Facebook Twitter Instagram

Sagrima distribui sementes para a Safra 2014/2015

DSC05054Agricultores familiares do Maranhão começaram a receber as sementes selecionadas de arroz e milho, distribuídas pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima). Para esta safra de 2014/2015 estão sendo distribuídas em todas as regiões do Maranhão, cerca de 1.520 toneladas de sementes de arroz e milho.

Na última segunda-feira, o secretário adjunto da Sagrima, Raimundo Coelho de Sousa, participou da solenidade de entrega simbólica a agricultores familiares da região tocantina. O evento ocorreu em Imperatriz, no Depósito Municipal de Abastecimento da Secretaria de Agricultura e contou com a presença do prefeito municipal, Sebastião Madeira, do gestor regional da Agência de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Imperatriz (Agerp), José Araújo, do deputado estadual Léo Cunha e de vários produtores.

Para atender os agricultores dos 14 municípios que são assistidos pelo escritório regional da Agerp de Imperatriz, estão sendo distribuídas 25 toneladas de sementes de arroz e 50 toneladas de milho.

A agrônoma Vicência Perdigão, que presta assistência técnica aos agricultores familiares do município de Amarante do Maranhão, informou que eles começaram a receber as sementes essa semana e já iniciaram o plantio. “Aproximadamente em 70 dias os agricultores devem colher o arroz e milho”, disse ela.

Raimundo Coelho de Sousa informou que além das sementes de arroz e milho, os agricultores maranhenses receberam este ano, 323 toneladas de sementes de feijão, além de 823 quilos de sementes de hortaliças.

Produtores de Amarante receberam também, no mês de setembro, sementes de hortaliças. Eles já plantaram, colheram e venderam os produtos no comércio local e ainda forneceram para o Programa Nacional de Alimentação Escolar, o PNAE.

A semente selecionada distribuída pelo governo estadual, por meio do Programa Viva Sementes, é um dos principais insumos para o agricultor familiar. As sementes são adaptadas ao solo e clima maranhense, possibilitando boa germinação e permitindo maior produtividade da planta com economia para o agricultor, que não precisa ter gastos para adquirir o insumo ou mesmo, utilizar grãos armazenados do plantio anterior.

Durante as safras de 2009 até a safra 2014/2015, o governo do Estado já entregou 11.012 toneladas de sementes de arroz, milho e feijão e 8.074 quilos de sementes de frutas e hortaliças aos agricultores maranhenses de todas as regiões do estado, incluindo áreas quilombolas, indígenas e assentamentos rurais.

Além das sementes, os agricultores familiares receberam incentivos da Sagrima para modernizar sua produção. Nos últimos anos foram entregues 115 patrulhas mecanizadas, compostas por trator, grade aradora e carreta agrícola, além de 1.091 kits de irrigação que permitiram ao agricultor mais de uma safra por ano, já que agora eles já não dependem apenas das chuvas.

Fonte: Sagrima
Texto: Vitória Castro

Agerp participa da Agritec e se destaca com exposição de produtos da agricultura familiar

Jorge Fortes durante abertura do Simpósio da Agricultura Familiar Maranhense.

Jorge Fortes durante abertura do Simpósio da Agricultura Familiar Maranhense.

Com uma equipe formada por técnicos e gestores das regionais de Timon, Codó, Caxias e São Luís, a  Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão, (Agerp-MA), participou no período de 19 a 22, da Feira de Agrotecnologia da  Região dos Cocais Maranhenses, realizada na cidade de Caxias, a cerca de 370 quilômetros da capital maranhense.

A Feira  teve como realizadores, a prefeitura local, Sindicato Rural, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, (Embrapa), prefeituras municipais da região, órgãos estaduais com destaque para esta Agência, além de outras instituições públicas federais e estaduais.

