Facebook Twitter Instagram

Governo firma acordo para desenvolver a pesca no Maranhão

Com o objetivo de investir no desenvolvimento da Pesca e Aquicultura no Maranhão, o Governo do Estado por intermédio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e DSC08199Agricultura Familiar (Sedes), firmou acordo de cooperação técnica entre a Federação das Colônias de Pescadores do Estado do Maranhão (Fecopema) e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), nesta sexta-feira (27), durante assembleia geral da categoria. Na avaliação do secretário da Sedes, Fernando Fialho, o acordo possibilitará melhores rendas e condições de trabalho aos pescadores.

Fialho afirma que a ação integrada da Sedes, Agerp e Fecopema trará aos pescadores e aquicultores familiares melhoria na renda e eficácia da comercialização dos produtos nas representações de colônias do Maranhão, existentes em 150 municípios.

Dentre as principais metas do plano de trabalho estão a assistência técnica e emissão de DAP’s a 4.000 pescadores e aquicultores, encaminhamento de 5.000 famílias de pescadores ao Programa Minha Casa Minha Vida, e a implantação de seis projetos de valas comunitárias nos campos da baixada e de 12 unidades de fábricas de gelo no estado.

De acordo o presidente da Femacop, Francisco Oliveira, o acordo vai melhorar o setor de pesca do estado e fortalecer o trabalho da maioria dos pescadores do Maranhão.

Foto Pesca_destaque1De acordo com dados da entidade, atualmente o investimento na piscicultura em tanque rede já beneficia 15 famílias e cada uma delas terá uma renda mensal de até R$1.800,00 ao mês. O financiamento de material de pesca em 25 municípios, são alguns dos principais projetos já aprovados pela Sedes que prometem a melhorar a qualidade de vida dos pescadores e o crescimento da pesca no estado.

Outro aspecto que receberá apoio é a construção de valas comunitárias da baixada para evitar a escassez no período da seca, assim serão criados grandes armazenamentos de água e peixe. Desta forma, a alimentação e a comercialização dos produtos estarão garantidos, independente da estação do ano. Além disso, serão construídas 12 fábricas de gelo, uma em cada município, melhorando o preço, facilitando a conservação do pescado e evitando a ação dos atravessadores.

DSC08204“Nós das colônias de pescadores exportamos toneladas de peixe e camarão para o Pará, mas não temos o retorno desse trabalho pela falta de condições. Nossa região é uma das maiores produtoras, e ainda assim temos dificuldades com a manutenção das embarcações, com a compra do material de pesca e com o meio de transporte para exportação”, afirmou o pescador José Etenildo Santos, representante da categoria na região de Cururupu.

Segundo José Etenildo, nos municípios não há local adequado para conservar os peixes, o que lhes obriga a vender barato aos atravessadores. “A instalação da fábrica de gelo vai acabar com este problema, pois teremos onde armazenar nossa pesca, e exportá-la por conta própria. Será o fim do lucro dos atravessadores que enchem caminhão para vender nosso pescado mais caro em outras cidades, sem pagar nada para o estado”, salientou.

Vereador Mundinho, de Vargem Grande, reune-se com a presidencia da AGERP

mundinDestaqueo vereador de Vargem Grande, Raimundo Nonato Teles Viana, o Mundinho, esteve reunido no mes de setembro com o presidente da AGERP, Jorge Luiz de Oliveira Fortes, na sede da Agencia.

Na ocasião, o Vereador pleiteou apoio da AGERP aos agricultores de seu município, objetivando a capacitação e a melhoria da qualidade de vida das famílias dos lavradores locais.

vargem-grandeAs reivindicações do Vereador Mundinho foram recebidas atentamente pelo presidente Jorge Fortes, que deverá viabilizar soluções o mais breve possível.

Agricultores familiares e microempreendedores maranhenses são premiados pelo BNB

Por meio do X Prêmio BNB de Microcrédito e do II Prêmio BNB da Agricultura Familiar, o Banco do Nordeste homenageou na manhã desta quinta-feira (19), nove microempreendedores e agricultores familiares que tiveram iniciativas de destaque em suas regiões de atuação. Criados a partir de 2002, os prêmios tem a finalidade de reconhecer e estimular as atividades de sucesso financiadas pelos programas do Banco do Nordeste.

