Facebook Twitter Instagram

Governo do Estado entrega barracas padronizadas para agricultores da região metropolitana de São Luís

IMG_9701

Consumidores fazem compras na Feira da Agricultura Familiar

Para garantir melhor comercialização de produtos, o Governo do Estado, por meio do Sistema de Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF) e da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e Iterma, realizou neste final de semana, na regional da Agerp em São Luís, no bairro João Paulo, a entrega de kits de Feira da Agricultura Familiar, como parte do programa ‘Mais Feiras da Agricultura Familiar’, que será lançado no próximo dia 10.

Foram entregues aos 20 feirantes da Feira do João Paulo, dezoito barracas, quatro balanças, caixas de isopor e de aves, jalecos, camisas e bonés identificados com o programa. Os feirantes da ‘Feirinha da Agerp’, como é conhecida no João Paulo, reúne agricultores familiares dos municípios de São Luís, Paço do Lumiar, Raposa e São José de Ribamar, que comercializam produtos há dez anos no local.

O secretário da SAF, Adelmo Soares, destacou a entrega dos kits do programa ‘Mais Feiras’ como um dos eixos do desenvolvimento do Maranhão, que é a comercialização, que atrelada ao conhecimento e a produção fortalecem a agricultura familiar do estado.

“Os agricultores estão muito felizes com essa nova estrutura das barracas. A feirinha já existia e não estamos apenas substituindo os equipamentos antigos, estamos trazendo para os feirantes capacitação e treinamento de como podem melhorar o atendimento. Atendendo às orientações do governador Flávio Dino também estamos orientando a questão da higiene e gestão de renda”, disse o secretário Adelmo.

Foto 1

Presidente da Agerp e secretário da SAF conhecem nova estrutura da Feira

De acordo com o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, todas as dezenove regionais da Agerp receberão um kit do ‘Mais Feiras’, São Luís foi a primeira cidade contemplada. A ação vai garantir aos agricultores condições salubres de venda e oferecer maior qualidade atendimento.

“Além das regionais, o programa será levado para os 30 municípios do Plano ‘Mais IDH’. É o ‘Mais IDH’ levando conhecimento e produção às famílias e o ‘Mais Feiras’ inserindo esses agricultores no mercado. Hoje estamos realizando a primeira feira, um marco para uma nova agricultura familiar na capital e no Maranhão”, ressaltou o presidente da Agerp, Júlio César.

Segundo a superintendente de Comercialização da SAF, Marilene Bandeira, a Feira é um atrativo e a comercialização é a arte do convencimento. “O Governo do Estado está garantindo organização, limpeza, higiene e produtos de qualidade com a Feira da Agricultura Familiar. Um ambiente atraente, com boas condições e oferecendo produtos direto do produtor”, completou a superintendente.

Cheiro verde, alface, rúcula, cebolinha, milho, coco d’água, couve, milho, murici, acerola, entre outros, além de artesanato e plantas ornamentais, é o que o consumidor encontra na Feira da Agricultura Familiar do João Paulo.

Para a agricultora Júlia Silva Assunção, há dez anos os agricultores de várias localidades da Ilha comercializam no local e já sentiram o impacto que a nova estrutura está proporcionando aos feirantes e à população em geral.

“Estamos realizando um sonho em poder comercializar em um novo ambiente. Até o número da clientela aumentou hoje e gerou um crescimento na renda. Com essas barracas mais amplas vamos trazer mais produção e o feirante vai sair daqui com dinheiro garantido no bolso. Agradecemos muito ao Governo que está com uma gestão de cara nova pronta a nos ajudar”, enfatizou a agricultora Júlia.

Foto 2

Novas barracas da Feira

Estiveram presentes na Feira a secretária de Estado da Mulher, Laurinda Pinto, os diretores da Agerp, Pedro Pascoal e Sayd Zaydan, o gestor regional da Agerp São Luís, Ananias Sousa, o secretário Municipal de Agricultura de São José de Ribamar, Pedro Oscar, e equipe técnica da SAF, Agerp e Iterma.

‘Mais Feiras da Agricultura Familiar’

O programa ‘Mais Feiras’ visa implantar e estruturar feiras para comercialização dos produtos da agricultura familiar e da economia solidária que permitirá aos agricultores aumentar a renda familiar resultante da comercialização nos 30 municípios de menor IDH e nas 19 regionais da Agerp. No próximo dia 10 de março será lançado oficialmente o programa em uma solenidade no Palácio Henrique de La Rocque.

 

 

Fonte: AGERP    |   Texto: Samara Andrade   |   29/02/2016

Agerp discute proposta de assistência técnica participativa para a Ilha de São Luís

Nota 2

Divulgação

Com o objetivo de ampliar a assistência técnica e extensão rural nos municípios da Ilha de São Luís, a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), realizou nesta quinta-feira, 25, em São José de Ribamar, reunião para propor uma Ater participativa.

De acordo com o gestor da Agerp, Ananias Sousa, “desenvolver uma Ater participativa envolvendo todos os atores vai fortalecer o atendimento aos agricultores familiares da Ilha de São Luís.”

