Facebook Twitter Instagram

Governo inicia distribuição de sementes com acompanhamento sistemático das culturas

Foto 1 - Entrega de semente em Codó

Distribuição de sementes em Codó

Para promover o acesso a sementes com padrões genéticos melhorados e colaborar com o aumento da produtividade das culturas do milho e arroz, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura e Pecuária (Sagrima), deu início este mês, a distribuição de sementes para agricultores familiares de todo Maranhão.

O trabalho é realizado em parceria com o Sistema de Agricultura Familiar do Estado (SAF) que envolve órgãos como aAgência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp), o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) e a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF).

Para a safra 2015/2016 a equipe técnica do Sistema SAF desenvolveu uma proposta de ação complementar de distribuição, que consiste no acompanhamento sistemático das unidades de produção familiar, feito com base na mensuração de indicadores de desenvolvimento socioeconômicos.

 

A entrega será realizada com o apoio das 19 regionais da Agerp, sindicatos dos trabalhadores e trabalhadoras rurais e secretarias municipais de agricultura.

A ação dará prioridade a agricultores familiares atendidos por atividades de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), comunidades tradicionais, assentados de reforma agrária e público atendido pelo plano “Mais IDH”, que inclui os 30 municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do estado.

A Agerp avaliará o comportamento das variedades em períodos distintos dos ciclos das culturas, realizada em uma área de 20 ha (hectare), por regional, com checagem de plantio, pós-germinação, maturação fisiológica e pós-colheita, fornecendo dados referentes à manifestação de pragas, doenças, produtividade e impactos socioeconômicos.

Para o coordenador de Ater da Agerp, Artur Soares, um dos idealizadores da proposta sistemática de distribuição, a instituição vai trabalhar, de forma mais aprofundada, o repasse das sementes, fortalecendo a produção rural e atuando diretamente na elevação da renda do agricultor.

“A distribuição de semente será feita de forma diferenciada. Sairemos do mero repasse para a avaliação criteriosa do cultivo de parte do quantitativo nas regionais. Um protótipo que servirá de base para atender cada vez melhor o homem do campo”, disse o coordenador.

 

Fonte: Ascom Agerp

Governo propõe articulação de Rede Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural

Foto 2 - Governo propõe articulação de Rede Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural

Secretário da SAF, Adelmo Soares durante a reunião

O Governo do Estado planeja universalizar os serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), para promover o desenvolvimento sustentável do Maranhão. Por meio do Sistema de Agricultura Familiar do Maranhão (SAF, Agerp e Iterma), o desafio é ampliar e qualificar a oferta desses serviços para o setor, com a articulação de uma Rede Estadual de Ater, alcançando cada vez mais o homem do campo.

Para dar continuidade ao processo de ampliação dos resultados na agricultura familiar, representantes do Sistema SAF se reuniram, na sexta-feira (22), na sede da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural o Maranhão (Agerp), instituição que será responsável pela avaliação e monitoramento dos serviços prestados, para definirem os eixos estratégicos de ação, que atuarão como norteadores das atividades desenvolvidas.

O secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, afirmou que este momento de integração será de grande importância para a consolidação da Ater no Estado. “Vamos replicar em todo o Maranhão ações exitosas que serviram de exercício neste primeiro ano de governo. Vivemos um novo momento de agregação, um processo de aliança em prol de mais propostas que beneficiem a agricultura familiar. Daremos um salto de qualidade com a união de políticas e projetos”, disse.

