Facebook Twitter Instagram

Agerp e Banco do Brasil firmam parceria para facilitar acesso ao crédito de agricultores familiares

bb e agerp

Assinatura entre Agerp e BB para implantação do Pronaf Web

Com o objetivo de dinamizar o acesso ao crédito para o agricultor familiar, o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, assinou, juntamente com o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares e representante do Banco do Brasil, o protocolo de intenção para implantação da plataforma digital do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar,‘Pronaf Web’.

O acordo foi oficializado durante a abertura da Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnolgia do Maranhão – Agritec, Território dos Cocais, realizada no município de Codó, entre os dias 28 e 30.

A parceria entre a Agerp e o Banco do Brasil foi pensada para simplificar a forma de operacionalização de projetos dos agricultores familiares, que antes buscavam orientações com os técnicos da instituição, para só depois, irem à procura de apoio junto à agência bancária e receberam instruções do processo de acesso ao crédito.
Com o Pronaf Web, os homens do campo terão a presença de um operador de crédito em tempo integral, durante a fase inicial, em 5 dos 19 escritórios regionais da Agerp: São Luís, Viana, Ze Doca, Codó e Presidente Dutra; e a partir da plataforma digital, poderão encaminhar os principais documentos para a abertura de conta, cadastramento e apresentação de propostas para o Pronaf, facilitando o trâmite do financiamento.

Para o presidente da Agerp, com a simplificação do processo para investimentos do Pronaf, os agricultores vão contar com a praticidade das novas tecnologias. “Vamos viabilizar o acesso aos benefícios obtidos com as políticas públicas, garantindo rapidez nos serviços oferecidos pelo órgão, que dissemina orientações, aliadas as novas tecnologias, para promover melhorias na qualidade de vida das famílias no campo”, disse o presidente.

De acordo com o gerente Estadual de Agricultura Familiar do Banco do Brasil, Vinícius Silveira, o ‘PronafWeb’ passa a ter início a partir de maio. “Com a parceria poderemos reduzir a burocracia, aumentar o acesso ao crédito e socializar o acesso ao Pronaf, que já poderão a usufruir dos serviços a partir de maio”, frisou o representante da entidade financeira.

“Mais uma ferramenta que o Governo do Estado, em prol do desenvolvimento da agricultura familiar, disponibiliza para o trabalhador rural. É com grande satisfação que disponibilizamos este serviço durante a Agritec, palco de grandes conquistas para o agricultor familiar”, disse o secretário, Adelmo Soares.

Com a linha de crédito oferecida pelo Pronaf os agricultores familiares poderão investir com o crédito fornecido, em construção, reforma, ampliação das instalações das propriedades rurais, e também, na modernização de serviços e produtos.
Fonte: Agerp

Foto: Divulgação/Agerp

29/04/2016

 

 

Em Codó, governador participa da Agritec, institui leis de incentivo à agricultura familiar e entrega títulos de terra

flavio dino

Governador visita stand na Agritec Codó

O governador Flávio Dino participou da Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec) do Território dos Cocais, em Caxias, nesta sexta-feira (29). Na ocasião, ele sancionou a lei que institui a Política Estadual de Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Peater/MA) e o Programa Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Proater/MA), e entregou títulos de terra para as famílias da Associação dos Pequenos Produtores Rurais do povoado Riacho Seco.

Acompanhado dos secretários que compõem o Sistema de Agricultura Familiar – Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) – Adelmo Soares, Júlio César Mendonça e Mauro Jorge, respectivamente, Flávio Dino percorreu stands, conversou com agricultores, participou de oficinas com crianças e experimentou os produtos comercializados na Feira.

De acordo com o governador, a Agritec é uma composição de políticas do Governo Estadual, Federal, prefeituras, movimentos sociais e empresas, destinada a garantir que haja um crescimento da produção no Maranhão. “É um momento que os produtores mostram o fruto do seu trabalho. Nós organizamos as políticas públicas de apoio ao crescimento das atividades produtivas e discutimos os problemas de cada região. O Governo presta contas do que vem fazendo em favor do desenvolvimento regional, de modo que essa foi uma inovação do nosso Governo que veio para ficar”, destacou.

A edição de Codó é a 5ª da Agritec desde o início da gestão do governador Flávio Dino, que ressaltou que essa é uma medida que garante oportunidade de trabalho para os mais pobres, sobretudo aqueles que precisam da presença do Estado para desenvolver as suas atividades econômicas. “Com isso nós melhoramos a quantidade de riquezas circulando na economia maranhense e ao mesmo tempo garantimos que essa riqueza não fique concentrada na mão de poucos. Esse é o papel fundamental da agricultura familiar”, reiterou o governador.

Leis de apoio à agricultura familiar

agritec codo

Público na Agritec Codó

A Agritec da Região dos Cocais marcou também a sanção das leis que instituem a Peater e o Proater. A iniciativa é resultado da 2ª Conferência Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (Ceater), realizada no início de abril, que discutiu as diretrizes para a formulação de ambas as leis.