Para o secretário de Agricultura de São José de Ribamar, Pedro Oscar,  “parcerias como a da Agerp só vem a unificar o trabalho de assistência já desenvolvido no município e vai alcançar um número maior de agricultores ribamarenses.”

A regional de São Luís dará prosseguimento às reuniões nos municípios de Raposa, Paço do Lumiar e São Luís no decorrer da semana.  Participaram da reunião o gestor da Regional da Agerp de São Luís, Ananias Sousa, o secretário Municipal de Agricultura de São José de Ribamar, Pedro Oscar, Sindicato Rural do município e agricultores familiares.

Fonte: Agerp   |    26/02/2016

Governo leva tecnologias para cultivo de feijão-caupi, milho e mandioca para 19 municípios do Maranhão

O Governo do Estado, por meio do Sistema de Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), em parceria com a Embrapa Agrobiologia e apoio da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), vai levar conhecimentos técnicos e inovações tecnológicas para mais 19 municípios maranhenses, com foco nas culturas alimentares de milho, mandioca e feijão-caupi.

Comunidade São Francisco, no município de Santa Helena recebe equipe da Agerp para implantação das URT's nas culturas de mandioca, milho e arroz.

Comunidade São Francisco, no município de Santa Helena recebe equipe da Agerp para implantação das URT’s nas culturas de mandioca, milho e arroz.

O objetivo da ação, iniciada em 2015 com a instalação de 15 unidades de referência tecnológica (URT’S) e cinco unidades experimentais participativas (UEP) nos municípios com menor IDH do Maranhão, é identificar e desenvolver modelos de agricultura sustentável para difundir tecnologias apropriadas à agricultura familiar e, consequentemente, melhorar a renda dos agricultores familiares e fortalecimento da produção agrícola, diretrizes da gestão do governador Flávio Dino.

Essas URT’S e UEP’S estão sendo instaladas em propriedades de agricultores familiares selecionados como multiplicadores, onde é elaborado um cronograma, feito com acompanhamento de uma equipe técnica da Agerp, que auxilia na escolha, preparação, demarcação da área, amostragem do solo para análise e correção do pH, capacitação em inoculação de sementes de feijão-caupi e acompanhamento para coleta de dados durante o ciclo das culturas.

As culturas temporárias de milho, mandioca e feijão-caupi fazem parte da agricultura familiar no Maranhão e estão entre os principais componentes da dieta alimentar nas regiões Nordeste e Norte do Brasil, fundamental para garantir fonte de renda e segurança alimentar para o agricultor. Porém, no Maranhão, por muitos anos, essas culturas apresentaram baixos índices de produtividade em virtude de práticas agrícolas rudimentares.

“A mudança da nossa atual realidade requer a incorporação destas tecnologias provenientes de um sistema integrado de base ecológica, para ampliar a eficiência do uso dos nossos recursos naturais e evitar o esgotamento dos nutrientes dos solos”, afirmou o coordenador de pesquisa da Agerp, Ronald Lazo.

O coordenador explica ainda que as inovações tecnológicas apresentadas aos agricultores familiares vão transformar a área utilizada em um espaço sustentável, com redução no uso de adubos nitrogenados (fertilizantes), substituído por inoculantes. A técnica proporciona maior economia para o produtor e beneficia o meio ambiente, por meio da preservação da fertilidade do solo, que melhora a área plantada e mantém o produtor em um espaço que poderá ser reutilizado por diversos ciclos.

O diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Agerp, Sayd Zaidan, destaca a importância da pesquisa para o desenvolvimento do campo. “O potencial econômico dos pequenos produtores está em destaque e assume um caráter estratégico na política de governo, auxiliando na superação da pobreza no campo”, frisou o coordenador Ronald Lazo.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, com a transferência de tecnologia será possível ampliar a produção no interior do estado. “Com a utilização destas novas práticas vamos aumentar a produtividade das culturas, oferecendo aos agricultores a possibilidade de utilizar continuamente a mesma área, e promover uma maior atuação dos técnicos da extensão rural para disseminação destas atividades”, disse o presidente.

Municípios programados

Serão contemplados com a instalação de 15 unidades de referência tecnológica e quatro unidades experimentais participativas, os municípios de: São Bernardo, Chapadinha, Santa Quitéria, São Roberto, Satubinha, Conceição do Lago Açu, Zé Doca, Pedro do Rosário, Serrano do Maranhão, Cajari, São Bento, São Luís, Raposa, Paço do Lumiar, São José de Ribamar, Milagres do Maranhão, Água Doce, Bacuri e Santa Helena.

Governo participa de Dia de Campo sobre arroz irrigado na região dos Cocais

Para conhecer alternativas e melhorar a produção de arroz na região dos Cocais, o Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) participou na última quinta-feira (18) do Dia de Campo sobre “Arroz Irrigado em Ambiente de Agricultura Familiar”, realizado no povoado Fomento, em Codó.

Agerp participa de Dia de Campo promovido pela Embrapa

Agerp participa de Dia de Campo promovido pela Embrapa

 

O Dia de Campo é uma realização da Embrapa Cocais, Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Pesca (Semapa), da Associação dos Pequenos Produtores do Campo Agrícola do Fomento e do Colegiado de Desenvolvimento Territorial (Codeter).