No Programa de Microcrédito Rural, o Agroamigo, foram premiados os clientes Antônio Alves, produtor de polpa do açaí na cidade de Açailândia; Maria Núbia Alves, artesã de Imperatriz e Raimundo Pereira, horticultor do município de Raposa. No Programa de Microcrédito Urbano, o Crediamigo, os vencedores foram Francivaldo da Silva, proprietário de uma jf FIRMA ACORDOpastelaria em Açailândia; Elizamar dos Milagres Maranhão, proprietária de uma perfumaria e Maria Francimeuda Campelo, proprietária de loja de brinquedos, ambas da cidade de Zé Doca.

Os destaques do II Prêmio BNB da Agricultura Familiar foram Matias Sousa, de Porção de Pedras; Edivar Vieira, de Caxias e Jorgileno Mendes, de Pedreiras. Todos os clientes vencedores foram eleitos por meio de comissões julgadoras, compostas por representantes dos Governos Federal e Estadual, instituições parceiras e entidades de classe, que se basearam em critérios de expansão e lucratividade dos negócios, evolução das compras, capacitação, investimento na melhoria da qualidade de vida da família, acesso ao crédito, nível de tecnologia empregado e aspectos ambientais.

Cada cliente premiado recebeu um troféu, um certificado de reconhecimento ao trabalho desenvolvido e um prêmio em dinheiro no valor de R$ 1.500,00.

Durante a cerimônia, o superintendente estadual do Banco do Nordeste, Helton Mendes, apresentou a dinâmica de atuação dos Programas de Microcrédito Orientado e do Pronaf, e ainda o cenário de aplicações da instituição em toda a área de atuação, no âmbito dos três programas.

Ass.Convenio_Discurso JF“Uma vez reconhecidos os diferenciais dos empreendimentos, as comunidades envolvidas passam a se sentir inseridas no processo e buscam cada vez mais o apoio financeiro do Banco por meio do crédito orientado, capacitação, educação financeira e, assim, promovem qualidade de vida de suas famílias e geração de emprego e renda para a comunidade. Premiar esses clientes é uma forma de multiplicarmos práticas exitosas dentro do Estado do Maranhão”, ressalta Helton Mendes.

 

Também participaram da solenidade, as gerências estaduais dos Programas de Microcrédito e do Pronaf, o presidente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais na Agricultura do Estado do Maranhão (FETAEMA), Francisco de Jesus Silva, o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp-MA), Jorge Luiz Fortes, o diretor da Associação Comercial do Maranhão, Sérgio Sombra, o gerente de Inclusão Socioprodutiva da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Francisco de Assis Santos, o chefe adjunto de Transferência de Tecnologias da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) – Cocais, José Mário Frazão, além de clientes do BNB.

Sobre os programas

Os programas de microcrédito produtivo orientado do Banco do Nordeste, Crediamigo, no âmbito urbano, e Agroamigo, no setor rural, e o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) já financiaram mais de R$ 8,2 bilhões na região Nordeste, só até o ano de 2012.

Ass.Convenio_20_DestaqueNo Maranhão, nos meses de janeiro a julho de 2013, o Crediamigo, por exemplo, contratou 19 mil operações, aplicando R$ 51,5 milhões em empreendimentos urbanos. Já no âmbito rural, o Agroamigo foi responsável pela realização de 167 mil operações, acumulando, no mesmo período, aplicações no volume de R$ 362 milhões. Por meio do Pronaf, agricultores familiares maranhenses contrataram 26.051 operações de crédito, num montante total de mais de R$ 123,3 milhões, apenas nos sete primeiros meses do ano.

Convênio

Durante a cerimônia, o Banco do Nordeste firmou um acordo de cooperação com a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais na Agricultura do Estado do Maranhão (FETAEMA) e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp-MA), no sentido de operacionalizar de forma mais ágil e abrangente procedimentos Ass.Convenio_Chequede renegociação de financiamentos rurais no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – o Pronaf, em apoio aos agricultores familiares do Estado do Maranhão.

À AGERP e à FETAEMA caberá divulgar aos agricultores familiares os dispositivos legais que estabelecem renegociação de operações de crédito rural do Pronaf, colher assinatura dos agricultores familiares interessados em aderir à renegociação de dívidas do Pronaf e encaminhá-los às agências do Banco do Nordeste.