Na oportunidade,  visitantes, estudantes, empresários, gestores e profissionais das diversas áreas puderam conhecer de perto,  riquezas regionais e o melhor da tecnologia para a agropecuária regional  e o agronegócio. Além disso, oportunidades empresariais, turismo, geração de renda e cidadania, inovações tecnológicas  e informações qualificadas, foram apresentadas a quem esteve no Parque da Cidade durante toda a semana em que se deu a  Feira.

Estande decorado

A Agerp participou com exposições de produtos artesanais, material informativo, vídeos especializados  em um estande decorado para a ocasião – localizado no Espaço Institucional – onde o agricultor familiar, estudantes e demais visitantes puderam receber informações pertinentes às suas áreas de interesse.

Agricultoras Familiares expõem produtos na Agritec em Caxias.

Agricultoras Familiares expõem produtos na Agritec em Caxias.

Além de  produtos artesanais , vídeos especializados e atendimento aos visitantes, a Agerp teve a sua participação por meio da assistência prestada a grupos de agricultores familiares de Coroatá, Codó, Peritoró, Timbiras, Timon e Caxias. Um número grande destes trabalhadores participaram com itens  produzidos e comercializados a partir  da assistência técnica prestada por técnicos da Agerp.

Foram organizadas pelos gestores desta Agência, caravanas de agricultores para participar diariamente de palestras,  fóruns e painés cujos temas  eram voltados para o dia a dia no campo.

Outro grande destaque na primeira edição da Feira da Agrotecnologia, foi a demonstração  de produtos feitos a partir da farinha da  mandioca. Beijus coloridos com coco foi o grande sucesso nos cinco  dias em que foi realizada a Exposição de Caxias.

A Agerp contribuiu também com palestras e  mesas redondas. Nesse caso, representada pelo presidente Jorge Fortes e pelo diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, Wellington Matos. Ambos discorreram sobre, “A importância das tecnologias no campo e o futuro da agricultura familiar: juventude e sucessão rural”, “Cadeias produtivas de ovinos e caprinos  no Estado do Maranhão”, “Novo código florestal e seus impactos na agricultura” e Geolocalização na Pesquisa Agropecuária”.

Não se pode deixar de falar do Concurso de Inventos na Agricultura Familiar.  A Agência, por intermédio de seu diretor de P&D,  juntamente com outros representantes institucionais, julgou as melhores  ideias que facilitarão a vida do homem do campo, em seu ofício diário com gerador solar fotovoltaico, (Aldeias Altas), Ralador de Mandioca, (Vargem Grande), Gadanhão, (Coelho Neto), Capinador de Cheiro Verde, (Coelho Neto) e Aspersor de água com garrafa pet, tendo sido vencedor, este último.

Vencedor do Concurso de Inventos da agricultura familiar, Daniel da Silva, com Wellington Matos, (P&D- Agerp), e demais julgadores.

Vencedor do Concurso de Inventos da agricultura familiar, Daniel da Silva, com Wellington Matos, (P&D- Agerp), e demais julgadores.

O presidente da Agerp, Jorge Fortes, durante a abertura da Agritec, elogiou o papel da prefeitura local e da Embrapa, falou das novas políticas da agricultura familiar aplicadas no Maranhão e falou da importância do projeto, cujo principal objetivo, segundo ele, é levar conhecimentos a todos quanto puderam usufruir,  do que fora apresentado.

“Quero destacar a realização da Agritec e a sua  importância para a Agerp. É por meio dela, que  direcionamos caravanas de agricultores familiares para que possam expor e comercializar seus  produtos”, disse ele parabenizando a Embrapa e parceiros pela iniciativa.

O Chefe Geral da Embrapa Cocais, Valdemício Ferreira de Sousa,  falou que a ideia do projeto Agritec  é atender os municípios incluídos no Plano Brasil Sem Miséria, (PBSM), da região do Baixo Parnaíba. Segundo ele, a parceira com a Agerp e demais instituições foi primordial para dar visibilidade à Feira, que teve como  ponto forte, a agricultura familiar e empresarial.