Os programas atuarão na execução das políticas de desenvolvimento da assistência técnica e extensão rural, especialmente as que contribuam para a elevação da produção, produtividade e da qualidade dos produtos e serviços rurais, para a melhoria das condições de renda, da qualidade de vida e para a promoção social e desenvolvimento sustentável no meio rural.

“Através do Governo do Estado, levamos conhecimento aos agricultores, comercialização, transferências tecnológicas, incentivos financeiros, contratos firmados com instituições financeiras. Tudo isso, mostra o empenho do Governo em transformar a realidade do Maranhão por meio do conhecimento e da produção”, enfatizou o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares.

Durante a Feira, o governador Flávio Dino entregou títulos de terra para as famílias da Associação dos Pequenos Produtores Rurais do povoado Riacho Seco, que possui 1.517 hectares e beneficiará 32 famílias codoenses.

Produtores elogiam Agritec

Maria Hortência Lima, agricultora de Codó e representante da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), disse que 75% da alimentação do Brasil é proveniente da agricultura familiar, e a visita do governador é importante para ele conhecer de perto o trabalho que vem sendo desenvolvido no Maranhão.

“É bom que agora nós estamos sendo considerados como pessoas importantes para a sobrevivência do povo. A Feira é importante porque a gente expõe nosso produto, e é conhecido a nível de Maranhão. Já é uma melhoria para nós”, enfatizou a agricultora.

O agricultor Osvaldo Silva Souza participou da Agritec com uma banca de venda de melancia, mandioca, banana, entre outras frutas e verduras. Ao se deparar com o governador, ele tirou fotos e agradeceu pelo apoio que o Governo tem dado aos agricultores familiares. “A gente não tinha essa capacidade, mas com o governador, chegou na hora certa. A população codoense está de braços abertos para receber ele. Porque governador não é pra ficar em gabinete, é pra visitar mesmo”, realçou Osvaldo.

 

Fonte: Secap   Texto: Rafael Arrais

29/04/2016

Projeto que beneficia jovens de Coroatá é um dos destaques da Agritec

menor

Presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, visita stand do Projeto do Menor na Agritec

Artesanato entalhado na hora, oportunidade de negócio e saída para muitos jovens do município de Coroatá, que comercializaram produtos durante a Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec), no Território Cocais, realizada em Codó. A venda destes produtos é resultado de um trabalho que ganha destaque a cada edição, o ‘Projeto do Menor’, mais uma vez levou para o evento um estande onde a arte está voltada para a cidadania.

O ‘Projeto do Menor’ desde 2014 passou a receber apoio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), regional Codó, uma das realizadoras do evento, promovendo cursos e comercializações, com acompanhamento técnico em feiras de agricultura familiar.

A organização de Assistência Social e Promoção às Famílias (OAPF) é a entidade beneficente, sem fins lucrativos, que há 27 anos presta serviço voluntário e inclusão social para famílias carentes de 16 bairros periféricos, considerados de alta vulnerabilidade na sede do município e que abrange a zona rural, por meio da extensão do projeto, o ‘Mão Voluntariado’.

Com cerca de 250 crianças e adolescentes, entre 7 a 17 anos, atendidos por uma equipe especializada que desenvolve oficinas diárias, o Projeto do Menor inclui atividades culturais e cursos profissionalizantes, no intuito de combater o trabalho infantil e incentivar a permanência na escola, dando, também, apoio as famílias.

A presidente da entidade, Maria de Lourdes Silva, afirma que com os cursos ofertados pela Agerp, muitos dos jovens e lideranças locais, conseguiram uma nova fonte de renda. “Ministramos cursos de fibra de banana, salgados, confeite, corte e costura e também, de primeiros socorros. Sobrevivemos há 27 anos por meio de parcerias e a pactuada com a Agerp é de total importância”, afirmou.

A participação da Agerp no projeto é destacada pelo presidente, Julio Cesar Mendonça. “Nossa função social é estendida para diversos segmentos, sempre com o objetivo de fazer a diferença na vida destas famílias no campo. Um projeto pensando para a base, com uma equipe multidisciplinar que envolve as áreas agrícola, social, cultural, ambiental e econômica, dando suporte aos jovens. A Agerp atua como um importante aliado na formação destas crianças e adolescentes”, disse o presidente.

O voluntário e monitor, Raimundo Costa, há 12 anos que integra o projeto e diz que essa é uma forma de retribuir o apoio recebido quando jovem . “Sou monitor de capoeira e artesanato, levo com muito carinho cada experiência e vida transformada, como foi com a minha, que também recebi ajuda de projetos sociais durante a juventude”.
Fonte: Agerp

Foto: Divulgação/Agerp

30/04/2016

Agritec Codó: Maranhão recebe mais de R$ 14 milhões para investir na agricultura familiar

Agricultores familiares comercializam na Agritec

Agricultores familiares comercializam na Agritec

A Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec) do Território dos Cocais iniciou, nesta quinta-feira (28), em Codó, com uma novidade para o Maranhão. O estado receberá mais de R$ 14,5 milhões do Governo Federal para ampliar a capacidade produtiva e qualidade de vida das famílias rurais no interior do estado.