Responsável pela apresentação da proposta de “Alinhamento Institucional da Ater enquanto eixo estratégico para o Sistema SAF” durante o encontro, o consultor de articulação e coordenação de desenvolvimento sustentável, Eugênio Peixoto, definiu como primordial o atendimento efetivo da demanda, que garanta qualidade e contemple de forma permanente o agricultor familiar e os processos produtivos. Parte das ações levantadas teve como base a proposta de trabalho criada durante o 3º Fórum dos Secretários de Estado de Agricultura Familiar do Nordeste, sediado pelo Maranhão em 2015, onde se discutiu a política de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), área que tem um foco especial nesta gestão estadual, e incluiu, ainda, atividades já realizadas em outros estados, como Ceará e Acre.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, a formulação da Rede de Ater servirá como norteador e intensificador das ações. “A Agerp irá reassumir o papel de articulador de Ater, com um trabalho focado na melhoria diária dos índices da agricultura familiar e no compromisso com as famílias no campo. Vamos promover um cardápio de ações, que esteja de acordo com o que foi proposto, fortalecendo ainda mais a agricultura familiar”, afirmou o presidente.

As atividades iniciais da Rede Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural contemplam a elaboração de um levantamento e monitoramento da oferta de Ater no Estado, levando em consideração o enfoque territorial, e intercâmbio de experiências comuns, realizado por órgãos públicos e entidades privadas, coordenado e executado pelo Sistema SAF.

Entre os eixos estratégicos definidos foram estabelecidos como foco as atividades desenvolvidas nos 30 municípios do Plano Mais IDH; os contratos de Ater (Chamadas públicas) executados no Maranhão; as Cadeias Produtivas prioritárias, a intensificação de parcerias, mantendo diálogo com os movimentos sociais, valorização das pessoas, dos territórios rurais e dos produtos da agricultura familiar, executando também as principais políticas públicas voltadas para a agricultura familiar, seguidos da construção das redes locais, municipais, territoriais e estaduais, que culminará na elaboração dos Planos de Ater, que servirão como instrumento de organização e execução de serviços voltados para o melhoramento dos sistemas produtivos na Agricultura Familiar.

Estiveram presentes na reunião de alinhamento os secretários adjuntos da SAF, Francisco Sales e Luciene Figueiredo; o superintendente de Organização Produtiva (SAF), Josenildo Cardoso; os diretores da Agerp, Pedro Pascoal (Ater) e Sayd Zaidan (Pesquisa e Desenvolvimento), assim como os coordenadores, chefes e assessores técnicos da Agerp e SAF.

Fonte: Ascom Agerp

Agricultores de Açailândia e Araguanã são atendidos pela ‘Chamada Pública da Sustentabilidade’

28945966-15f8-41d0-8b0c-7b89717b435b

Foto: Divulgação

A partir desta terça-feira (26), o Governo do Estado, por meio da Agência Estadual e Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), dará continuidade as atividades referentes ao Contrato de Ater Nº 094/2013 (Chamada Pública da Sustentabilidade), executado no Maranhão pela instituição, que atende a 2.240 famílias no campo.

Serão realizadas duas oficinas de Diagnóstico Rápido e Participativo (DRP), em Açailândia, na comunidade Vila Ildemar, que contemplarão 40 famílias nesta etapa. Ainda esta semana, nas quinta (28) e sexta-feira (29), mais 80 famílias do município de Araguanã recebem a equipe técnica da Agerp para a realização de quatro oficinas de DRP, onde será feito o levantamento das ações produtivas existentes nas comunidades, considerando as diferentes culturas, criações e a identificação das atividades agropecuárias.

 

As oficinas de DRPs são atividades coletivas, executadas com as famílias já selecionadas e assistidas pelos técnicos da chamada pública, que realizam uma investigação e aprendizagem mútua, adaptação das experiências, uso e transferência de tecnologias, no intuito de conhecer os entraves e as possibilidades das famílias rurais em busca do desenvolvimento local sustentável.

Para a coordenadora do projeto, Angela Santos, em três anos de acompanhamento, as famílias assistidas pela chamada estarão inseridas no mercado, vivendo de maneira autossustentável. “Nosso principal objetivo é levar as políticas públicas ao agricultor familiar, trabalhando de forma integrada com as esferas federal, estadual e municipal. A equipe permaneceu em campo promovendo o acompanhamento de Ater por meio de atividades sustentáveis, pautados nos princípios da agroecologia e meio ambiente, melhorando a vida do homem do campo”, disse.