“A Agerp e a Embrapa já são parceiros em todos os municípios temos parceira no PBSM e um excelente relacionamento. O sucesso desse empreendimento se dá justamente  em função dessa aliança que temos”, destacou ele, ressaltando a oportunidades de negócios geradas a partir da iniciativa, bem como mecanismos  de elaboração de projetos e oficinas que no futuro fortalecerão o trabalho no meio rural.

FONTE: AGERP

TEXTO: Leocândida Rocha

 

 

 

Acordos para agricultura, pecuária e armazéns aproximam BNB e Ministério de produtores rurais

DSC_8969O Banco do Nordeste assinou, nesta quinta-feira, 20, três acordos de cooperação técnica com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para fomentar o desenvolvimento do agronegócio em toda a Região. O presidente do BNB, Nelson Antônio de Souza, recebeu em seu gabinete o ministro Neri Geller, o diretor da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), Sérgio Alencar, o diretor da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), José Torres de Melo, e o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará (Faec), Flávio Sabyia, entre outras autoridades do setor.

Os termos assinados com o Mapa versam sobre fortalecimento da fruticultura, da pecuária e ampliação da capacidade e maximização da eficiência de utilização dos sistemas de armazenagem. Na ocasião, outro acordo foi firmado com CNA, para promoção das atividades agropecuárias. O destaque dos documentos é o incentivo à inovação tecnológica para pequenos e médios produtores e o apoio à agricultura familiar.

 “Para o Banco do Nordeste, os acordos são o resultado do cumprimento da missão de desenvolver a região nordestina de modo sustentável. A palavra que pode definir os quatro acordos firmados para o desenvolvimento do agronegócio é competitividade. Estamos buscando afirmar a competitividade do Banco em todos os setores de atuação”, declarou o presidente Nelson.

O ministro Neri Geller pontuou ações específicas para a Região. “O desafio do Governo Federal é descentralizar os recursos federais e estender a mão ao Nordeste. Pode-se verificar isso nos investimentos em manutenção do rebanho bovino, nos subsídios fornecidos, nas renegociações de endividamento dos produtores e nas taxas diferenciadas e reduzidas para a agropecuária. Convênios como os que assinamos fortalecem o desenvolvimento do setor”.

O diretor da CNA, José Torres de Melo, afirmou que a integração dos segmentos do agronegócio é necessária para possibilitar inovação tecnológica: “Há muito se discutia as diferenciações entre agronegócio, agropecuária e agroindústria. Hoje, temos a certeza de que a união desses setores viabiliza a prosperidade do produtor rural. Cada vez mais se torna fundamental a disponibilização de linhas de crédito e meios de produção para o desenvolvimento da agricultura”, discorreu.

O Banco do Nordeste possui ativo atual de R$ 48 bilhões de reais, dos quais R$ 20 bilhões são destinados exclusivamente ao agronegócio. Com 7% das agências bancárias da Região, o BNB concentra 56% do crédito rural em sua área atuação. Só no Maranhão, onde o BNB já possui 30 agências, o índice de participação nos financiamentos de crédito rural chega a 62,6%, um retrato que comprova a relevância do Banco do Nordeste para o desenvolvimento da produção sustentável no meio rural maranhense.

Fonte: Ascom BNB

Novo Código Florestal é discutido em São Luís

O Novo Código Florestal foi tema de curso  realizado neste sábado, 22, durante todo o dia, no auditório do jornal O Imparcial, no Renascença. O objetivo principal do curso é discutir a Lei e seus decretos regulamentadores, trazendo uma visão prática, para que os técnicos, órgãos ambientais e proprietários rurais e agricultores familiares possam obter seus direitos e cumprir seus deveres estabelecidos pelo Código.

O curso de responsabilidade da empresa C&C Consultoria e Gestão Ambiental contou com o apoio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp-MA) e outras entidades. Da Agência, foram 35 técnicos, entre engenheiros agrônomos e de pesca, médicos veterinários, advogados,  geógrafos e técnicos agrícolas que estiveram presentes, visto que o tema abordado é pertinente às atividades que a Agerp realiza no Maranhão.