Por meio do convênio, cabe ao Banco do Nordeste a responsabilidade de fornecer às partes deste Acordo, as orientações normativas sobre os dispositivos legais que viabilizem a renegociação de dívidas rurais no âmbito do Pronaf, disponibilizando documentação necessária e o atendimento cabível a cada caso.

“Esse acordo de cooperação é um ganho para os agricultores familiares maranhenses, porque possibilita o acesso facilitado às possibilidades de renegociação que os agricultores tanto precisam para regularizar suas dívidas junto às instituições financeiras que apoiam seus empreendimentos. O BNB pode contar com o apoio da Fetaema para viabilizar a aproximação dos agricultores familiares com o Banco”, assegurou Francisco Silva, presidente da Entidade.

Fonte: Assessoria de Comunicação do BNB.

Agerp intensifica inscrições do Garantia Safra em Timon e Parnarama

Desde a adesão dos municípios de Timon e Parnarama ao Programa Garantia Safra 2013/2014, que os técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (AGERP), estão intensificando as inscrições de agricultores nos referidos municípios. Ao todo são 2 mil agricultores em Timon e 500 agricultores em Parnarama que deverão ser cadastrados até o dia 21 de outubro. Por isso os técnicos da AGERP estão indo a campo para fazer a qualificação e inscrição de agricultores que se enquadram e queiram participar do programa. O trabalho está sendo realizado em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais e a Secretaria Municipal de Agricultura de ambos os municípios.

As informações foram prestadas pelo Gestor regional da AGERP, Alberto Lima. Segundo Alberto Lima o Governo do Estado participa do Programa a partir da Adesão junto a União, representada pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA e tem a responsabilidade de Coordenar a implementação do Garantia Safra no Estado e destinar parcela do seu foto GSorçamento ao Fundo Garantia Safra (FGS), de acordo com o número de agricultores aderidos.

Termo de Adesão

O município participa a partir do Termo de Adesão junto ao Governo Estadual. O referido termo é assinado anualmente, no inicio da safra e antes do período de plantio com o comprometimento de destinar parcela do seu orçamento ao Fundo Garantia Safra (FGS), de acordo com o número de agricultores participantes. O benefício do Garantia-Safra é pago com recursos do Fundo Garantia- Safra, composto por contribuições do agricultor, do município, do estado e da União. Na safra 2013/2014, a contribuição do agricultor é de 1,5% do valor do benefício (R$ 12,75), o município paga 4,5% (R$ 38,25 por agricultor); o estado contribui com 9% do valor ao Fundo (R$ 76,50) e a União paga 30% (R$ 255 por agricultor que aderir ao Garantia-Safra).

O agricultor para participar do Programa precisa ter uma Declaração de Aptidão ao Pronaf – DAP, que é fornecida pela Agência de Assistência Técnica e Extensão Rural (AGERP) ou pelo Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR). Esta declaração é gratuita e tem um prazo de validade de 03 anos. Caso o produtor já possua uma DAP, não precisa fazer outra, basta complementar com as informações necessárias do Garantia Safra, onde os técnicos da AGERP estarão disponíveis para tirar as dúvidas que se fizerem necessárias. A adesão e a participação dos agricultores compreendem três fases: a inscrição do agricultor no Programa Garantia Safra; seleção feita pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) dos agricultores que se inscreveram no Programa e o pagamento do boleto no valor de R$ 12,75.

O gestor Regional da AGERP acrescentou que o agricultor familiar deve possuir renda familiar mensal de até 1,5 salário mínimo e plante entre 0,6 a 5 ha de algodão, arroz, feijão, mandioca ou milho, sendo que a adesão deve ser antes do plantio. É importante lembrar que os agricultores inscritos no Programa devem fazer ou renovar sua inscrição e pagar o boleto do ano. O pagamento ao agricultor é feito depois que é constatada a perda de no mínimo 50% da safra no município, quer seja causada pela seca ou excesso hídrico. Essa perda é verificada através de laudos de vistorias. Os agricultores a serem visitados para a realização dos laudos são escolhidos através de uma seleção feita pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), em Brasília – DF, beneficiando todos os agricultores da região inscritos no programa.

Para que seja comprovada a perda da safra é necessário que a Secretaria de Agricultura do Município encaminhe ao Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA o COP (Comunicado de Ocorrência de Perdas). O ministério comprova a veracidade deste Comunicado e ao reconhecer a situação de emergência, publica a portaria no Diário Oficial da União – D.O.U.