Na abertura da Agritec Codó, Solange Amarilis, da coordenação do Projeto Água Doce do Ministério do Meio Ambiente (MMA), oficializou junto ao Executivo Estadual, o investimento de R$ 9.667.110,79 milhões para beneficiar 11.500 pessoas.

O convênio tem o objetivo de fornecer água de qualidade para consumo humano e pretende instalar 30 sistemas de dessalinização, entre eles, três serão sistemas de arranjo produtivos abrangendo os municípios de Codó, Caxias, Coroatá, São João do Sóter, Timbiras, Aldeias Altas, Duque Bacelar, Itapecuru, Pirapemas, Araioses, Água Doce, Primeira Cruz e Chapadinha. O público alvo são agricultores familiares, comunidades quilombolas e assentados de programas dos governos estadual e federal.

“Com a assinatura do convênio, o Maranhão passa a ser o décimo estado da federação a ser beneficiado com as ações do Programa. É uma satisfação trabalhar em parceria com um governo que trabalha para que os recursos cheguem a quem mais precisa”, enfatizou Solange Amarilis, da coordenação do Projeto Água Doce do Ministério do Meio Ambiente.

Governador Flávio Dino e autoridades prestigiam Agritec Codó.

Governador Flávio Dino e autoridades prestigiam Agritec Codó.

O secretário de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração, Glauco Mendes, também firmou parceria com o Governo do Estado e assinou acordo de responsabilidade de empenho na ordem de R$ 5 milhões do Programa ‘Água Para Todos’ para construção de barreiro e kit de sistema simplificado para beneficiar produtores dos municípios de Duque Bacelar, Chapadinha, Vargem Grande, Codó e Caxias.

O secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares disse que, passo a passo, estão sendo construídas políticas públicas para todos os maranhenses ao serem aplicados corretamente os recursos públicos. “Vamos continuar apoiando a produção e os agricultores familiares. Acreditamos que esse é o caminho correto, investir na educação e na produção. Nós temos uma crença profunda de que estamos no caminho correto”, destacou o secretário.

Adhemar Lopes, secretário Nacional de Reordenamento Agrário do Ministério do Desenvolvimento Agrário, durante o evento parabenizou a SAF pelo empenho para destravar os recursos do crédito fundiário na ordem de R$ 11.781.232,55 para execução de Subprojetos de Investimentos Comunitários (SIC).

A ação está garantindo as condições de infraestrutura básica e produtiva aos agricultores familiares por meio de associações de trabalhadores rurais. A Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF) operacionaliza os empreendimentos rurais que beneficiam centenas de famílias assentadas pelo programa no Maranhão. A ação é executada por meio da Unidade Técnica Estadual (UTE), que coordena o crédito fundiário no estado.

Público marca presença na Agritec

Público marca presença na Agritec

Dona Maria de Jesus (Dijé), coordenadora do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, representando todos os movimentos sociais, agradeceu a oportunidade que o Estado está dando para as quebradeiras mostrarem seus trabalhos e como cuidar da natureza. “Nós tiramos nosso alimento da natureza e a preservamos. Sem agricultura familiar não é possível a sobrevivência das famílias, aqui é um espaço de muito aprendizado”, declarou.

Abertura da Agritec

Além dos importantes anúncios de investimento do Governo Federal, na abertura da Feira foi entregue três motos e três GPS para a regional da Agerp de Codó executar o Cadastro Ambiental Rural (CAR), e beneficiar agricultores familiares, comunidades e povos tradicionais. O CAR é uma ferramenta utilizada para auxiliar o processo de regularização ambiental de propriedades e posses rurais.

Na ocasião, foram firmados contratos de financiamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) que beneficiarão agricultores do município de Codó com a concessão de créditos bancários para ampliar a produção da família produtora rural. Foram entregues ainda 18 kits feira para atender a regional de Codó. O kit é composto por: barracas, balanças, caixas plásticas, gaiolas, caixas de isopor, pallet, jalecos, bonés e camisas.

O Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) entregou títulos de terra de 1.517 hectares para a Associação dos Pequenos Produtores Rurais do Povoado Riacho Seco, beneficiando 32 famílias.

A Agritec é uma realização do Governo do Estado do Maranhão, por meio do Sistema SAF, composto pela Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), em parceria com Embrapa/Cocais, Sebrae, Prefeitura municipal de Codó e Movimentos Sociais como a Aconeruq, Fetaema, Fetraf-MA, MIQCB e MST.

A Feira é uma verdadeira vitrine de oportunidades para o homem do campo, pois é um espaço de capacitação e acesso às novas tecnologias, de modo que ele possa melhorar sua produção quantitativa e qualitativamente.

Participaram da abertura o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, presidente do Iterma, Mauro Jorge, prefeito de Codó Zito Rolim, vereador de Codó Pedro Belo, secretários estaduais e municipais, vereadores, lideranças e representantes dos movimentos sociais.