A Embrapa levou ao evento a discussão sobre alternativas de cultivo de arroz irrigado para a agricultura familiar e ainda apresentou a cultivar BRSMA 357, desenvolvida em parceria com o Governo do Estado, especialmente para o Maranhão.

A cultivar BRSMA 357 possui uma base genética com características importantes para o Maranhão, principalmente a Baixada, como alta produtividade, de fácil manejo, pequeno porte, que pode ser adaptada às pequenas áreas de produções dos agricultores familiares.

De acordo com o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, o Maranhão já foi um dos maiores produtores de arroz no país, sendo hoje apenas importador. Conforme o presidente, a agricultura familiar perdeu espaço para os grandes produtores de arroz e que a Agerp está buscando alternativas para inserir os agricultores em um mercado especializado voltado para a base agroecológica.

“O Governo do Estado, por meio da Agerp, desenvolve várias parcerias para incrementar novas tecnologias, que além das unidades de pesquisa, como Embrapa e universidades, estamos envolvendo, também, os Colegiados na discussão, no sentido de fazer o arroz uma cultura que venha trazer ganhos de produtividade e renda para as famílias de pequenos produtores”, disse o presidente Júlio César.

O diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Agerp, SaydZaidan, participou do Dia de Campo e destacou a tecnologia de produção de arroz em várzea como uma alternativa de geração de produtividade em áreas pequenas.

“Foi um dia de transferência de tecnologia e de conhecimento para os agricultores da região. Codó foi um grande produtor de arroz no passado e, hoje, praticamente importa tudo, inclusive o arroz, então apresentar aos agricultores essa tecnologia de irrigação por inundação aumenta três vezes mais a produtividade”, ressaltou o diretor.

Participaram do Dia de Campo a gestora Regional de Codó, Rosiane Lobo, técnicos da regional, representantes da Embrapa Cocais, Semapa, estudantes de agronomia e agricultores familiares.

Plano ‘Mais IDH’ transforma a vida de agricultores familiares na região do Baixo Parnaíba

Foto 1

Povoado Lagoas, em Belágua

“A gente tinha sede de mudar nossa vida, mas não sabíamos para onde correr. Então, o governador Flávio Dino realizou este sonho e colocou uma equipe do ‘Mais IDH’ e nós abraçamos o projeto,” contou Elmir Eurides, presidente da Associação de Moradores do povoado Lagoas, em Belágua.

Belágua é um dos municípios beneficiários pelo Plano ‘Mais IDH’, principal programa do Governo do Estado, que visa elevar os Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) dos 30 municípios mais pobres do Maranhão com diversas ações integradas que levam politicas públicas para o desenvolvimento social, ambiental, cultural e econômico das famílias do Plano.

O Sistema de Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF) e seus órgãos vinculados, a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras (Iterma), atua no ‘Plano Mais IDH’ levando assistência técnica para implantação de sistemas produtivos para estimular a produção de alimentos, elevar a segurança alimentar e nutricional e geração de renda.

Este mês, o secretário da SAF, Adelmo Soares, acompanhado pelos gestores regionais da Agerp de Chapadinha, Gilvanildo Silva, e de Itapecuru, Mubaraki Trabulsi, e por técnicos do Mais IDH que atendem o Pólo III na região do Baixo Parnaíba, visitou as famílias atendidas pelo Plano nos municípios de Araioses, Água Doce, Milagres, Santana e Belágua.

A visita teve como objetivo acompanhar o andamento do Plano e conhecer as transformações que o ‘Mais IDH’ já está proporcionando às centenas de famílias de agricultores familiares no Maranhão. O Plano vai atender 9 mil famílias.

Com apenas quatro meses de atuação do Plano nos municípios, as famílias já têm uma nova perspectiva de vida. É o caso de Belágua, com 117 famílias cadastradas espalhadas por várias comunidades da cidade, que até então não possuía nenhum tipo de sistema produtivo, hoje, já possui 85 Sistemas Integrados de Tecnologias Sociais (Sistecs) e 15 ‘Sisteminhas’ já instalados.

Foto 3

Tanque de peixes em Santana do Maranhão

As 10 famílias do povoado Lagoas receberam um “Sisteminha” para produção integrada de alimentos e já estão produzindo cheiro verde, alface, couve, cebolinha, pepino, quiabo, maxixe, batata e feijão biofortificados e milho. Além da produção de hortaliças, a comunidade recebeu 75 pintos para iniciar o projeto de avicultura e estão montando o tanque para criação de peixes.

Para o abastecimento do sistema, a comunidade, que não possui energia elétrica, foi beneficiada com um kit de energia solar que no momento que a luz atinge o painel gera corrente elétrica para impulsionar o funcionamento da bomba, que consequentemente catalisará a água do poço para a caixa dágua.

A produção de alimentos em Lagoas era apenas um sonho. Para a agricultora Maria José, com o ‘Mais IDH’ vai melhorar a vida dos moradores e que agora vai poder alimentar os quatro filhos. “Tinha dia que meus filhos tomavam só o café e ficavam até à noite sem comer nada, e muitas vezes dormiam de barriga vazia porque não tinha comida. Agora vai ter comida todo dia,” contou Maria José.