Na programação do curso foram discutidas a evolução da legislação florestal brasileira e suas disposições transitórias e permanentes, áreas de preservação permanente, reserva legal, agricultura familiar e outros temas ligados à discussão.

O Código Florestal

O Código Florestal Brasileiro é atualmente regulado pela Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Estabelece limites de uso da propriedade, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada bem de interesse comum a todos os habitantes do Brasil.

O Novo Código Florestal trouxe uma série de mudanças na regulamentação das propriedades rurais e urbanas e institui regras gerais sobre onde e de que forma a vegetação pode ser explorada. Determina ainda, as áreas que devem ser preservadas e quais são autorizadas para exploração rural, isso envolve diretamente e principalmente os agricultores familiares, público atendido por esta Agência.

Fonte: Ascom Agerp

Texto: Samara Andrade

 

 

Assembleia da Asbraer destaca avanço na agricultura familiar e extensão rural

Jorge Fortes e o secretário da Sedes, Fernando Fialho, durante abertura da Assembleia da Asbraer.

Jorge Fortes e o secretário da Sedes, Fernando Fialho, durante abertura da Assembleia da Asbraer.

Entidades de assistência técnica e extensão rural de vinte e três estados brasileiros, participaram na manhã desta quinta-feira, 13, da 47ª Assembleia Ordinária da Associação Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer), no Hotel Pestana, em São Luís.

O encontro contou com o apoio do Governo do Maranhão e da Secretaria do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp – MA), cujo objetivo foi promover um balanço das ações da Asbraer e paralelo a isso, fazer intercâmbio de experiências e conhecimentos entre as Empresas de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), do país.

Estiveram presentes no evento além dos representantes das Emater, o presidente da Asbraer, José Ricardo Roseno; o secretário da Sedes, Fernando Fialho, o presidente da Agerp, Jorge Fortes; a diretora de Assistência Técnica e Extensão Rural, Thelma Aragão; o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, Wellington Matos; o deputado federal por  Minas Gerais, Zé Silva; o diretor do Dater do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Argileu Martins da Silva; Presidente da Faser, Manoel Saraiva e o presidente da Embase, Marilson Ribeiro.

Deputado Federal Zé Silva, (SD-MA), Jorge Fortes e secretário da Sedes, Fernando Fialho, durante abertura da Assembleia da Asbraer.

Deputado Federal Zé Silva, (SD-MA), Jorge Fortes e secretário da Sedes, Fernando Fialho, durante abertura da Assembleia da Asbraer.

Para o secretário da Sedes, Fernando Fialho, a reunião é uma oportunidade de trocar experiências e debater os desafios que a agricultura familiar enfrenta no país e no Maranhão.

“É um momento proveitoso para trocar informações de maneira eficaz sobre a assistência técnica e extensão rural. O Governo do Estado por meio da Agerp trouxe um avanço para a agricultura familiar no Maranhão, avanço que vemos no crescimento  da produção agrícola, na emissão de Declaração de Aptidão ao Pronaf  (DAPs), e no atendimento mais presente ao pequeno produtor”, disse Fialho.

Projetos Exitosos

O presidente da Agerp, Jorge Fortes falou durante a abertura, da satisfação de sediar a Assembleia e compartilhar com os presentes o avanço da agricultura e extensão rural nesses últimos tempos no Maranhão. Na ocasião foram apresentados por ele, projetos exitosos desenvolvidos pela Agerp, bem como, o apoio do Governo para com o segmento em todo o estado.

“Trabalhamos durante três anos e oito meses e fizemos mudanças significativas na área de pesquisa, assistência técnica e extensão rural no Maranhão. Isso mudou a vida de agricultores no campo, e foi possível com o apoio da governadora Roseana Sarney e do secretário da Sedes, Fernando Fialho vislumbrar um novo futuro para o Maranhão combatendo a pobreza extrema com mais vigor. Esperamos que essa mudança continue, que o estado avance e valorize muito mais, a agricultura familiar”, destacou Fortes.