Parcelas

Após a publicação o pagamento será feito em cinco parcelas de R$ 170,00, totalizando R$ 850,00, através da Caixa Econômica Federal e, correspondentes bancários. O agricultor para isso receberá um Cartão do Cidadão que tem seu Número de Identificação Social (NIS).

Para que esse pagamento aconteça é necessário que o Estado, o Município e os agricultores estejam quites com o pagamento. Alberto Lima finalizou informando que na safra 2012/2013 foram inscritos em Timon 334 agricultores, mas somente 322 pagaram o boleto e que os mesmos já estão recebendo o pagamento do referido programa. A primeira parcela liberada é no valor de R$ 140,00 e o total é de R$ 760,00, sendo que os agricultores que não tiverem o cartão do bolsa família ou o cartão cidadão deverão se dirigir diretamente à agência da Caixa Econômica para receberem o benefício. Ele aproveitou a oportunidade para agradecer o empenho do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, bem como das Secretarias Municipais de Agricultura para o êxito do programa. O escritório regional da AGERP em Timon funciona na Avenida Viana Vaz, nº 186, Centro.

Fonte: Blog do Ademar Sousa

*Com Informações da Assessoria de Comunicação da AGERP.

Governo do Estado participa da VI Exposição de Caprinos e Ovinos de Vargem Grande

O Governo do Estado por intermédio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão, Agerp-MA, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar – Sedes, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio ( Sedinc) e da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do autoridadesMaranhão (Sagrima), participou neste final de semana, da VI EXPOVARGEM- Exposição de Caprinos e Ovinos de Vargem Grande.

Prestigiaram o evento nestes três dias, os secretários da Sagrima, Cláudio Azevedo, da Indústria e Comércio, Maurício Macedo, o presidente da Agerp, Jorge Fortes, o prefeito de Vargem Grande, Edivaldo Nascimento, o deputado estadual, Fábio Braga, (PMDB), presidente da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Vargem Grande (Accovag) e secretário de agricultura de Vargem Grande, Antônio de Sousa Filho, vereadores , representantes do Sebrae, do Banco do Brasil e do Nordeste em Chapadinha e convidados.

A VI EXPOVARGEM teve como principal objetivo fortalecer a atividade na região do Baixo Itapecuru, gerando trabalho e renda, especialmente no município de Vargem Grande que possui atualmente um dos maiores rebanhos do Estado, um plantel que chega a 20 mil cabeças de animais.

DSC07952Na edição deste ano participaram 27 criadores com cerca de 600 animais. Estiveram presentes produtores dos municípios de Chapadinha, Barreirinhas, Presidente Vargas, Itapecuru-Mirim e Nina Rodrigues e da cidade sede da Exposição, Vargem Grande. Além destes, encontravam-se no local, criadores dos estados do Piauí e Pernambuco.

Torneio de cabra leiteira

De acordo com o presidente da Accovag, Antônio Filho, Vargem Grande é o município maranhense que mais consome carne e leite de caprino. Sobre o evento, ele destaca o seu esta tbfortalecimento a cada ano com a participação de parceiros locais e estaduais e destaca a realização do I Torneio de Cabra Leiteira de Vargem Grande. A competição, uma novidade adotada este ano, envolveu vinte cabras leiteiras, cuja finalidade foi motivar os criadores a desenvolver a prática da produção, comercialização e consumo do leite.

“Queremos incentivar os criadores a trabalhar mais com a produção de leite”, revelou, destacando a coordenação do veterinário da Emater da Paraíba, Everaldo Cadena, na realização do Torneio e na participação como consultor da Exposição.

Jorge jah redimensionadoNo entendimento de Jorge Fortes, da Agerp, é necessário maior empenho dos associados da ACCOVAG, para o fortalecimento da atividade por ser ela a grande saída para os problemas econômicos dos pequenos produtores de Vargem Grande e região.

“A ovinocaprinocultura tem trazido bons resultados não somente para este município, como para a toda a região”, disse ele, destacando a qualidade de vida conquistada pelos agricultores familiares e por criadores médios envolvidos nesta prática.

Usina de beneficiamento

Ao visitar as baias, o Secretário da Sagrima, Cláudio Azevedo reforçou o discurso de Fortes e destacou Vargem Grande pela sua vocação e condições climáticas e vegetação favoráveis. Na oportunidade, Azevedo frisou a inauguração da Usina de Beneficiamento de derivados do leite de cabra, prevista para acontecer ainda este ano.