De acordo com o secretário da SAF, Adelmo Soares, o ‘Mais IDH’ é uma realidade que leva assistência técnica aos lugares mais diversos e distantes do Maranhão com o compromisso de transformar a vida dos que mais precisam.

“Sinto feliz e orgulhoso dos técnicos na perspectiva que vamos alcançar grandes resultados. O trabalho está sendo feito com muito amor e dedicação e nós só entendemos a importância do Plano quando olhamos o brilho nos olhos de cada pessoa beneficiada e que acreditam que agora são capazes de superar a fome e a miséria,” disse Adelmo.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, “o Plano ‘Mais IDH’ representa a mudança que a agricultura familiar precisava no Maranhão. Levar assistência técnica contínua e de qualidade é o diferencial para a mudança na vida das famílias beneficiárias. ”

Ao todo, o Plano ‘Mais IDH’ já possui 3.061 famílias cadastradas, 545 ‘Sisteminhas’ e 1.353 Sistecs instalados nos 30 municípios. Para dar condições de construção dos sistemas produtivos, o Governo do Estado disponibilizou fomento de R$ 2.700, sendo a primeira parcela já liberada a 1.213 famílias e as demais famílias estão aguardando a liberação que será feita com o pagamento da segunda parcela.

Foto 4

Beneficiários do Plano Mais IDH em Araioses

No Pólo III, outro município do ‘Mais IDH’ beneficiado é Santana do Maranhão, que já possui 100 famílias cadastradas, com 56 que receberam o fomento para a instalação de 48 Sistecs e 8 ‘Sisteminhas’. A família da agricultora Licimar de Sousa, que mora no povoado Coqueiro, é uma das beneficiárias com a instalação do projeto composto por horta, minhocário, compostagem, aviário e um tanque para criação de tilápias.

Conforme a agricultora, muitas vezes era preciso sair de casa para pescar e fazer o jantar para a família de nove pessoas. E com o ‘Sisteminha’ em sua casa ela vai até o quintal e pega um peixe no viveiro e tira do canteiro as verduras pra fazer um baião de dois.

“Já teve dia que preparamos o almoço com tudo que possuímos do ‘Sisteminha’. É um privilégio muito grande em nós termos sido escolhidos e agradecemos muito ao governador Flávio Dino por este projeto e espero que um dia ele almoce aqui em casa provando os frutos que ele semeou com o ‘Mais IDH’, “ enfatizou a agricultora Licimar.

Em Araioses, 104 famílias estão cadastradas no Plano, sendo que 80 famílias já receberam a primeira parcela do fomento para a construção dos sistemas, que são 10 ‘Sisteminhas’ e 70 Sistecs.

A agricultora Maria da Luz, moradora do povoado Baixão do Estreito, em Araioses, é mãe de cinco filhos e já está com seu ‘Sisteminha’ funcionando completamente. Em sua propriedade, Maria da Luz está produzindo hortaliças, criando galinha e 200 tilápias e vê a produção de alimentos como uma fonte de renda.

“Nós trabalhávamos apenas com roça e recebia o Bolsa Família. A gente não esperava que viesse um projeto como esse. Eu e minha família estamos muito felizes e com fé em Deus vamos mudar nossa vida mais do que já está mudando, ” falou Maria da Luz.

Nos municípios de Milagres e Água Doce, 200 famílias já foram cadastradas nessa primeira fase do Plano.

FONTE: Agerp          Texto: Samara Andrade     |    23/02/2016

Governo discute Plano Brasil sem Miséria em reunião com Colegiado Territorial do Baixo Parnaíba

100_2312

Foto: Divulgação

O Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), participou, juntamente com representantes do Colegiado de Desenvolvimento Territorial do Baixo Parnaíba, da reunião de planejamento das atividades do Plano Brasil Sem Miséria (PBSM).

Durante o encontro, realizado na quinta-feira (18), no escritório regional da Agerp em Chapadinha, foi utilizada metodologia participativa com a equipe técnica para identificar as demandas locais e estabelecer metas e prioridades de atuação da regional na execução do contrato 044/2012 MDA/Agerp, no Território do Baixo Parnaíba para 2016.

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, destacou a importância de estabelecer parcerias em prol do fortalecimento da agricultura familiar, por meio da assistência técnica e extensão rural. “Não devemos levar apenas as políticas públicas até o agricultor, mas, qualificá-las. Unindo forças entre governo, esfera municipal e sociedade civil com diálogo aberto entre os territórios e os movimentos sociais, de maneira estratégica, instaurando uma nova forma de relação, por meio do diálogo pensando nas famílias do campo”, afirmou o presidente.

O gestor do escritório regional da Agerp de Chapadinha, Givanildo Ramos, ressaltou o esforço da agência em atender o público do Programa Brasil Sem Miséria, promovendo a inclusão social e o acesso das famílias às demais políticas públicas voltadas para a agricultura familiar.