A coordenadora explica, ainda, que paralela a esta etapa, a equipe da Agerp promove o perfil da unidade de produção familiar (UPF), que consiste no levantamento dos aspectos de trabalho familiar, patrimônio, atividades produtivas e gestão da propriedade, considerando as especificações sociais, de gênero, raça, etnia e geração de renda. Esta atividade é feita de forma individual, com visitas a todas as famílias selecionadas.

A ‘Chamada Pública da Sustentabilidade’ atende a 2.240 famílias divididas nos municípios de Açailândia, Alto Alegre do MA, Amarante do MA, Araguanã, Bacabal, Bom Jardim, Bom Jesus das Selvas, Buriticupu, Governador Newton Bello, Lago Verde, Maranhãozinho, Presidente Médici, Santa Luzia, Santa Luzia do Paruá, São João do Caru, Vitorino Freire e Zé Doca, totalizando 17 municípios distribuídos em seis regiões de planejamento do Estado: Alto Turi, Baixo Turi, Pindaré, Carajás, Mearim e Tocantins.

Entre os meses de outubro e dezembro de 2015 foram realizadas 60 oficinas de DRP, com 1.220 famílias atendidas nos municípios de Governador Newton Belo (4) oficinas, São João do Caru (4), Amarante do Maranhão (12), Santa Luzia do Paruá (4), Açailândia (4), Buriticupu (5), Bom Jardim (4), Bacabal (4), Santa Luzia (4), Lago Verde (4), Vitorino Freire (4), Araguanã (4) e Bom Jesus das Selvas (uma).

 

Veja também : Portal do Governo 

Agerp promove reunião de planejamento com gestores regionais

20160122085135

Nesta semana, o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Júlio César Mendonça, juntamente com a equipe técnica da instituição e o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, deu início as reuniões de alinhamento estratégico com os 19 gestores regionais da instituição.

Os encontros integram a programação de alinhamento com a nova gestão, que tem por  objetivo manter o contínuo diálogo com a equipe, realizar um balanço das ações de 2015 e discutir os pontos positivos e negativos do trabalho desenvolvido pelos profissionais nas regionais em todos os 217 municípios do Estado, promovendo a sistematização das atividades que serão realizadas pela Agerp em 2016.

As reuniões de avaliação serão enceradas na próxima terça-feira (26) com a presença dos gestores das regionais de Açailândia, Imperatriz, Caxias, Timon, Pedreiras e Rosário, que apresentarão os respectivos balaços de atividade a equipe do Sistema de Agricultura Familiar. Após a avaliação individual, será promovido um encontro geral com a presença de todos os gestores nos dias 01 e 02 de fevereiro.

Presentes nas reuniões os diretores da Agerp, Pedro Pascoal (ATER); Sayd Zaidan (Pesquisa e Desenvolvimento) e o chefe dos Escritórios Regionais, Aldean Bezerra.

Escritórios Regionais da Agerp

A Agerp é o órgão estadual responsável pela disseminação da assistência técnica, extensão rural e da pesquisa para os agricultores familiares em todo o Maranhão, promovidas por meio dos 19 escritórios regionais, localizados nos municípios de Açailândia, Bacabal, Balsas, Barra do Corda, Caxias, Chapadinha, Codó, Imperatriz, Itapecuru-Mirim, Pedreiras, Pinheiro, Presidente Dutra, Rosário, Santa Inês, São João dos Patos, São Luís, Timon, Viana e Zé Doca.

Vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF), a Agerp abrange agricultura familiar, a pequena e a média agricultura, socializando as novas tecnologias e proporcionando assistência técnica intensiva e continuada, visando à diversificação, a integração, o aumento da produção e produtividade do setor agropecuário.

