto a comercialização e mercado, gestão de empreendimentos da economia solidária.

 

Para Manoel Bezerra, do povoado Samangula, a criação da Feira da Economia Solidária é o caminho certo. “É por meio dela que passaremos a gerar a nossa renda de forma constante, graças as políticas desenvolvidas pelo MDA, Agerp e prefeitura municipal”, ressaltou.

Coordenação nacional do GS visita Agerp

A coordenadora nacional do Garantia Safra Dione Freitas, esteve esta semana, na sede da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), para discutir com presidente do órgão, Jorge Fortes, diretores e assessores daquela Agência, o Plano Safra da Agricultura Familiar para o ano 2012-2013.

Dione_matriaA coordenadora nacional do Garantia Safra Dione Freitas, esteve esta semana, na sede da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), para discutir com presidente do órgão, Jorge Fortes, diretores e assessores daquela Agência, o Plano Safra da Agricultura Familiar para o ano 2012-2013.

 

 

Acompanhada pelo delegado regional do Ministério do Desenvolvimento Agrário no Maranhão, Ney Jeferson e do assessor Said Zaidan, a coordenadora do GS, na ocasião levantou discussão acerca das mudanças e do trabalho de mobilização dos gestores municipais que vem sendo desenvolvido pela equipe técnica da Agerp. Além disso, Dione falou das estratégias para a ampliação do Programa nos municípios que ainda não o aderiram.

 

“Reconhecemos na equipe técnica da Agerp a boa vontade em disseminar a política do Garantia Safra em todo o território maranhense. A nossa passagem aqui é para reforçar essa prática a fim de que todos os municípios sejam alcançados em um menor espaço de tempo possível”, destacou a coordenadora nacional do GS.

 

Dione_Ney_e_JorgeJá para o presidente, Jorge Fortes, a exemplo das demais políticas públicas desenvolvidas com afinco pela Agerp, o GS também tem sido motivo de investimento. “A nossa equipe tem trabalhado de forma intensa em várias regiões do estado a fim de sensibilizar os gestores para a importância de participar do Programa, que a exemplo das demais ações, tem a finalidade de combater a pobreza extrema no país e consequentemente no Maranhão.

 

Dione confirmou na visita, o pagamento pelo governo federal (MDA), dos aportes aos agricultores familiares inscritos no GS. No Maranhão, vinte e oito municípios que aderiram ao Programa no ano agrícola 2011-2012, receberão nos próximos dias o valor de 680 reais. Serão contemplados nesta safra, 11.686 agricultores familiares.

 

O GS é uma ação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) voltada para os agricultores e as agricultoras familiares localizados na região Nordeste do país, na área norte do Estado de Minas Gerais, Vale do Mucuri, Vale do Jequitinhonha e na área norte do Estado do Espírito Santo ― área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), majoritariamente Semiárida ― que sofrem perda de safra por motivo de seca ou excesso de chuvas. Para participar do Garantia-Safra, é necessário que, anualmente, estados, municípios façam adesão ao GS.

 

Os agricultores que aderirem ao GS nos municípios em que forem detectadas perdas de, pelo menos, 50% da produção de algodão, arroz, feijão, mandioca, milho ou outras atividades agrícolas de convivência com o Semiárido, receberão a indenização prevista pelo Garantia-Safra diretamente do governo federal, em até seis parcelas mensais, por meio de cartões eletrônicos disponibilizados pela Caixa Econômica Federal.

Fernando Fialho inicia inspeções em ações da Sedes

O secretário de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, iniciou, por Caxias uma série de visitas ao interior do Maranhão com a finalidade de inspecionar os trabalhos que são desenvolvidos pela Sedes, além de estreitar o relacionamento e compartilhar com os trabalhadores rurais as ações que são executadas para a melhoria da qualidade de vida na zona rural.

Fernando_Fialho_e_caxiasO secretário de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, iniciou, por Caxias uma série de visitas ao interior do Maranhão com a finalidade de inspecionar os trabalhos que são desenvolvidos pela Sedes, além de estreitar o relacionamento e compartilhar com os trabalhadores rurais as ações que são executadas para a melhoria da qualidade de vida na zona rural.

 

Em reunião na sede da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), os funcionários do órgão apresentaram ao secretário um levantamento do trabalho desenvolvido no município com metas atingidas e enumeram as dificuldades que enfrentam na prestação de assistência técnica aos agricultores.

 

Para sanar as dificuldades no trabalho desenvolvido pela Agerp, em Caxias, Fernando Fialho sugeriu aos técnicos a elaboração de um projeto piloto em uma comunidade agrícola do município. “Este projeto será implantado por meio da Agricultura Familiar. Vai transformar a vida do trabalhador rural, pois trará renda, qualidade de vida e resgate da cidadania”, explicou.

 

Agricultores

 

Agricultores_ouvem_F._FialhoA gestora da Agerp em Caxias, Marta Surama, organizou um encontro dos agricultores rurais do município com Fernando Fialho no Centro de Capacitação Tecnológica do Maranhão (Cetecma). Na abertura, o secretário apresentou aos agricultores um filme com trabalhadores rurais de São José de Ribamar, no qual eles relatam a mudança que tiveram em suas vidas com o trabalho desenvolvimento na agricultura familiar após receberem assistência técnica e apoio logístico da Prefeitura do município.