O presidente da Asbraer, José Ricardo Roseno, na ocasião, apresentou o Planejamento Estratégico da instituição, que está em fase de finalização e ressaltou que esse planejamento é essencial para apontar diretrizes e metas para que a Asbraer se consolide de forma efetiva e fortalecer o serviço de Ater em todo Brasil.

“É importante a conclusão do Plano que está em sua última fase, a de socialização com as Emater. Estamos apresentando as novas estratégias por meio de Assembleias para que todas as entidades conheçam essas metas e para que a Asbraer se torne mais conhecida entre elas, além disso, estamos na expectativa em relação à regulamentação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), para qualificar e distribuir verbas para que as Ematers possam trabalhar a assistência técnica”, disse.

Jorge Fortes, recebe das mãos do presidente da Asbraer, Ricardo Roseno, homenagem  como gestor empreendedor.

Jorge Fortes, recebe das mãos do presidente da Asbraer, Ricardo Roseno, homenagem como gestor empreendedor.

No encerramento da Assembleia, o presidente Jorge Fortes, recebeu uma homenagem da Asbraer com a entrega de certificado que reconhece sua liderança para empreender estratégias, políticas públicas e ações dirigidas ao fortalecimento das entidades estatais de assistência técnica e extensão rural, nos âmbitos nacional e internacional.

A Asbraer

Criada 1990 a Associação Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer) surgiu para ocupar o espaço deixado com a extinção da Empresa Brasileira de Assistência Técnica de Extensão Rural (Embrater). A instituição está presente em todo o território nacional, por meio de 27 entidades associadas, ligadas aos governos estaduais.

Em sintonia com as filiadas, a Asbraer assegurou a inserção da assistência técnica e da extensão rural na agenda nacional, em defesa de um modelo de desenvolvimento ambientalmente sustentável, economicamente viável e socialmente justo, preocupada em garantir qualidade de vida para a atual e as futuras gerações.

Texto: Samara Andrade

Fotos: Leocândida Rocha

Feira de Agrotecnologioa vai mostrar novidades da agropecuária e oportunidades de investimentos nas regiões dos Cocais e Baixo Parnaíba

Expor e apresentar as oportunidades empresariais em vários segmentos da economia local e regional, turismo, geração de renda e cidadania, inovações tecnológicas e informações qualificadas, é o objetivo da Feira de Agrotecnologia da Região dos Cocais Maranhenses – AGRITEC 2014, que será realizada de 19 a 22 deste mês, no Parque da Cidade, em Caxias (MA).

O evento é uma realização conjunta da Embrapa, Sindicato Rural e a Prefeitura Municipal de Caxias, e conta com o apoio das prefeituras dos municípios da região dos cocais e parceiros das mais diversas instituições de todas as esferas administrativas e organizações não-governamentais.

TECNOLOGIAS SOCIAIS

“Este será, sem dúvida, o grande evento da agricultura familiar e do agronegócio maranhense”, declarou o chefe-geral da Embrapa Cocais, Valdemício Ferreira de Sousa. Segundo ele, a feira vai mostrar as novidades, tecnologias sociais e invenções voltadas para a agricultura familiar e agricultores familiares, e estará focada nas potencialidades dos municípios das regiões Cocais Maranhenses e Baixo Parnaíba.

OS ESPAÇOS DA AGRITEC

A AgriTec 2014 será composta de vários Espaços: Agricultura Familiar, do Agronegócio, da Ovinocaprinocultura, do Empreendedor e Negócios, da Cidadania, da Alimentação/Gastronomia Regional, Lazer, Espaço dos Municípios e Espaço Show (atrações artístico-culturais a cada por noite).

 

MAIS 30 MUNICÍPIOS

Segundo os organizadores da AgriTec 2014, deverão participar da feira aproximadamente 33 municípios das duas regiões – Cocais e Baixo Parnaíba. O público estimado para os quatro dias do evento é de 50 mil pessoas, entre agricultores familiares, produtores rurais, empreendedores, expositores, palestrantes e visitantes. Cada noite haverá um atração artístico-cultural.