Raimunda Coriolano, coordenadora do Núcleo Diretivo do Colegiado do Baixo Parnaíba, afirmou que esta foi a primeira vez em que participou como representante do território em uma ação governamental. “As políticas públicas eram tratadas de forma individualizada e por isso não funcionavam. Percebo que a partir de hoje testemunhamos um marco na história territorial e estamos caminhando para uma integração necessária entre gestores públicos e conselhos setoriais, que vai fortalecer o nosso território”, disse.

O secretário-adjunto da SAF, Francisco Sales, reafirmou o papel da Agerp no processo de mudança vivenciado no Maranhão. “Vamos juntar as peças e tentar melhorar cada vez mais. O governador Flávio Dino assumiu um compromisso e nos incumbiu de promover o desenvolvimento rural sustentável para estas famílias, com o sentimento de compromisso acima de tudo”, ressaltou o secretário-adjunto.

Estiveram presentes no encontro o coordenador de Ater da Agerp, Artur Soares; a coordenadora de gestão da informação rural, Alessandra Lima; o gestor da regional de Itapecuru-Mirim, Mubaraki Zaki; incluindo ainda, técnicos e coordenadores das regionais; o secretário do trabalho de Chapadinha e representante do governo na Rede de colegiado do Estado, José Ribamar Lima, e o coordenador da ASA-MA e Colegiado do Desenvolvimento Territorial (Codeter) do Baixo Parnaíba Baixo Parnaíba, Juvenal Neres.

 

Território do Baixo Parnaíba

Com uma área de 19.178,80 Km², o Território do Baixo Parnaíba é composto por 16 municípios, onde mais da metade da população vive na área rural. Possui 30.020 agricultores familiares, 6.715 famílias assentadas, 14 comunidades quilombolas e é assistido pela regional da Agerp de Chapadinha.

Planejamento e Ações da Regional

Atualmente a regional de Chapadinha vem desenvolvendo ações no Contrato de Ater do Baixo Parnaíba, que integra ações do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no Plano Brasil sem Miséria, com 4.100 famílias beneficiadas, divididas entre os municípios de Chapadinha, Buriti, Mata Roma, Brejo, São Bernardo, Santa Quitéria, Milagres do Maranhão, São Benedito e Urbano Santos, Santana do Maranhão, Magalhães de Almeida, Água Doce do Maranhão, Tutóia e Araioses

A regional de Chapadinha inclui ainda a participação no Plano Mais IDH, com 1.200 famílias atendidas em Araioses, Milagres do Maranhão, Água Doce e Santana do Maranhão. Atuação no Plano Garantia Safra, com meta de 9.500 agricultores cadastrados em 13 municípios, até outubro deste ano; e Acordo de Cooperação Técnica (ACT) com o MDA, que vai beneficiar 1.200 famílias.

Atividades em desenvolvimento do Pacto Federativo: implantação de Unidades de Referencias Tecnológicas; participação no Programa Mais Sementes; implantação de Unidades de Milho Biofortificados e acompanhamento do Projeto Tabuleiro de São Bernardo; ações previstas para o Cadastro Ambiental Rural (CAR); implantação de Sistemas de Irrigação para Agricultura Familiar; e realização da Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec) em Chapadinha.

Fonte: Agerp  |  22/02/2016

Governo celebra convênios com MDA e Caixa para impulsionar agricultura familiar

Sistema de Agricultura Familiar participa da solenidade

Sistema de Agricultura Familiar participa da solenidade

Centenas de famílias dos 217 municípios maranhenses serão beneficiadas pelos convênios assinados entre o Governo do Estado e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), representado pela Caixa Econômica Federal, em solenidade realizada na manhã desta quarta-feira (17), no Palácio dos Leões. A parceria prevê investimentos de quase R$ 3 milhões que irão alavancar projetos de agricultura familiar no Maranhão.

Na solenidade, o governador Flávio Dino agradeceu a parceria celebrada com o MDA e a Caixa em prol de políticas públicas estruturadas para a agricultura familiar, e ressaltou que os investimentos realizados pelo Governo na área fazem parte da mudança de realidade econômica do Estado. “A agricultura familiar é a essência de uma nova economia inclusiva e justa que nós estamos construindo juntos. Porque só há desenvolvimento econômico verdadeiro e sustentável quando ele é para todos”, frisou o governador.

Os oito contratos de repasse de recursos federais firmados entre o MDA e o Governo, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), incluem convênios que vão impulsionar o desenvolvimento nos 30 municípios que fazem parte do Plano Mais IDH, nos Territórios do Baixo Parnaíba, Campos e Lagos, Lençóis Maranhenses Munim, Baixada Ocidental e Cocais, além de projetos que atingem todos os municípios maranhenses.

A coordenadora do Núcleo Diretivo do Colegiado Territorial do Campos e Lagos, Zulmira Mendonça, explicou que, desde a criação dos territórios, essa é a primeira parceria celebrada com o Governo. “É uma experiência inovadora, pois podemos fazer essa transversalidade entre os projetos que os municípios realmente necessitam. É importante a gente, como sociedade civil, juntamente com o poder público, dialogar o que é melhor para o desenvolvimento social e sustentável”, destacou.