 

Durante o encontro, os representantes das comunidades expuseram os problemas vividos em cada uma das comunidades. Entre os problemas comuns estão dívidas contraídas junto aos programas federais, falta de abastecimento d’ água, estradas vicinais com acesso precário, dentre outros.

 

O secretário ouviu atentamente cada um dos agricultores e orientou para o encaminhamento na busca da solução dos problemas detectados.

Agerp e BNB assinam acordo para expansão do microcrédito rural

assinamO presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Jorge Fortes, e o superintendente estadual do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) no Maranhão, Helton Mendes, assinaram, nesta quinta-feira (9), acordo de cooperação técnica. 

assinamO presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Jorge Fortes, e o superintendente estadual do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) no Maranhão, Helton Mendes, assinaram, nesta quinta-feira (9), acordo de cooperação técnica.

 

O objetivo é a ampliação do crédito rural, aperfeiçoamento dos projetos e maior assistência técnica para os agricultores familiares. A Agerp é um órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes).O acordo permitirá a expansão da aplicação da modalidade de microcrédito rural orientado e acompanhado, do programa Agroamigo, do Banco do Nordeste, para outros grupos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

 

Dr._Jorge_e_Fernando_Fialho_assinam“Vamos estreitar os laços e fazer do BNB um dos parceiros prioritários em todas as nossas ações para a superação da extrema pobreza no Maranhão. O nosso trabalho é atuar na consolidação das ações do Pronaf e de programas como Bolsa Família e Brasil Carinhoso, entre outros, e no reordenamento do sistema de assistência técnica, extensão rural e pesquisa agropecuária do Maranhão.

Vamos, também, agir para o aprimoramento da emissão off-line das Declarações de Aptidão ao Pronaf”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho.

 

Financiamento

 

O valor de cada proposta de financiamento de crédito orientado para os grupos do Pronaf comum, nas mesmas modalidades do Programa Agroamigo, pode chegar a até R$ 15 mil, com exceção dos grupos A e A/C (assentados de reforma agrária que acessam outra linha de crédito).

 

Segundo informações da superintendência estadual do Banco, a expectativa é destinar R$ 50 milhões para serem aplicados através do Agroamigo no Maranhão, isso de um total de R$ 220 milhões que o Banco do Nordeste aplicará no Pronaf.

 

“O Banco do Nordeste aumentou o limite do Agroamigo para que os agricultores familiares possam ser financiados recebendo assessoramento técnico da Agerp, qualificando mais o crédito. Os agricultores vão ter orientação e assistência, com melhor aplicação dos recursos e obtenção de resultados”, disse Jorge Fortes.O superintendente Helton Mendes informou que, além do crédito orientado, os empreendimentos da agricultura familiar terão assistência técnica. Neste sentido, estão sendo contratados 250 novos assessores, até o final do ano, com previsão de ampliação deste número no ano que vem.

 

A meta do acordo de cooperação é a melhoria da qualidade dos projetos financiados pelo Banco do Nordeste, assegurando aos agricultores orientação para o crédito, assistência técnica, extensão rural e acompanhamento de seus empreendimentos.

 

Assinam_com_o_chefe_do_Banco_do_NordesA iniciativa tem como diretrizes contribuir para que as ações financiadoras, de assistência técnica e de extensão rural sejam compatíveis com as políticas governamentais de apoio ao agricultor familiar; adequar a destinação do financiamento às reais necessidades dos agricultores familiares, permitindo um crédito sustentável; possibilitar o fortalecimento das atividades econômicas desenvolvidas pelos agricultores familiares atendidos, com vistas à melhoria da renda e das condições de vida das famílias; favorecer o acesso ao financiamento do Pronaf aos agricultores familiares por meio dessa ação conjunta.

 

O acordo também prevê a prestação de assistência técnica e extensão rural aos agricultores familiares do Pronaf financiados pelo Banco do Nordeste, bem como transmitir aos agricultores familiares a orientação para o crédito e o acompanhamento sistemático de seus empreendimentos.

Presidente da Emater da Paraíba visita Agerp e apresenta projetos

O presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Agrícola do Maranhão, órgão da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) – Jorge Fortes, recebeu esta semana, visita do presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater-PR), Geovanni Medeiros.

Diretoria_da_Agerp_e_EmaterO presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Agrícola do Maranhão, órgão da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) – Jorge Fortes, recebeu esta semana, visita do presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater-PR), Geovanni Medeiros.

 

O motivo da visita técnica de Medeiros foi apresentar à equipe da Agerp, o Sistema de Gerenciamento de Atividades em Ater (SIGATER – PR), que tem revolucionado o trabalho da assistência técnica junto aos agricultores familiares daquele estado.

Reunio_EmaterAlém de reunir com os coordenadores, diretores e presidente da Agerp, Geovanni Medeiros visitou juntamente com a equipe da Agência, a comunidade de Magníficat, localizada no município de Itapecuru- Mirim, onde a SIGATER mantém projetos em campos de produção, cujo objetivo é apontar mudanças sociais e produtivas de curto, médio e longo prazo, desencadeadas na vida do agricultor familiar a partir da criação e estruturação da comunidade rural.

Na oportunidade foi discutido a possibilidade de vir a se firmada uma parceira de apoio àquela comunidade, por meio de assistência técnica, planos e projetos voltados ao agricultor familiar.