“Vejo com muito otimismo a realização desta Exposição”, disse, ao tempo que lembrou que a Usina beneficiará não somente Vargem Grande, mas também todo o Maranhão com produtos de grande valor nutritivo, feitos a partir do leite de cabras.

mais estaPara o criador, Ewandson Pereira, de Nina Rodrigues, essa foi uma excelente oportunidade para interagir com os demais criadores, buscar oportunidades e conhecer o mercado de compra e venda de animais. Pereira investe em ovinocaprinocultura há um ano. Escolheu este tipo de trabalho porque segundo ele, é rentável e bastante adaptável à região, “ sem contar que  tem aceitabilidade e dá pra conciliar com outras atividades que desenvolvo”, salientou.

“A gente espera maior incentivo e organização do poder público para que em pouco tempo, possamos ser referência não somente na região, mas também em todo o Nordeste”, disse o criador.

Agerp desenvolve pesquisa para incrementar produção agrícola em municípios maranhenses

AgerpDestaque

Técnicos da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp-MA), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), desenvolvem desde o início deste ano, ações de pesquisa aplicada a sistemas de base sustentáveis em diversas comunidades rurais maranhenses. Nesse trabalho, a Agerp conta com a parceria das Associações de Agricultores Familiares, Secretarias Municipais de Agricultura e as Escolas Casa Familiar Rural.

A iniciativa integra as ações programáticas da Agerp com recursos financeiros do Tesouro Estadual do Programa – Desenvolvimento da Agricultura Familiar – da ação Pesquisa Aplicada a Sistemas de Base Sustentável, PPA 2012-2015, exercício 2013, que tem por finalidade identificar e desenvolver modelos de agricultura sustentável objetivando avaliar, multiplicar e difundir tecnologias apropriadas à agricultura familiar.

Nesse sentido, a Agerp-MA tem intensificado a assistência técnica aos agricultores familiares em todo o Estado. A ideia é amparar as demandas do setor, promovendo as transformações sociais necessárias desde que seja fruto da construção partilhada entre a sociedade civil organizada e o Estado, possibilitando a sustentabilidade dos recursos naturais e garantindo a melhoria da qualidade de vida desses agricultores familiares.

Pesquisa Aplicada

A realização de ensaios de pesquisa e das unidades de referência é imprescindível para definição das variedades e os manejos mais adequados e produtivos para as condições de clima e solos do estado do Maranhão.

Os agricultores familiares selecionados e atendidos pelo programa de Desenvolvimento da Agricultura Familiar da ação – Pesquisa Aplicada a Sistemas de Base Sustentável, pertencem aos municípios de Bom Lugar (comunidade Salgadinho), Bela Vista (comunidade Centro do Lulu), Pirapemas (comunidade Inês), Matões do Norte (comunidade Paraíso), Miranda do Norte (comunidade Morro Grande), Paço do Lumiar (comunidade Canaã) e São Luís, (comunidade Calembe).

A equipe de P&D; da Agerp atende os agricultores familiares através dos ensaios de pesquisa sobre o uso da torta do babaçu na alimentação de frango caipira; avaliação de cultivares de alface americana em sistema hidropônico; avaliação do comportamento do feijão caupi; avaliação de híbridos de maracujá amarelo; comportamento de cultivares de cebola; avaliação de cultivares de mandioca mansa; e das unidades de referência em sistemas agroflorestais (SAFs), analisando aspectos relacionados à organização social, à produção de alimentos e os efeitos sobre o ambiente (vegetação e condições de clima e solo).

De acordo com o coordenador de Pesquisa Agropecuária da Agerp, José Rogério Salles, nas atividades de P&D; nos municípios, é necessário que haja identificação das comunidades parceiras interessadas e comprometidas com a implantação dos projetos nos locais. Os pesquisadores apresentam os projetos e, juntamente com a equipe de técnicos dos Escritórios Regionais da Agerp e os agricultores familiares, os implantam e acompanham em cada município-comunidade.

“Os principais resultados esperados com esses projetos consistem na definição e organização de um conjunto de informações tecnológicas consistentes, geradas e/ou adaptadas localmente de forma compartilhada, possibilitando aumento da produtividade e da rentabilidade dos agricultores e agricultoras familiares do estado do Maranhão”, destacou.