Os convênios oficializados entre o Governo e o MDA congregam uma série de benefícios para grupos produtivos de jovens, mulheres, quilombolas e agricultores familiares do Maranhão. Com o repasse dos recursos, o Governo vai adquirir duas unidades móveis de regularização fundiária, um laboratório móvel de análise de solos (Fertmóvel), 216 kit’s de irrigação e equipamentos para feiras itinerantes com o objetivo de fortalecer a comercialização, logística e abastecimento.

Para o secretário da SAF, Adelmo Soares, o Maranhão passa a ter, com esses convênios, a oportunidade de oferecer mais condições para o agricultor familiar produzir e ter uma melhor qualidade de vida. “São quase R$ 3 milhões que vão servir ao povo do Maranhão para desenvolver, ainda mais, a agricultura familiar do nosso Estado”, realçou.

A representante do MDA no Maranhão, Ivoneide Nunes da Silva, destacou que esses convênios vão ajudar as mais de 150 mil famílias de agricultores familiares que existem no Maranhão. “O Governo do Estado está de parabéns porque consegue visualizar a importância da agricultura familiar. Nesse sentido, ele tem buscado à nível nacional, junto aos órgãos do Governo Federal, alavancar recursos e repasses que possam garantir o desenvolvimento da agricultura”, enfatizou.

Parceria

O superintendente regional da Caixa, Ricardo Porto, disse que o Governo é um parceiro fundamental para o desenvolvimento de políticas públicas no Maranhão. “Temos muitos convênios, muitos recursos públicos, e o governador Flávio Dino está atuando fortemente para que a gente celebre o maior número de convênios e possa trazer mais recursos para o Estado, que é o nosso objetivo”, finalizou Porto.

Estiveram presentes à solenidade o vice-governador Carlos Brandão, os presidente da Assembleia Legislativa, Humberto Coutinho, do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), Mauro Jorge, da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Júlio César Mendonça, da Federação de Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), Graça Amorim, o coordenador do MST/MA, Elias Araújo, além dos coordenadores dos núcleos diretivos dos territórios beneficiados pelo convênio.

 

Fonte: Ascom Secap    |   18/02/2016

Agerp realiza entrega de sementes a agricultores de Paço do Lumiar

ddf2ef60-f475-4cec-8c62-c1a421b03568

Diretor de Ater da Agerp, Pedro Pascoal, presente na distribuição de sementes

Como continuidade às ações do Programa Mais Sementes, o Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), realizou na manhã desta quarta-feira, 17, em Paço do Lumiar, a entrega de sementes de milho aos agricultores familiares do município.

O diretor de Ater, Pedro Pascoal, destacou o trabalho do Sistema de Agricultura Familiar (SAF, Agerp e Iterma) para promover ações, como essa, que visam dar condições de produção às famílias de agricultores familiares. “A Agerp, como órgão de extensão rural, está dando sequência a distribuição de sementes como forma de potencializar a agricultura familiar. Estamos disponibilizando sementes de qualidade com origem aprovada pela Embrapa, e isso mostra o cuidado que a Agerp e todo o Sistema possui em garantir o melhor para os agricultores do Maranhão, ” disse Pascoal.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, o programa Mais Sementes, desenvolvido pelo Governo do Estado, contribui com para fortalecer o setor produtivo do Estado. “O agricultor familiar tem a possibilidade de produzir mais e ter um ganho em qualidade de vida. Com a distribuição de sementes selecionadas e a assistência técnica, a perspectiva é que a agricultura familiar no Maranhão continue crescendo”, disse.

De acordo com o secretário da Semapa, Rodrigo Costa, a distribuição das sementes vai ampliar as atividades agrícolas no município. “Nós estamos oferecendo um produto de boa qualidade para os nossos agricultores e estamos sintonizados com a Agerp para fortalecer a assistência técnica nosso município,” afirmou o secretário Rodrigo.

Para o município de Paço do Lumiar estão sendo distribuídos 3.500 kg de sementes de milho, que irão beneficiar cerca de 300 famílias.

Gestor da Regional São Luís entrega sementes aos agricultores

Gestor da Regional São Luís entrega sementes aos agricultores

Uma das beneficiadas, a agricultora Domingas Silva, produz vinagreira, alface, melão e outros em sua propriedade, no povoado Mojó, zona rural de Paço do Lumiar. De acordo com a agricultora, receber as sementes vai complementar sua produção que hoje lhe rende aproximadamente R$ 1.500 por mês. “Acredito que a produção vai avançar mais com essas sementes de milho e a renda vai melhorar”, contou a agricultora.

Durante a entrega, foi realizada orientação aos agricultores sobre práticas para um melhor plantio das sementes. Da preparação da terra à colheita do produto final, a equipe técnica da Agerp esclareceu dúvidas dos presentes.

O gestor Regional de São Luís, Ananias de Jesus, enfatizou que a Agerp não se preocupa apenas em distribuir as sementes, busca orientar os agricultores no manejo adequado das culturas e assim produzir melhor.

“Nós estamos entregando sementes selecionadas. Fizemos teste germinativo e deu 96% de germinação, ou seja, são sementes com total aproveitamento de que darão frutos. E nossa equipe está disponível para orientar o produtor desde a hora de escolher o local do plantio até a comercialização”, ressaltou o gestor Ananias.