 

mapa-regionais2

Agenda das reuniões
18/01- Regional São Luís
19/01- Regionais Chapadinha e Itapecuru
20/01- Regionais Pinheiro, Codó e Santa Inês
21/01 – Regionais Viana e Zé Doca
22/01 – Regionais Bacabal, Barra do Corda, São João dos Patos e Presidente Dutra
25/01- Regionais Imperatriz e Açailândia
26/01- Caxias, Timon, Pedreiras e Rosário

Agricultores familiares poderão coletar informações sobre as lavouras com o celular

img-342604-a-lavoura-na-palma-da-mao

Aplicativo inédito no país e desenvolvido com apoio da Emater-MG possibilitará a criação de base de dados e informações

Montes Claros, localizado ao norte de Minas Gerais, foi o município escolhido para dar início à implantação do aplicativo AgriSupport, projeto do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. O aplicativo – disponibilizado para celulares – possibilita o registro fotográfico georreferenciado da área plantada e coleta de informações sobre o plantio, feito pelos pequenos produtores da agricultura familiar do semiárido brasileiro, com apoio dos extensionistas rurais da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG).

O motivo da escolha do município está relacionado ao período de plantio na região, finalizado em dezembro. Dessa forma, será possível coletar informações para acompanhamento desde o início do desenvolvimento das culturas. Nos dados sobre o plantio, constarão informações atualizadas e precisas sobre o cultivar e manejo, como, por exemplo, das espécies e variedades cultivadas, datas de plantio e, principalmente, da distribuição espacial das culturas agrícolas no semiárido.

Em razão da participação ativa dos agricultores na coleta e envio de dados e informações – utilizando novas tecnologias e intercâmbio de informações científicas – o aplicativo possibilitará a criação de base de dados e informações. Essas informações permitirão subsidiar projetos científicos de interesse social, entre eles o do Sistema de Previsão de Risco de Colapso de Safras na Agricultura Familiar do Semiárido do Brasil, em desenvolvimento no Cemaden.

A apresentação do aplicativo e o trabalho de campo – utilizando os celulares e a coleta de dados, ocorreu na última quarta-feira (20), na sede do Núcleo de Ciências Agrárias, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Montes Claros. O Workshop “Risco de Colapso de Safra/Projeto AgriSupport” contará com a participação dos agricultores, extensionistas rurais, pesquisadores e instituições ligadas à agricultura e ao semiárido.O encontro está sendo organizado pelo Cemaden em parceria com a Emater-MG, que dará todo o apoio técnico junto aos agricultores familiares.

Monitoramento da seca e impactos

O aplicativo AgriSupport faz parte do projeto desenvolvido em parceira entre o Cemaden, o (Iiasa) e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).  Além de Minas Gerais, estão sendo instaladas PCDs nos estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Piauí, Paraíba, Rio Grande do Norte, Alagoas e Sergipe. Esses equipamentos enviarão dados ao Cemaden, informando sobre as condições agrometeorológicas e de umidade, o que permitirá ampliar as informações e dados para o monitoramento do semiárido brasileiro.
FONTE: Asbraer 

Conferência Territorial de Assistência Técnica e Extensão Rural é realizada em Viana

A Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) que leva políticas públicas a agricultores familiares foi tema de discussão, na sexta-feira (15), com a realização da Conferência Territorial de Ater (CTEATER) no Território da Cidadania Campos e Lagos, no município de Viana.  O encontro teve como objetivo definir estratégias e ações prioritárias para o desenvolvimento dos serviços de Ater de qualidade ofertados ao homem do campo no Maranhão.

foto2

 

O debate foi pautado nos eixos temáticos gerais: Sistema Nacional de Ater (fortalecimento institucional, estruturação, gestão, financiamento e participação social); Ater e Políticas Públicas para a agricultura familiar e Formação e construção de conhecimentos na Ater, incluído, ainda, os eixos transversais: mulheres, jovens, povos e comunidades tradicionais. Durante dois dias, o evento reuniu cerca de 100 participantes, entre representantes e técnicos de instituições públicas e privadas prestadoras de serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) e líderes de organizações e movimentos sociais ligados à agricultura familiar.