Para o presidente da Agerp, Jorge Fortes, as experiências em andamento são frutos da política adotada pela Agência e refletem positivamente em resultados promissores na assistência técnica, que esta agência de P&D; desenvolve no Estado.

“Os agricultores familiares atendidos pelas ações da pesquisa terão um ganho considerável, levando em consideração as dinâmicas sociais, econômicas e ambientais. Com essas ações, ganham todos, agricultores familiares, sociedade e Governo, uma vez que a pesquisa vem apoiando e consolidando a assistência técnica prestada pela Agerp”, salientou Jorge Fortes.

Reportagem publicada no jornal “O Imparcial” de domingo, dia 8/9.13

http://www.oimparcial.com.br/app/noticia/urbano/2013/09/08/interna_urbano,140286/agerp-desenvolve-pesquisa-para-incrementar-producao-agricola-em-municipios-maranhenses.shtml

Agerp desenvolve pesquisa para incrementar produção agrícola em municípios maranhenses

Técnicos da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp-MA), órgão da Secretaria de Estado do Fotos Projeto SAF  preparo de mudas Açaí ago 2013 006Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), desenvolvem deste o início deste ano, ações de pesquisa aplicada a sistemas de base sustentáveis em diversas comunidades rurais maranhenses. Nesse trabalho, a Agerp conta com a parceria das Associações de Agricultores Familiares, Secretarias Municipais de Agricultura e as Escolas Casa Familiar Rural.

A iniciativa integra as ações programáticas da Agerp com recursos financeiros do Tesouro Estadual do Programa – Desenvolvimento da Agricultura Familiar – da ação Pesquisa Aplicada a Sistemas de Base Sustentável, PPA 2012 – 2015, exercício 2013, que tem por finalidade identificar e desenvolver modelos de agricultura sustentável objetivando avaliar, multiplicar e difundir tecnologias apropriadas á agricultura familiar.

Nesse sentido, a Agerp-MA tem intensificado a assistência técnica aos agricultores e agricultoras familiares em todo o Estado. A ideia é amparar as Destaquedemandas do setor, promovendo as transformações sociais necessárias desde que seja fruto da construção partilhada entre a sociedade civil organizada e o Estado, possibilitando a sustentabilidade dos recursos naturais e garantindo a melhoria da qualidade de vida desses agricultores e agricultoras familiares.

Pesquisa Aplicada

A realização de ensaios de pesquisa e das unidades de referência é imprescindível para definição das variedades e os manejos mais adequados e produtivos para as condições de clima e solos do estado do Maranhão.

Os agricultores e agricultoras familiares selecionados e atendidos pelo programa de Desenvolvimento da Agricultura Familiar da ação – Pesquisa Aplicada a Sistemas de Base Sustentável, pertencem aos municípios de Bom Lugar (comunidade Salgadinho), Bela Vista (comunidade Centro do Lulu), Pirapemas (comunidade Inês), Matões do Norte (comunidade Paraíso), Miranda do Norte (comunidade Morro Grande), Paço do Lumiar (comunidade Canaã) e São Luís, (comunidade Calembe).

A equipe de P&D da Agerp atende os agricultores e agricultoras familiares através dos ensaios de pesquisa sobre o uso da torta do babaçu na alimentação de frango caipira; avaliação de cultivares de alface americana em sistema hidropônico; avaliação do comportamento do feijão caupi; avaliação de híbridos de maracujá amarelo; comportamento de cultivares de cebola; Fotos Projeto SAF Coleta de ramas, preparo e plantio batata doce 027_X1avaliação de cultivares de mandioca mansa; e das unidades de referência em sistemas agroflorestais (SAFs), analisando aspectos relacionados à organização social, à produção de alimentos e os efeitos sobre o ambiente (vegetação e condições de clima e solo).

De acordo com o coordenador de Pesquisa Agropecuária da Agerp, José Rogério Salles, nas atividades de P&D nos municípios, é necessário que haja identificação das comunidades parceiras interessadas e comprometidas com a implantação dos projetos nos locais. Os pesquisadores apresentam os projetos e juntamente coma equipe de técnicos dos Escritórios Regionais da AGERP e os agricultores e agricultoras familiares os implantam e acompanham em cada município-comunidade.