Estavam presentes na entrega o diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural da Agerp, Pedro Pascoal, o gestor Regional de São Luís, Ananias Jesus, equipe técnica da Agerp, e o secretário Municipal de Agricultura e Abastecimento de Paço do Lumiar (Semapa), Rodrigo Costa.

Fonte: Ascom Agerp   |  18/02/2016

Sistema SAF visita beneficiários do Plano Brasil Sem Miséria, em São Bernardo

PBSM - São Bernardo (65)

Sistema SAF visita agricultores do PBSM

O secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, acompanhado pelo superintendente de Articulação Política de São Bernardo, Antônio Bernardo, e do gestor regional da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) de Chapadinha, Givanildo Silva, visitou no último sábado, 13, o município de São Bernardo, na região do Baixo Parnaíba.

Durante a visita a equipe do Governo foi acompanhada pelos técnicos do Plano Mais IDH e se reuniram com os membros do assentamento da Associação dos Pequenos Produtores do Povoado Cajueiro.
No povoado Cajueiro o secretário Adelmo destacou as ações voltadas para realizar a inclusão produtiva das famílias de agricultores por meio de uma assistência técnica fortalecida.

“Estamos vindo a este povoado para conhecer a realidade da comunidade e dizer que o governo Flávio Dino está presente aqui e que os pilares do nosso Governo são o conhecimento, por meio da Ater, e a produção, ” disse o secretário.

Ainda em Cajueiro, a equipe visitou famílias de agricultores beneficiados pela Chamada Pública do Baixo Parnaíba, que integra o Plano Brasil Sem Miséria (PBSM). A agricultora beneficiária pelo PBSM, Francisca dos Santos, cultiva em sua área feijão, alface, cheiro verde, cebolinha e tomate. Ela contou que a visita do secretário foi uma surpresa e espera que melhore a vida da comunidade.

“A gente vive disso aqui e queremos muito nossa vida melhore. Contamos com a ajuda do Governo para melhorar a produção das famílias do nosso povoado,” disse a agricultora.

PBSM - São Bernardo (88)

Entrega de sementes aos agricultores

Por meio da Chamada Pública do Baixo Parnaíba do PBSM, a Agerp atende 4.100 famílias em 14 municípios da região, que tem como objetivo elevar a renda e as condições de bem-estar às famílias consideradas extremamente pobres cuja renda é inferior a R$ 70,00 (setenta reais). Em São Bernardo são 400 famílias atendidas pela Chamada.

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, enfatizou a importância da prestação de assistência técnica e extensão rural como uma ferramenta de políticas públicas para o meio rural. “A Agerp está buscando estratégias para dar continuidade às atividades referentes à Chamada Pública do Baixo Parnaíba para gerar renda e qualidade de vida aos nossos agricultores, ” contou Júlio.

Entrega de sementes

Na ocasião, o secretário Adelmo fez a entrega de sementes de milho para a Associação da comunidade como parte da ação do Programa Mais Sementes, desenvolvido entre a SAF e a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima).

 

Fonte: Ascom Sistema SAF  |  Texto: Samara Andrade   |   18/02/2016

Sistema SAF busca revitalizar projeto ‘Tabuleiros de São Bernardo’ na região do Baixo Parnaíba

Estação de bombeamento do Tabuleiros de São Bern

Estação de bombeamento do Tabuleiros de São Bernardo

Integrantes do Sistema de Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF) e seus órgãos vinculados (Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural – Agerp, e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – Iterma); das Embrapas Cocais e Meio Norte; Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST; e técnicos do Plano Mais IDH estiveram nas áreas do projeto ‘Tabuleiros de São Bernardo’, localizadas em Magalhães de Almeida e Araioses. O objetivo foi conhecer de perto o projeto e ouvir as reivindicações das famílias de trabalhadores irrigantes.

Criado há 30 anos com o objetivo de gerar produção de fruticultura irrigada, tirar famílias da pobreza e combater a seca, o projeto Perímetro Irrigado ‘Tabuleiros de São Bernardo’, executado pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs),  vinculado ao Ministério da Integração Nacional,  está praticamente abandonado.

A equipe esteve reunida com a população e lideranças políticas locais para buscar soluções na ampliação do perímetro irrigado e reforçar o compromisso do governo do Estado em retomar o projeto para desenvolver a agricultura familiar.

São 359 famílias de assentados, sendo 78 famílias associadas e beneficiadas pelo Tabuleiros de São Bernardo. O perímetro irrigado tem uma área total de 11 mil hectares, mas apenas 541ha foram entregues pelo Dnocs e estão sendo utilizados pouco mais de 327 hectares para a produção de banana, melancia, coco, limão, tangerina, laranja, mamão, goiaba e caju.

Com uma grande infraestrutura e água em abundância, já que o perímetro irrigado se utiliza da fonte hídrica do Rio Parnaíba, a área possui solos com boa fertilidade para o cultivo de outras culturas frutíferas. Tabuleiros tem total condição de funcionamento demonstrando um grande potencial produtivo das terras da região do Baixo Parnaíba, mas está sucateado.