Para o presidente da Agerp, Júlio Mendonça, o Estado vive um novo cenário, com a execução de várias políticas públicas, e o alinhamento da Ater com a agricultura familiar. “A Agerp vai alcançar o patamar social e promover uma gestão compartilhada, mantendo o diálogo com as instituições parceiras, respeitando as demandas reais de cada território, transformando o Sistema de Agricultura Familiar em um só organismo, em prol do fortalecimento da Ater no Maranhão”, disse o presidente.

De acordo com o delegado federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Vicente Mesquita, com a conferência é possível promover maior qualidade e eficiência na retomada do Estado para o sistema de Ater, a estruturação das novas chamadas públicas e assegurar o fortalecimento da agricultura familiar.

Em nome dos povos e comunidades tradicionais, a quebradeira de coco da comunidade Itaquaritíua, Rosenilde Gregório Costa, que é coordenadora  do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), regional da Baixada, apontou para a importância dos movimentos sociais neste processo. “Devemos ter espaços que garantam o diálogo, onde os movimentos sociais possam explicar a importância da continuidade dessas organizações, garantindo o fortalecimento do campo”, disse.

Claudia Cascais, representante da Cooperativa de Serviços Técnicos (Coosert/MA), afirmou que é necessário construir uma força tarefa pautada no diálogo, com o envolvimento das instituições parceiras, em busca da reformulação da Ater no Estado.

O secretário adjunto da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar, Francisco Sales, defendeu a importância de uma Ater integradora de políticas públicas para a agricultura familiar. “A conferência é uma conquista importante para que os trabalhadores e trabalhadoras tenham condições de dizer o que esperam da Ater, para que possam sugerir mudanças efetivas para o segmento”.

Foram eleitos 14 delegados da sociedade civil e do poder público, respeitando os critérios de paridade de gênero e proporção etária. Em 2015 foram realizadas mais sete etapas territoriais: Território dos Lençóis/Munim; Vale do Mearim; Baixada Ocidental; Vale do Itapecuru; Baixo Parnaíba; Cerrado Sul; Médio Mearim e a última, com a conferência do Território Campos e Lagos. A partir de agora será feita a organização das conferências, com a consolidação das propostas e levantamento dos delegados eleitos.

As Conferências Territoriais foram organizadas pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável (Cedrus), por meio da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF), em parceria com a Rede de Colegiados Territoriais, e são etapas obrigatórias para a realização da Conferência Estadual que acontecerá em abril de 2016 e esta, é requisito para a 2ª Conferência Nacional de Ater (Cnater).

A Cnater está prevista para ocorrer entre 31 de maio e 3 de junho, com a participação dos delegados eleitos nas conferências territoriais. A Cnater é uma realização do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) sob a coordenação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf).

Presentes no evento o coordenador de Desenvolvimento Territorial da SAF, José Mesquita; o coordenador de Assistência Técnica e Extensão Rural da Agerp, Arthur Costa Soares; os gestores José Mario e Alexandre Frazão, juntamente com a equipe técnica dos escritórios regionais da Agerp Viana e Pinheiro.

Primeiro ano de Agritec deixa legado de desenvolvimento para o Estado

 

Em suas quatro primeiras edições de 2015 a Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão – AGRITEC, trouxe uma nova fase em inovação para a Agricultura Familiar no Maranhão.

A Feira realizada pelo Governo do Estado do Maranhão, por meio do Sistema de Agricultura Familiar do Estado (SAF, Agerp e Iterma) em parceria com Embrapa Cocais, Sebrae, Movimentos Sociais (MST, FETRAF, FETAEMA, ACONERUQ e MIQCB) e prefeituras municipais, atuou como porta de entrada de conhecimento para o pequeno agricultor e um facilitador de aproximação entre os municípios e os recursos destinados ao desenvolvimento da agricultura, como o Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA.

Atendimento do PAA na AGRITEC

   Atendimento do PAA na AGRITEC

Mais de R$ 4 milhões em propostas do PAA foram aprovadas durante ou logo após o trabalho desenvolvido pelas equipes do Sistema SAF nas Agritecs, distribuídos em 9 municípios e atendendo quase 700 famílias de agricultores.