 

Fonte: SAF  Texto: Claudilene Maia  29/04/2016

Agricultores beneficiados pelo ‘Mais Sementes’ começam a colher a safra 2015/2016

Foto-Produção-de-milho-em-São-Domingos

Plantação de milho em São Domingos do Maranhão

Quem percorre as rodovias do estado percebe a quantidade de vendedores comercializando produtos cultivados em suas propriedades. Um exemplo acontece em São Domingos do Maranhão, onde agricultores beneficiados pelo ‘Mais Sementes’ começam a colher a primeira safra após a implementação do programa.

O programa desenvolvido em parceria pelas secretarias de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), Agricultura Familiar (SAF) e Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), além de capacitar os pequenos agricultores, realiza o trabalho de distribuição das sementes aos agricultores por meio dos 19 escritórios regionais.

Pelo programa, a Agerp distribuiu para a safra 2015/2016, 857 toneladas de sementes de milho e 521 de arroz, totalizando mais de 1 mil toneladas (1.378.000 quilos) beneficiando mais de 136 mil famílias de agricultores familiares, incluindo comunidades quilombolas, indígenas e assentamentos de várias regiões do estado. A estimativa de área plantada pelo programa é de 55.875 hectares para esta safra.

O ‘Mais Sementes’ tem como principal objetivo aumentar a renda, produtividade, qualidade das sementes de arroz, milho e feijão, e ainda, promover à população tanto produtora, quanto a consumidora, alimentos de valor elevado que combatam a insegurança nutricional e alimentar e, também, a pobreza no meio rural.“A agricultura no estado está sendo pensada e gerida para aumentar a nossa produtividade, levando mais comida para a mesa dos maranhenses, combatendo a pobreza e gerando renda. Estamos buscando ir além do que vinha sendo feito e implantar uma mudança efetiva, planejada e executada para resultar em mais desenvolvimento para o Maranhão”, disse o secretário Márcio Honaiser, da Sagrima.

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, afirmou que o programa está relacionado diretamente com a oferta de sementes selecionadas para incrementar a produção dos agricultores. “Estamos colhendo os primeiros frutos da safra 2015/2016 em diversas regiões. Casamos a distribuição de sementes com a assistência técnica às famílias contempladas pelo programa para que se tenha uma maior produtividade e condições de qualidade de vida do trabalhador rural”, destacou.

Cada regional da Agerp recebeu determinadas quantidades de milho, arroz e feijão que foram distribuídas para agricultores, Sindicatos e Prefeituras. A regional de Presidente Dutra, que atende quinze municípios pelo escritório, incluindo São Domingos, recebeu 60 toneladas de milho e 28 de arroz que foram distribuídas nos municípios atendidos.

Ao município de São Domingos do Maranhão foram destinadas oito toneladas de sementes de milho a 200 famílias de agricultores familiares dos povoados Baixão Grande, Baixão da Lagoa, Sabonete e Maria da Eva. No povoado Baixão da Lagoa, os agricultores receberam as sementes em fevereiro e iniciaram neste mês a colheita da safra, com estimativa de colher 3.600 kg por hectare.

A variedade de milho na comunidade é a BRS Asa Branca, cultivar melhorada geneticamente que oferece maior qualidade e rentabilidade aos agricultores. De ciclo curto, a colheita é feita entre 80 a 100 dias após a germinação da semente.

Colheita de milho

Colheita de milho

A Agerp, além de realizar a distribuição de sementes aos agricultores, faz o acompanhamento das famílias levando Assistência técnica e extensão rural (Ater). Preparo da terra, plantio com o espaçamento correto entre as linhas, controle de pragas, doenças e irrigação do plantio, são algumas das orientações que os técnicos da instituição levam até os agricultores, que sem essas instruções básicas a produção e qualidade do alimento podem ser prejudicas.

Projeto de acompanhamento sistemático

Para a Safra 2015/2016, a Agerp está desenvolvendo um projeto piloto em cada regional do órgão para coletar informações sistemáticas da distribuição de sementes envolvendo as etapas de plantio da semente até a escoação da produção.

O projeto, inovador no Maranhão, vai funcionar em 20 hectares por regional, ou seja, cada escritório escolherá a unidade produtiva familiar que será utilizada experimentalmente na pesquisa. De acordo com o coordenador de Assistência Técnica e Extensão Rural da Agerp, Artur Costa, o projeto vai fazer uma análise mais detalhada das sementes semeadas e no final fornecerá dados em relação à manifestação de pragas, níveis de produtividade e os impactos socioeconômicos.

“A safra passada 2014/2015, distribuída pelo Estado, não teve acompanhamento e informações dos resultados alcançados. Então, para a safra 2015/2016 elaboramos o projeto de acompanhamento sistemático analisando mais profundamente o poder germinativo das sementes, a qualidade – mesmo sabendo que as adquiridas pelo Estado são certificadas, mas precisamos comprovar se elas estão respondendo bem em determinada área, e ver a questão da produção/produtividade e comercialização. Tudo isso para gerar dados e melhorar a produção do agricultor”, pontuou o coordenador Artur.