Equipamentos abandonados, encanamentos quebrados desperdiçando um volume considerável de água, além do mal funcionamento da estação de bombeamento, em que nem todas as comportas funcionam prejudicando assim o abastecimento do projeto e a geração de energia para a região. As famílias convivem ainda com cobranças indevidas das faturas de consumo elétrico devido o mal funcionamento da estação e da gestão da empresa cobradora.

O secretário da SAF, Adelmo Soares, acompanhou a visita ao local e ressaltou a grande estrutura do Tabuleiros e destacou que é preciso ampliar as áreas dos agricultores para gerar uma maior produção de fruticultura irrigada.

“A prerrogativa que o governador Flávio Dino sempre coloca é que nós devemos trabalhar fortemente para transformar o Maranhão autossuficiente na produção de alimentos. Eé por esta razão que estamos visitando o Tabuleiros e queremos utilizar a área total para incrementar a produção destas famílias”, disse o secretário.

Reunião entre Governo, MST, Embrapa Cocais e Meio Norte com irrigantes do Ta

Reunião entre Governo, MST, Embrapa Cocais e Meio Norte com irrigantes do Tabuleiros

De acordo com Adelmo Soares, o Governo do Estado, por meio da SAF, está construindo um Acordo de Cooperação Técnica (ACT)que visa a parceria com o Governo na execução do projeto.“Estamos batalhando para a formalização do ACT e em breve iremos à Fortaleza apresentar o ACT ao Dnocs, de modo que o Governo do Maranhão tem interesse em participar ativamente das ações dentro do Tabuleiros de São Bernardo. Queremos atuar de forma incisiva na transformação do ‘Tabuleiros’”, afirmou.

Representando o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, estavam os gestores regionais de Itapecuru, Mubaraki Trabulsi, e de Chapadinha, Givanildo Silva. O presidente da Agência assegurou para o projeto a assistência técnica com disponibilização de três técnicos que atenderão as 78 famílias e levarão capacitação técnica e conhecimento aos agricultores.

“Nós acreditamos que transformaremos o Tabuleiros de São Bernardo em um grande expoente na produção de frutas no Maranhão e isso só é possível por meio de uma Ater de qualidade e presente na transmissão de conhecimento aos irrigantes”, informou o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça.

Para o coordenador do MST, Elias Araújo, há um tempo já estava sendo dialogado com o Governo e Embrapa Cocais conhecer in loco o Tabuleiros de São Bernardo e avançar na retomada do projeto. “Reunir todos os atores envolvidos na discussão da revitalização do Tabuleiros é muito importante. Estamos saindo daqui com uma agenda construída em que todos secomprometem para desenvolver e resolver os entraves, como a questão fundiária dos assentados do perímetro, então, vamos avançar”, destacou Elias.

Otimista, o presidente da Associação de Irrigantes do Distrito, Carlos André Lima, espera que com a parceria com o Governo do Estado o Tabuleiros de São Bernardo alcance um estágio maior de produção. “A gente fica feliz em receber a visita do secretário Adelmo e das demais entidades que vieram conhecer nossa realidade e com essa parceria nós vamos abater essa crise que enfrentamos e tudo vai melhorar”, destacou Carlos André.

Visita à Embrapa Meio Norte e Tabuleiros Litorâneos em Parnaíba, PI

Visita à UEP da Embrapa Meio Norte, em Parnaíba (PI)

Visita à UEP da Embrapa Meio Norte, em Parnaíba (PI)

Cumprindo agenda no estado do Piauí, a comitiva do Maranhão formada pelo Sistema de Agricultura Familiar (SAF, Agerp e Iterma), Secretaria de Articulação Política, técnicos do Plano Mais IDH, Embrapa Cocais e MST, visitou a cidade de Parnaíba com o objetivo de conhecer a Unidade de Execução de Pesquisa da Embrapa Meio Norte (UEP).

A UEP é o berço do modelo utilizado pelo Plano Mais IDH para combater a fome e pobreza no campo, o Sistema Integrado de Tecnologias Sociais (Sistecs), desenvolvido com base no ‘Sisteminha da Embrapa’.

A coordenadora da unidade, Janaína Kimpara, apresentou à comitiva o trabalho de pesquisa desenvolvido pela Embrapa Meio Norte e destacou a satisfação de o principal programa de governo no Maranhão ser uma tecnologia criada pela Embrapa. “É um orgulho muito grande ver uma tecnologia gerada aqui sendo utilizada para garantir a segurança alimentar de milhares de famílias nos 30 municípios mais pobres do Maranhão”, ressaltou Janaína.

Ainda em Parnaíba a equipe do Maranhão visitou o Perímetro Irrigado Tabuleiros Litorâneos do Piauí, em que são produzidos acerola, melancia, caju, melão, uva, mamão e outros. O projeto é executado pelo Dnocs.

Para o secretário da SAF, Adelmo Soares, a visita ao Tabuleiros “mostrou uma realidade que a gente já sabia, onde os trabalhadores litorâneos do Piauí se desenvolveram, sobretudo na fruticultura. Nós precisamos implantar a mesma metodologia para a ampliar a produção do Tabuleiros de São Bernardo no Maranhão”.

 

Fonte: Agerp  |   Texto: Samara Andrade    |     16/02/2016