Os municípios com maiores propostas aprovadas foram Caixas, com R$ 1,500 milhão, seguido de Santa Luzia, com cerca de R$ 730 mil.

“Com a divulgação do PAA nas Agritecs tivemos uma grande procura de gestores municipais para aderir e executar as propostas do Programa. A Feira possibilitou também uma melhor logística com as equipes do PAA municipais, uma vez que nós do PAA estadual conseguimos capacitar vários municípios em um mesmo local”, disse a coordenadora interina do Programa na SAF, Aline Reis.

Aline aponta ainda o significante número de municípios que tiveram suas propostas aprovadas após conversa com a equipe do PAA da SAF.

“Como exemplo tivemos as propostas de Lagoa do Mato e Afonso Cunha, que foram capacitados e tiveram suas propostas aprovadas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário no decorrer da Agritec de Caxias. Já na primeira Agritec, no Território de Campos e Lagos, tivemos a adesão do município sede, São Bento”, completou a coordenadora.

Entrega de semente de milho biofortificado para o Sr. José Delfino no povoado Centro dos Cocos, Alto Alegre do Maranhão.

Entrega de semente de milho biofortificado para o Sr. José Delfino no povoado Centro dos Cocos, Alto Alegre do Maranhão.

O município de Caxias, na Região dos Cocais, recebeu uma das mais frutíferas edições da Agritec, sendo responsável diretamente pelo início do cultivo de feijão Biofortificado no município de Belágua.

“2015 foi apenas o primeiro ano de Agritec sob gestão do Governo do Estado, mas já colhemos vários frutos. Nosso objetivo de levar conhecimento e inovação ao pequeno produtor foi alcançado e isso só nos motiva a fazer muito mais nesse ano. O governador Flávio Dino já determinou mais Agritecs em 2016 e é com grande alegria que vamos dar continuidade a esse trabalho. O PAA e os Biofortificados movimentam a economia, modernizam e melhoram a produção de alimentos e levam comida saudável à mesa dos maranhenses, produzida em solo do nosso próprio estado”, disse o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares.

Em 2016 a Agritec acontecerá em lugares diferentes, com foco nas cadeiras produtivas. Reforçar as potencialidades dos municípios será a nova abordagem da Feira.

“Se um município já trabalha, por exemplo, com a cadeia produtiva de caprinocultura, a programação técnica da Agritec levará em conta essa cadeia e contará com oficinas e cursos que visam aprimorar a produção e desenvolver a região com base no que ela tem de melhor”, comentou o secretário.

Alimentos Biofortificados no Maranhão

Entrega de sementes de feijão e milho biofortificados para a família Soares, povoado Morro do Angico, Alto Alegre do Maranhão

Entrega de sementes de feijão e milho biofortificados para a família Soares, povoado Morro do Angico, Alto Alegre do Maranhão

Desenvolvidos pela Embrapa Meio Norte, os alimentos biofortificados no Maranhão entrarão em uma nova fase, agora com atuação direta do Governo do Maranhão, através da elaboração do Programa Estadual de Biofortificação de Alimentos, promovendo segurança alimentar e nutricional às famílias maranhenses.

“O Projeto está sendo elaborado pela SAF em conjunto com a Secretaria Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, a Secretaria de Estado da Igualdade Racial, o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão”, apontou a superintendente de Articulação de Políticas Públicas da SAF, Adelana Santos.

Agricultores da Região dos Cocais, nos municípios de Codó, Timbira, São Mateus e Alto Alegre já estão recebendo, por exemplo, sementes de milho e feijão para começarem suas plantações.

 

FONTE: SAF

Governo empossa novo presidente da Agerp

O novo presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp-MA), Júlio César Mendonça, foi empossado na segunda-feira (11), pelo secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, representando o governador do Flávio Dino, em cerimônia realizada no auditório da instituição, que contou com a presença de representantes dos governos estadual e federal, servidores da autarquia, movimentos sociais e entidades parceiras.