Fonte: Agerp  |  Texto: Samara Andrade  |  Data: 22/04/2016

Agricultores familiares beneficiários do Plano Brasil sem Miséria recebem fomento para incrementar produção

Família beneficiária do PBSM no município de Urbano Santos

Família beneficiária do PBSM no município de Urbano Santos.

O Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), tem investido fortemente na agricultura familiar para que famílias em situação de extrema pobreza tenham acesso a programas de inclusão social e produtiva rural.

Para garantir o acesso às políticas públicas e superar a pobreza no campo, cerca de 680 famílias de agricultores familiares da região do Baixo Parnaíba começaram a receber na última sexta-feira, (15), a liberação de fomento do Plano Brasil Sem Miséria (PBSM), executado no Maranhão pela Agerp.

A liberação do fomento é referente à primeira fase das Chamadas Públicas do Contrato de Ater 44/12 e Acordo de Cooperação Técnica 01/13, ambos do Baixo Parnaíba, que tiveram suas atividades retomadas. O fomento para cada família é no valor de R$ 2.400 que serão pagos em três parcelas – sendo que algumas famílias já receberam a primeira ou segunda parcelas e estão recolhendo a terceira agora, totalizando mais de R$ 560 mil de recursos liberados para investir na estruturação produtiva de suas propriedades rurais.

De acordo com o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, a liberação do fomento vem completar o ciclo iniciado com a seleção e capacitação das famílias beneficiadas pelo Brasil Sem Miséria. “Os ministérios de Desenvolvimento Agrário (MDA) e Desenvolvimento Social (MDS) entraram com o fomento e a Agerp com a assistência técnica que tem mostrado bons resultados. Muitos agricultores já receberam parte do fomento e estão produzindo alimentos garantindo segurança alimentar e o excedente sendo comercializado gerando renda para investir na melhoria da sua família”, disse o presidente da Agerp.

A coordenadora dos Contratos da Agerp, Alessandra Araújo, ressaltou o trabalho das equipes da instituição em levar serviços de Ater aos agricultores atendidos pelo Brasil Sem Miséria. “Os técnicos da Agerp dão apoio desde a orientação de como fazer o projeto e de como utilizar o fomento e vemos como é importante a orientação correta porque se bem aplicado o agricultor terá retorno financeiro e vai garantir sustentabilidade das famílias”, destacou Alessandra Araújo.

No povoado Cajueiro, em Urbano Santos, a agricultora Maria Antônia já recebeu duas parcelas do fomento do PBSM e comprou um pequeno terreno nos fundos de sua residência para ampliar a produção. Com o restante do fomento implantou uma horta orgânica com canteiros suspensos e um pequeno tanque para criação de peixes. “Me sinto satisfeita com o Plano e comercializo na feira local toda semana e tiro entre R$ 400 a R$ 500. Com esse faturamento posso agora reformar a residência”, contou a agricultora.

Em Brejo, a beneficiária do povoado Pau Preto, Maria Roseane Monteiro, investiu nas atividades de avicultura e horticultura, e é orientada pela Agerp quanto ao manejo das aves e na produção de hortaliças. Segundo a agricultora, seu rendimento mensal é cerca de R$ 1.000 onde emprega a renda na compra de novos animais e ração para as aves. “Estou muito satisfeita e não penso em parar. Quero ampliar a criação e aumentar a renda para dar conforto para minha família”, falou Maria Roseane.

Contratos de Ater

Os Contratos do PBSM atendem os municípios de Anapurus, Araioses, Brejo, Buriti, São Bernardo, Mata Roma, Santa Quitéria, Milagres, Chapadinha, São Benedito e Urbano Santos. Os técnicos da Agerp realizam o acompanhamento às famílias beneficiárias nos municípios orientando o agricultor no projeto produtivo e de como aplicar o fomento para melhorar sua produção.

São diversos projetos desenvolvidos pelas 683 famílias do Baixo Parnaíba, como suinocultura, avicultura, piscicultura, horticultura, mandiocultura, panificação e artesanato. Em todas as atividades o trabalho de assistência técnica é indispensável para o progresso dos projetos.

“O Governo Federal entra com o fomento, a Agerp com assistência técnica e o agricultor tem interesse no projeto, então, é visível que esse agricultor irá reverter o quadro de miséria”, finalizou o presidente da Agerp, Júlio César.

Fonte: Agerp     |     Fonte: Samara Andrade     |    18/04/2016

Governador inicia diálogo sobre assistência técnica e extensão rural na agricultura familiar

ceater fd

Debates reuniram federações de agricultores familiares, comunidades tradicionais, extrativistas e sociedade em geral.

“É impossível desenvolver o Maranhão sem uma agricultura familiar forte”. Com essa declaração, o governador Flávio Dino deu início a 2ª Conferência Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (Ceater), nesta quarta-feira (13). O evento faz parte da etapa da 2ª Conferência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Cnater) e reuniu representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), de federações de agricultores familiares, comunidades tradicionais, extrativistas e sociedade em geral.