 

EXPOSIÇÃO E CURSOS

A programação da feira prevê, ainda, exposição de tecnologias sociais desenvolvidas pela Embrapa para a agricultura familiar, além de vitrine tecnológica e cursos para capacitação de agentes de assistência técnica e extensão rural (Ater).

 

MOSTRA DE INVENTOS

Dentro da feira será realizada a I Mostra de Inventos, Máquinas e Equipamentos da Agricultura Familiar. Os três melhores invenbtos serão premiados com R$ 3.000,00; R$ 2.000,00 e R$ 1.000,00, respectivamente.

 

CONCURSO DE REDAÇÃO

Também está sendo realizado um Concurso de Redação para alunos de Ensino Fundamental de escolas públicas da região. O tema é “a importância da Agricultura Familiar no Futuro das Crianças e dos Adolescentes”. O prazo para entrega das redações é até esta quarta-feira (12), na própria escola. A premiação será feita durante a feira, e o aluno vencedor ganhará uma passagem a Brasília-DF, com acompanhante e o diretor da escola, para conhecerem o Centro de Pesquisa da Embrapa.

 

RODADA DE NEGÓCIOS

Está prevista, ainda, rodadas de negócios entre um grupo de empresários de vários estados – que está sendo organizado pelo Banco Nacional de desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – e prefeitos de municípios da região dos Cocais e do Baixo Parnaíba.

 

SIMPÓSIO DA AGRICULTURA

Outro grande momento dentro da programação da AGRITEC 2014 será o I Simpósio da Agricultura Familiar do Estado do Maranhão, que consta de debates, palestras e mesas-redondas com conferencistas de renome nacional.

 

Fonte: Gil Maranhão / Embrapa Cocais

 

São Luís sedia Assembleia Nacional da Asbraer

Representantes das entidades de assistência técnica e extensão rural (Ater) de 23 estados do país participam nesta quinta- feira, (13), da 47ª Assembleia Ordinária da Associação Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer). O evento será realizado nesta quinta, (13), das 8h às 19h, no salão Luís de Camões I, no Hotel Pestana, no Calhau.

A Assembleia tem como objetivo atender o estatuto da Asbraer que determina a realização de duas reuniões por ano para discutir a importância da extensão rural para a agricultura familiar e fazer uma prestação de contas com apresentação de relatório fiscal, receitas, despesas da entidade e na oportunidade o presidente da Asbraer, José Ricardo Ramos, apresentará  a planejamento estratégico da instituição.

Participarão da Assembleia, o secretário da Sedes, Fernando Fialho, o presidente da Agerp, Jorge Fortes, a diretora de Assistência Técnica e Extensão Rural da Agência, Thelma Aragão, o presidente da Asbraer, José Ricardo Ramos Roseno, e diretores regionais da Associação e desta Agerp.

Fonte: Agerp

Maranhão alavanca produção de grãos com expansão de fronteiras agrícolas

Maranhão alavanca produção de grãos com expansão de fronteiras agrícolas

A abertura de novas fronteiras agrícolas em diferentes regiões do Maranhão deve aumentar em 30% a produção de grãos no estado. Hoje, o Maranhão colhe em torno de 4,3 milhões de toneladas de grãos, porém deve chegar a 6,5 milhões de toneladas nos próximos anos.

Além disso, o estado é o 10º maior produtor nacional de grãos com destaque para o cultivo de algodão, arroz, feijão, milho e soja. As expectativas de crescimento foram divulgadas pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima) nesta terça-feira (04.11).

O crescimento agrícola no Maranhão se deve as ações de incentivo do governo local somada à contribuição da agricultura familiar, que representa 70% deste segmento.

Um dos principais destaques dos esforços para oportunizar o acesso dos produtores às tecnologias agrícolas, segundo o secretário da Agricultura, Cláudio Azevedo, foi a distribuição de kits de irrigação com sistemas e alcance de área diversos, “que libertaram grande parte de nossas lavouras da dependência exclusiva das condições climáticas e regularidade das chuvas”, destacou.