No discurso de posse, o novo presidente ressaltou que a sua gestão será pautada na qualidade dos serviços de assistência técnica e extensão rural (Ater), Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), prestados de maneira efetiva aos agricultores familiares. “A Agerp recomeça um novo ciclo, com o desafio de romper alguns entraves históricos e passa a cumprir de fato o papel social no Maranhão, prestando Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa, com resultados concretos para a sociedade, e, principalmente, para o homem do campo”, disse.

FOTO 1

Julio Césár Mendonça substitui Fortunato Macedo, que estava presente na solenidade e desejou boas-vindas ao novo presidente. “Todos nós estamos comprometidos com a mudança e presidir a Agerp é uma importante missão, agora assumida pelo Júlio Mendonça, que junto com Sistema SAF vai dar continuidade a cada projeto, prestando apoio aos que fazem a Ater no Maranhão e pensando, sobretudo, no agricultor familiar”, disse Fortunato Macedo.

De acordo com o atual presidente da Agerp, algumas diretrizes já foram traçadas para a nova administração. “Precisamos fortalecer a assistência técnica e assegurar ainda mais a qualidade no atendimento ao agricultor familiar, incluindo a integração com outros órgãos do governo estadual, promovendo o desenvolvimento rural sustentável, focando nas ações do Mais IDH, dando continuidade às Chamadas Públicas e tantas outras ações do Governo, permitindo que as atividades sejam realizadas e contemplem o agricultor”.

Foto 2

O secretário de Estado de Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, frisou a importância da Agerp como órgão integrante do Sistema SAF e ressaltou uma série de serviços que a entidade disponibilizará aos agricultores familiares nesta nova fase.

Entre estes serviços, Adelmo Soares destaca: dar continuidade ao plano Mais IDH, com a missão também de assumir o Cadastro Ambiental Rural (CAR), o Programa Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Rural, distribuído nos 14 territórios do Estado, assim como a realização de seis edições da Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia (Agritec) em 2016, incluindo ainda o programa Mais Produção, como parte das ações do Sistema Estadual de Produção e Abastecimento (Sepab), que define 10 cadeias produtivas prioritárias a serem trabalhadas no Estado, apoio ao Serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural nos Territórios da Cidadania, a busca de convênios e contratos e realização das ações nas Chamadas Públicas.

“Todo este processo de mudança só será possível com o apoio dos movimentos sociais, das entidades parceiras e de todos nós que fazemos o Sistema SAF, trabalhando em função do mesmo objetivo, juntos com o governador Flavio Dino, em prol do povo do Maranhão”, disse Adelmo Soares.

Foto 3

Presentes na solenidade os secretários adjuntos da SAF, Francisco Sales e Luciene Figueiredo; os diretores da Agerp, Pedro Pascoal e Sayd Zaidan; os gestores regionais da Agerp; o presidente do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (ITERMA), Mauro Jorge; o secretário da Igualdade Racial, Gerson Pinheiro; a secretária adjunta da Mulher, Susan Lucena; a secretária adjunta de promoção do IDH da Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), Aracea Carvalho; o presidente da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), Sebastião Anchieta; o diretor da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Maranhão (Fetaema), Joaquim Alves.

Prestigiaram, ainda, a posse do presidente Júlio César Mendonça, o representante da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), José Fahd; o representante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, Elias Araújo; representantes da Secretaria de Estado da Pesca e Aquicultura (Sepaq), Secretaria de Estado do Trabalho e da Economia Solidária (Setres) e Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Embrapa, Banco do Brasil e Instituto Federal do Maranhão (IFMA).

Perfil do novo presidente

Júlio César Correa Mendonça nasceu em Viana (MA), graduou-se em medicina veterinária pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), com pós-graduação em Tecnologia de Alimentos (UEMA), MBA em Gestão Pública e Privada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O atual presidente da Agerp ocupou o cargo de secretário-adjunto de Crédito e Projetos Sócio Produtivos da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar em 2015.