Com o tema ‘Ater, agroecologia e alimentos saudáveis’, a 2ª Cnater tem como objetivo definir estratégias e ações prioritárias para promover a universalização da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) pública e de qualidade aos agricultores familiares do Maranhão, tendo como referência a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pnater).

Para o governador Flávio Dino, é preciso aumentar a produção de alimento no Maranhão para, em primeiro lugar, dinamizar a economia, mediante a formação de um mercado consumidor de massas que ajude, inclusive, a outros setores, como comércio, indústria, setor de serviços, “e ao mesmo tempo há uma dimensão social nisso que é a crença que nós temos na igualdade e na distribuição de renda”.

IMG_2003

Presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, durante a Ceater destacou o papel da Agerp em prestar serviços de Ater

O diretor do MDA, Marenilson Batista da Silva, realçou que a Ceater é primordial para a construção de uma política de Ater que possa chegar aos mais diferentes recantos do país. “Aqui no Maranhão não é diferente, queremos estar em todos os municípios, por isso que essa parceria com o Governo do Estado e com a sociedade civil é fundamental para que possamos ter uma assistência técnica em extensão rural que possa produzir alimentos de qualidade”, enfatizou.

Conferências

A realização de uma Conferência Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária é algo inédito no Maranhão. O Governo realizou 11 conferências territoriais, que culminaram na escolha de 179 delegados. Destes, 26 vão para a Conferência Nacional, que será realizada em junho, em Brasília.

O secretário Adelmo Soares (SAF) explicou que, a partir das conferências realizadas, o Governo do Estado instituiu a Política Estadual de Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Peater/MA) e o Programa Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Proater/MA). “Nós não podemos desenvolver o Maranhão sem a assistência técnica qualificada, de boa qualidade para os nossos agricultores. Então é mais um eixo que nós desenvolvemos e buscamos para a melhoria do estado”, sublinhou.

IMG_2013

Presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, fala durante a Ceater e destaca o papel do órgão.

O assessor institucional da Fetraf (Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar), Breno Ribeiro, disse que o governador Flávio Dino está valorizando a atividade no Maranhão. “É uma iniciativa que tem dado voz a esse grupo, esses vários grupos de pessoas que antes eram invisíveis sociais. São pessoas que não tinham oportunidades de falar os seus anseios, de mostrar as suas necessidades e de buscar soluções para isso. E essa Conferência Estadual de ATER eu acho que é a coroação dessa mudança de postura”, frisou.

A 2ª Ceater reuniu representantes, além da Fetraf, da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Maranhão (Fetaema), do Movimento dos Sem Terra (MST), do Movimento Interestadual da Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão (ACONERUQ), os presidentes da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, e do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), Mauro Jorge.

A programação da 2ª Conferência Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (Ceater) segue esta quinta-feira (14) e debaterá temos como: Fortalecimento Institucional, Estruturação, Gestão, Financiamento e Participação Social; ATER e Políticas Públicas para a Agricultura Familiar; e Formação e construção de conhecimentos na ATER.

Fonte: Secap    |    Texto: Rafael Arrais    |    13.04.2016

Presidente da Agerp acompanha missão do FIDA na Baixada

Após uma semana intensa de muito trabalho nos assentamentos, comunidades quilombolas, cooperativas, comunidades que vivem do extrativismo, a comitiva do Governo do Estado e do Fundo Internacional do Desenvolvimento Agrícola (Fida), ouviu as principais demandas dos agricultores com o objetivo de instalar projetos de desenvolvimento rural para melhorar a qualidade de vida do agricultor familiar.

FOTO 4 - Presidente da Agerp e Fida dialogam com agricultores de Cacoal, em Viana

Presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, e Fida dialogam com agricultores de Cacoal, em Viana

Durante o diálogo com os agricultores, iniciado na quarta-feira (6) e encerrado nesta sexta-feira (8), foram visitadas 18 comunidades nos municípios de Itapecuru, Vargem Grande, Matões do Norte, São Luís Gonzaga, Vitória do Mearim, Viana, Codó, Caxias, São Raimundo do Doca Bezerra, Lago dos Rodrigues, Lago do Junco, Matinha, Serrano do Maranhão, São Domingos e Lagoa Grande. Na próxima semana os trabalhos serão realizados na quarta (13), quinta (14) e na sexta-feira (15) em outros municípios.

Na Baixada Maranhense, em Itans, no município de Matinha, a comitiva do Fida acompanhada pelo presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, conheceu um projeto de piscicultura. O povoado possui uma produção de aproximadamente 2.000 toneladas/ano de peixe e comercializam em municípios da região e supermercados.

No povoado Itans existe o resultado de um dos eixos do governo Flávio Dino, que prevê a junção do conhecimento e da produção. E por meioda Agerp, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF), o conhecimento é disseminado com a prestação de assistência técnica ao povoado.