Azevedo também valorizou a pecuária estadual e a abertura de novos mercados conquistados após o reconhecimento do Maranhão como Zona Livre Internacional de Febre Aftosa com Vacinação, concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Segundo o secretário, a política de incentivo a pecuária maranhense deve dobrar o rebanho bovino e bubalino, que atualmente é de 7,5 milhões de cabeças.

Fonte: Portal Agrolink

Governo do Estado executa 600 cursos do Pronatec em todos os 217 municípios

Ação do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), os 217 municípios maranhenses estão executando 600 cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – Brasil sem Miséria (Pronatec- BSM).

Só no primeiro semestre deste ano, foram ofertadas 30.633 vagas em 138 municípios maranhenses, e para o 2º semestre estão sendo ofertadas mais 15.741. São Luís, Imperatriz e Caxias foram as cidades contempladas com maior número de vagas este ano: 2.445, 946 e 750 vagas, respectivamente. Os cursos mais procurados são de auxiliar administrativo, operador de caixa, agricultor, piscicultor e cabeleireiro.

Segundo o superintendente de Capacitação para o Mercado de Trabalho da Sedes, Jair Sousa, além dos cursos de qualificação profissional disponibilizados pelo Estado, os alunos também recebem uma bolsa-auxílio para transporte e alimentação, bem como todo o material didático para o acompanhamento das aulas.

Os cursos do programa são realizados em instituições de reconhecida qualidade no ensino técnico e tecnológico, a exemplo do Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Serviço Nacional de Aprendizagem e Comércio (Senac) e Instituto Federal do Maranhão (Ifma).

Todo o processo de seleção para quem tem interesse em se inscrever nos cursos do Pronatec é realizado por meio da rede socioassistencial dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Centro de Referência Especializada de Assistência Social (Creas).

Os cursos do Programa constam com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), assim como também de outros ministérios e secretarias estaduais, como as de Educação, por exemplo. As capacitações ainda são ofertadas para agricultores, povos e comunidades tradicionais que são assalariados, proporcionando estudo, a fim de melhorar a qualidade de vida, bem como instruir os agricultores acerca das atividades no campo.

Mulheres Mil

O Programa Mulheres Mil, incorporado ao Pronatec este ano, está inserido no eixo de promoção da igualdade entre os sexos, combate à violência contra mulher e acesso à educação, fazendo parte de um conjunto de prioridades das políticas públicas do Governo Federal.

Uma das metas do programa é ofertar cursos com viés de turmas exclusivas com uma formação educacional e profissional para mulheres em situação de vulnerabilidade.

Para esta modalidade do Pronatec, os cursos são ofertados pelo Ifma. Ao todo, foram disponibilizadas 3.158 vagas este ano para o Mulheres Mil, sendo 1.398 vagas para o primeiro semestre e 1.760 para o segundo. Ressaltando que todas as participantes do Programa também recebem bolsa-auxílio, além de acompanhamento especializado para cada caso, tais como psicólogos, pedagogos, entre outros.

O Pronatec – BSM  foi criado em 2011 pelo Governo Federal, com o objetivo de ampliar as possibilidades de inserção no mercado de trabalho de pessoas inscritas no Cadastro Único (CadÚnico), por meio da oferta de cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC).

Os interessados em obter qualificação profissional por meio dos cursos oferecidos pelo Pronatec deverão ter como pré-requisitos: idade mínima de 16 anos e estar cadastrado ou em processo de cadastramento no Cadastro Único, mesmo que o candidato não seja beneficiário do Programa Bolsa Família ou do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Caso o candidato já seja beneficiário do Programa Bolsa Família, a matrícula nos cursos do Pronatec, não implicará na perda do benefício. Também podem se matricular candidatos que não são cadastrados no CadÚnico, mas que tenham perfil para o cadastramento. Neste caso, os interessados deverão ser encaminhados ao órgão municipal responsável pela inclusão de famílias no Cadastro Único para a realização da matrícula no Pronatec.