A Agerp e o serviço de Ater e Pesquisa no Maranhão

A Agerp é o órgão estadual responsável pela disseminação da assistência técnica, extensão rural e da pesquisa para os agricultores familiares em todo o Maranhão, promovidas por meio dos 19 escritórios regionais. Vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF), a Agerp abrange agricultura familiar, a pequena e a média agricultura, socializando as novas tecnologias e proporcionando assistência técnica intensiva e continuada, visando à diversificação, a integração, o aumento da produção e produtividade do setor agropecuário.

Governo discute estratégias para o desenvolvimento de pesquisa e extensão rural no MA

Priorizar as atenções para a pesquisa e a extensão rural no Maranhão. Esse foi o objetivo central do encontro promovido, na última terça-feira (5), pelo Governo o Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e instituições parceiras.

Foto 2

Representante de instituições parceiras discutem rumos da pesquisa e extensão rural no Maranhão. Foto: Divulgação

A reunião de planejamento marcou o início das atividades para 2016 dos setores de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) da Agerp, que estabeleceu espaço de discussão entre pesquisadores, extensionista e representantes das Universidades Federal do Maranhão (Ufma) e Estadual do Maranhão (Uema), Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) e Secretarias de Estado de Agricultura Familiar (SAF), de Agricultura e Pecuária (Sagrima) e de Desenvolvimento Social (Sedes).

Os debates e apresentações foram conduzidos pelos diretores da Agerp, Pedro Pascoal (Ater) e Sayd Zaidan (P&D), que apontaram para a importância do diálogo como elemento dereestruturação nos referidos setores. “Devemos ampliar a discussão com os nossos parceiros e permitir que a extensão rural de fato aconteça, potencializando a agricultura familiar por meio de uma nova perspectiva”, disse Pedro Pascoal.

Para Sayd Zaidan, as instituições somam esforços na busca do fortalecimento da pesquisa. “Somos todos agentes interessados na construção e apropriação do conhecimento, com base na produção da pesquisa, incorporada a elementos históricos e diversos saberes, para nortear e potencializar agricultura familiar no Estado”.

A doutora em políticas públicas e professora da Ufma, Silvane Magali, ministrou a palestra sobre a pesquisa em uma perspectiva transdisciplinar, promovendo uma análise a respeito da função social, do impacto efetivo da pesquisa no meio rural ressaltando, ainda, a importância da divulgação dos resultados pesquisados junto aos agricultores. “Estabelecer uma parceria entre os órgãos que fazem pesquisa no Estado vai auxiliar a traçar uma linha em direção ao desenvolvimento rural”, destacou a também diretora científica da Fapema.

O tema segurança alimentar e nutricional ganhou destaque com a presença da secretária adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional da Sedes, Lourvídia Caldas, que apresentou algumas das ações de governo para o desenvolvimento e consolidação da política de segurança alimentar no Maranhão. “Precisamos interligar estas ações comuns, analisar a conjuntura da agricultura familiar no Estado, promover pesquisas em segurança alimentar e nutricional, garantindo o fortalecimento do setor”.

José Sampaio de Mattos Júnior, vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação e Desenvolvimento Socioespacial e Regional da Uema, abordou a questão da sistematização de informações voltadas para o campo e a difusão das pesquisas sobre a Política de Desenvolvimento Territorial, incluindo, ainda, a proposta de cooperação da Universidade com a Agerp. “Dentre outras estratégias vamos, inicialmente, fornecer dados sistematizados da estrutura produtiva e social dos municípios que compõem o Território do Vale do Itapecuru, frutos de pesquisas já realizadas”.

A partir do encontro foram definidos, entre outros itens, a criação de um termo de cooperação entre todas as instituições presentes na reunião, que garanta o trabalho prioritário voltado para a segurança alimentar e nutricional; criação de um fórum  governamental para o desenvolvimento da pesquisa e extensão voltado à produção de conhecimento e inovações sustentáveis na agricultura familiar; promoção da intersetorialidade, com a articulação de políticas públicas e ampliação do debate sobre os estudos rurais, com maior participação da sociedade no processo de conhecimento.

 

Veja também em : Portal do Governo