Para o piscicultor Carlos Gomes Sibalena, o apoio da Agerp é integral e o órgão sempre incentivou a ampliação da produção, que hoje possui 450 tanques. O piscicultor acredita que a parceria do Governo com o Fida contribuirá para fortalecer ainda mais a piscicultura da região. “A gente sempre buscou conhecimento. O Governo do Estado acredita no nosso potencial e a vinda do Fida vai agregar mais conhecimento à nossa atividade. A Agerp nos ensinou a pescar e queremos ir além”, contou o piscicultor Sibalena.

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, ressaltou a importância do FIDA incluir a região da Baixada no projeto para desenvolver a agricultura familiar do Maranhão.

“Mostramos ao FIDA as diversidades, potencialidades e limitações que municípios da Baixada e Campos e Lagoas têm para a agricultura. A região foi esquecida por muito tempo e o governador Flávio Dino está reconstruindo o Maranhão e a parceria com o FIDA é justamente para resgatar as famílias de produtores rurais da pobreza por meio da produção de alimentos, ” disse o presidente da Agerp, Júlio Mendonça.

O bem-sucedido projeto de piscicultura de Itans incentiva outras comunidades da Baixada e até de outros estados a investir nessa atividade. Esse é o caso da comunidade quilombola Cacoal, em Viana, que iniciou um projeto de piscicultura e possui 9 tanques.

A comitiva do Governo e do FIDA dialogou com os produtores do povoado e ouviu as principais dificuldades que eles enfrentam para progredir na agricultura. A comunidade tem como principal atividade o cultivo de mandioca e produção de farinha que são para o próprio consumo e vendida localmente. “Visitamos Itans e achamos que seríamos capazes de transformar Cacoal em uma Itans 2. Quando nos disseram que o Governo ia trazer pessoas de fora interessadas em investir na gente nos enchemos de esperança porque queremos mudar nossa vida,” falou a agricultora Sandra Regina Trindade.

Em Vitória do Mearim, o povoado visitado foi São Benedito, uma das comunidades quilombolas mais antigas do município. Às margens do rio Grajaú, as 600 famílias cultivam mandioca, milho, feijão, melancia e pesca artesanal. Cerca de 40 famílias do povoado são beneficiadas pelo Programa Brasil Sem Miséria e recebem assistência técnica da Agerp.

Para gerente de Programas do Fida no Brasil, Paolo Silveri, ouvir o agricultor familiar é importante para definir projetos que possam atender as necessidades de cada localidade. “Encontramos um Governo muito determinado em superar a pobreza geral e rural. Encontramos, também, comunidades civis organizadas muito ativas, disponíveis e com muita esperança de melhorar. Para o Fida entrar no Estado precisa dessa combinação, Governo e comunidade civil organizada”, acentuou Paolo Silveri.

“Ouvir os produtores rurais faz parte do trabalho do Governo do Estado, que é trabalhar em prol de um Maranhão próspero. Nosso objetivo é potencializar forças, estadual, nacional e internacional para gerar desenvolvimento no Maranhão”, declarou o secretário da SAF, Adelmo Soares.

Com a execução do projeto serão investidos R$ 156 milhões e atendidos 82 municípios e beneficiados aproximadamente 790 mil habitantes que se encontram em situação de pobreza e extrema pobreza, e representam aproximadamente 77% da população rural. Essa população vive em comunidades rurais, assentamentos da reforma agrária (incluindo as unidades do crédito fundiário), comunidades quilombolas e indígenas que residem nos territórios definidos na área de intervenção.

 

Agerp promove treinamento em piscicultura para agricultores de Paço do Lumiar

O Governo do Estado, por meio da Agência Estadual e Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), em parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), promoveu, nesta terça (5) e quarta-feira (6), um treinamento em piscicultura para agricultores familiares do município de Paço do Lumiar.

Foto 1_Divulgação_AGERP_06_04_2016 - Governo do Estado promove treinamento em piscicultura para agricultores de Paço do Lumiar

A atividade foi realizada na comunidade Mojó e reuniu cerca de 20 produtores da região, que buscam na cadeia produtiva da piscicultura mais uma alternativa para geração de renda. Os participantes receberam orientações técnicas básicas, que incluíram demonstrações sobre a área, água, preparo dos viveiros, manejo, alimentação, informações a respeito dos cuidados com a higienização e conservação.

O produtor João Batista, proprietário da área utilizada para a realização do evento, foi também o responsável por solicitar o treinamento junto a Agerp e Semapa. “Já cultivo hortaliças e agora pretendo aumentar a renda da minha família e de outros produtores locais. Já construí um tanque, mas, acredito que a orientação técnica é necessária para que a atividade tenha retorno financeiro garantido”, disse o produtor.

Para o assessor de Pesquisa Pesqueira e Aquícola da Agerp, Luís Rocha, que ministrou o treinamento para os agricultores, a ação serviu para promover a troca de conhecimentos e experiências. “Mesmo que tenham iniciado a atividade de forma principiante, percebemos que todos aqui estão bastante confiantes e entendem que criação de peixe é uma importante opção de emprego e renda. Com o direcionamento adequado, evitam gastos desnecessários e adquirem aprimoramento técnico”, enfatizou o assessor técnico.