“Os principais resultados esperados com esses projetos consistem na definição e organização de um conjunto de informações tecnológicas consistentes, geradas e/ou adaptadas localmente de forma compartilhada, possibilitando aumento da produtividade e da rentabilidade dos agricultores e agricultoras familiares do estado do Maranhão”, destacou.

Fotos Projeto SAF  preparo de mudas Açaí ago 2013 014_X1Para o presidente da Agerp, Jorge Fortes, as experiências em andamento são frutos da política adotada pela Agerp e refletem positivamente em resultados promissores na assistência técnica, que esta agência de P&D desenvolve no Estado.

“Os agricultores e agricultoras familiares atendidos pelas ações da pesquisa terão um ganho considerável, levando em consideração as dinâmicas sociais, econômicas e ambientais. Com essas ações, ganham todos, agricultores e agricultoras familiares, sociedade e Governo, uma vez que a pesquisa vem apoiando e consolidando a assistência técnica prestada pela Agerp”, salientou o presidente.

Agerp participa nesta semana da VI Exposição de Caprinos e Ovinos de Vargem Grande

cartaz VI ExpovargemA 6ª Exposição de Caprinos e Ovinos de Vargem Grande (Expovargem), município maranhense localizado a 172 Km da capital São Luís, deve atrair centenas de pessoas nos próximos dias 13 (sexta), 14 (sábado) e 15 (domingo).

O evento será realizado pela Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Vargem Grande (Accovag) e Secretaria Municipal de Agricultura  junto com a  Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão – Agerp-MA, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) e  parceiros,  tem como objetivo  fortalecer a atividade na região do Baixo Itapecuru, para gerar trabalho e renda ao município, que possui um dos maiores rebanhos do Nordeste, com um plantel de 20 mil cabeças.

Raças do tipo Santa Inês, Dorper, Anglo Nubiano, Boé, Nambi, Bergamasca e Parda Alpina – de corte e leite – poderão ser vistas  no local. Quarenta expositores participam com cerca de 300 cabeças de caprinos, alguns de Pernambuco e do Piauí, além dos municípios de Barreirinhas, Chapadinha, Timon e São Luís.  Na programação, shows culturais, comidas típicas e palestras.

Convite para a Missa de Sétimo Dia de Jacilene Mendes

CONVIDAMOS A TODOS PARA A MISSA DE SÉTIMO DIA DE JACILENE DE JESUS MENDES, QUE SE REALIZARÁ ÀS 19 HORAS DESTA QUINTA FEIRA, DIA 05 de setembro de 2013, NA IGREJA NOSSA SENHORA APARECIDA, NO CONJUNTO RADIONAL – SÃO LUIS – MA. JACI_2

Agricultores de Codó e região participam do Dia de Intercâmbio sobre Hortaliças Irrigadas

cAMPO - CODO O  Escritório Regional da Agerp, em Codó, realizou esta semana,  no povoado Barra do Saco, o  Dia de Intercâmbio  com Hortaliças Irrigadas. A iniciativa, que está em seu segundo ano consecutivo –  serviu para  apresentar experiências feitas a partir de hortaliças comuns destacando-se: batata, melancia e milho.

dIA DE cAMPO iNela foi possível ainda discutir as dificuldades que permeiam este tipo de atividade na agricultura familiar e a diversificação de novas experiências tanto na comunidade sede, quanto em outras  localidades onde há a forte vocação para produção de tais hortaliças.. Na programação, houve palestras, visitação aos canteiros e áreas cultivadas e almoço.

Compareceram ao evento, estudantes de agronomia  e de Ciências Agrárias e professores do Instituto Federal  do Maranhão (IFMA),  de Codó), gestores municipais de Coroatá e de Caxias, o gestor do Escritório Regional da Agerp de Bacabal, pequenos e médios produtores rurais, agricultores familiares de diversos municípios da região, gerentes financeiros do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) do Maranhão e do Piauí, dentre outros.

No entendimento do gestor da Agerp em Codó, Márcio Alves, o Dia de Campo passa a ser uma nova oportunidade para que agricultores e outros interessados neste tipo de atividade possam receber, mas também passar informações acerca do cultivo de hortaliças comuns à região.

O  interagir com os presentes.  São iniciativas como essa que  Agerp se destaca pelo profissionalismo da equipe e pela perspectiva que gera para o seu público, que é o agricultor familiar”, disse ele.