Para mais informações, os candidatos podem procurar, além dos Cras e Creas da sua cidade, as secretarias de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar ou a de Assistência Social.

Fonte: AscomSedes

Governo Federal investe em Assistência Técnica para promoção da agroecologia e do desenvolvimento rural sustentável

Até 2015, cerca de 120 mil agricultores familiares e assentados da reforma agrária receberão, em suas propriedades, profissionais que prestam Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), com foco na produção agroecológica e orgânica. A iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Agrário, prevista no Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015, tem como objetivo agregar inovação tecnológica e estimular a adoção de boas práticas no campo à produtividade e a renda da família.

De acordo com o engenheiro agrônomo e extensionista da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), no Rio Grande do Sul, André Müller, a ação envia técnicos para as propriedades rurais com o objetivo de orientá-los sobre planejamento e modernização de processos direcionados à agroecologia e à transição para este sistema. “O primeiro passo é apresentar, para o produtor, os benefícios da produção agroecológica. Depoisanalisar se a cultura tem boa adaptação ao tipo de solo, verificar se a divisa com os vizinhos é segura e avaliar se a comunidade e a propriedade contam com recursos que podem ser mais bem aproveitados.”

Com o diagnóstico em mãos, os técnicos fazem visitas frequentes às propriedades familiares, com o objetivo de capacitar os agricultores. “Nossa função é ajudar os trabalhadores rurais a começar ou a diversificar o tipo de produção de forma segura. Durante todo o processo, existe uma troca de experiência e conhecimento entre o agricultor e o profissional. Isso é importante para que não exista uma dependência e para que o beneficiário possa ser multiplicador das instruções recebidas”, observa André.

A agricultora familiar Marcia Inês Ferrari, 46 anos, atribui os êxitos alcançados em 11 anos de produção agroecológica à Assistência Técnica e Extensão Rural. Foi com o auxílio de profissionais extensionistas que ela transformou a pequena horta da família em fonte de renda e de saúde. “Sem a ajuda dos técnicos, eu não saberia nem por onde começar. Além de avaliar o solo e nos orientar sobre o modo correto de cultivar os produtos, eles nos ajudaram a articular formas de comercializá-los – seja em mercados, feiras ou por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).”

 

Crédito aliado à capacitação

O coordenador de Crédito da Agricultura Familiar no MDA, Mauri Andrade, salienta, entretanto, que existem duas formas do agricultor familiar ser atendido pela Ater. “O produtor pode ser incluído em chamadas públicas, realizadas pelo Governo Federal. Nessa modalidade, os beneficiários recebem orientações sobre agricultura familiar agroecológica, orgânica e agroextrativista local, do cultivo até a comercialização, sem necessariamente contratar crédito”, explica.

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) também conta com linhas de crédito para produção agroecológica em que o acompanhamento de profissionais extensionistas é obrigatória como no Pronaf Agroecologia e Produtivo Orientado.

A primeira linha, de investimento, possibilita crédito para sistemas de produção de base agroecológica e orgânica, com taxa de juros diferenciada de 1%, limite de R$150 mil, além de Ater obrigatória.

Já no Pronaf Produtivo Orientado a assistência técnica é obrigatória e remunerada nos três primeiros anos do projeto de investimento. A linha financia o pagamento dos serviços de Ater mediante a apresentação ​ de projeto técnico e dos laudos de acompanhamento das unidades familiares. “Nesse caso, o agente de crédito vai indicar, ao agricultor familiar, as empresas capacitadas para prestar o serviço e incluir o valor da remuneração do extensionista no crédito concedido. Os agricultores, nesse caso, terão um bônus de adimplência, de R$3,3 mil, que pode ser elevado para R$ 4,5 mil quando o crédito for destinado a financiamentos de empreendimentos nos municípios da região Norte”, finaliza Mauri.

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)