Parceria

De acordo com a geografa assessora técnica da Agerp, Sheila Lobo, que integra a equipe de capacitação do órgão, após o treinamento a ação terá continuidade com a oferta de cursos mais aprofundados sobre as técnicas de piscicultura.

Os cursos serão desenvolvidos em parceria com a Semapa de São Luís e Paço do Lumiar, como forma de estimular o desenvolvimento da cadeia produtiva da piscicultura e garantir suporte técnico para as famílias rurais.

Governo e Fundo Internacional investirão R$ 156 mi na Agricultura Familiar

Mais IDH - Santana (70)

Divulgação

Pela primeira vez, o Maranhão receberá investimentos no valor de US$ 40 milhões, equivalente a mais de R$ 156 milhões para mudar e transformar a realidade de agricultores familiares do estado. Com este objetivo, o Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), elaborou uma Carta Consulta com o objetivo de obter financiamento do Fundo Internacional para Desenvolvimento da Agricultura (Fida), visando à implantação de Projetos de Desenvolvimento Rurais Sustentáveis. Após aprovar os recursos para o estado, já partir desta segunda-feira (4) a comitiva Fida estará no Maranhão conhecendo os territórios que receberão os investimentos.

O recurso investido no Maranhão é proveniente da parceria do Fida,  Agência da Organização das Nações Unidas, com o Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Agricultura Familiar (SAF). Os investimentos serão destinados a Projetos de Desenvolvimento Rurais Sustentáveis nas regiões do Baixo Parnaíba, Cocais, Campos e Lagos, Lençóis Maranhense, Médio-Mearim e Vale do Itapecuru.

O Projeto será financiado por meio de um empréstimo do Fundo Internacional, que representará 50% do valor global e 50% como contrapartida do Governo do Maranhão. Com a execução do projeto serão atendidos 82 municípios e beneficiados aproximadamente 790 mil habitantes, que se encontram em situação de pobreza e extrema pobreza, e representam aproximadamente 77% da população rural. Essa população vive em comunidades rurais, assentamentos da reforma agrária (incluindo as unidades do crédito fundiário), comunidades quilombolas e indígenas que residem nos territórios definidos na área de intervenção.

De acordo com o secretário Adelmo Soares, o Fida estará em missão no Maranhão entre os dias 04 e 20 de abril para visitar diversos povoados, assentamentos e comunidades que desenvolvem atividades da agricultura familiar em 29 municípios do estado. “A parceria com o Fida está diretamente ligada ao fortalecimento das cadeias produtivas da agricultura familiar, bem como a garantia de sua soberania alimentar e segurança nutricional, com tecnologias adequadas à realidade de cada bioma, de modo a aumentar a eficiência produtiva das unidades familiares, com um melhor aproveitamento dos recursos naturais existentes”, disse.

Para o presidente da Agerp, Júlio Mendonça, órgão vinculado à SAF, a Secretaria trabalha de forma articulada com os órgãos vinculados – Agerp e Iterma – de modo a assegurar o desenvolvimento sustentável. Para isto, capta recursos e coordena programas de superação da pobreza rural e de desenvolvimento territorial.

“Para implementação do Projeto, o governo Flávio Dino conta com os escritórios regionais da Agerp distribuídos estrategicamente em todos os territórios. A SAF e suas vinculadas tem equipe multidisciplinares composta de profissionais nas áreas de Ciências Agrárias, Ciências Sociais, Economia, Construção Civil, Meio Ambiente, entre outras”, informou o presidente da Agerp.

No Brasil, o Fida trabalha com foco no Semiárido do Nordeste para beneficiar, principalmente, agricultores familiares, assentados e trabalhadores rurais com prioridade a mulheres e jovens. Combater a fome, fortalecer a segurança alimentar nas comunidades rurais, gerando emprego e renda nos municípios maranhenses são algumas áreas de atuação do Fida.

No Nordeste brasileiro, o Fundo atua no Ceará, Piauí, Paraíba, Pernambuco e Bahia. Segundo o diretor do Fida no Brasil, Oscar Garcia, as ações desenvolvidas nesses estados têm sido importantes para a melhoria da qualidade de vida dos agricultores familiares. “Os programas têm mostrado uma significativa redução da pobreza e inclusão de famílias na agricultura familiar”, disse.

Esta não é a primeira vez que o Fida visita o Maranhão. No ano passado representantes do Fundo, conheceram as experiências em produção Agrícola Familiar no Maranhão. A equipe técnica visitou escolas agrícolas, cooperativas de pequenos produtores e participou de reuniões com os movimentos sociais, técnicos rurais e organizações dos agricultores familiares. Para o oficial de programa do Fundo Internacional, Hardi Michael, o conjunto de ações de combate à pobreza rural e a política fiscal do Maranhão têm sido fatores decisivos para atrair os novos investimentos para o estado.

Roteiro Fida

O Fida irá atuar em seis territórios: Baixo Parnaíba, Cocais, Campos e Lagos, Lençóis Maranhense, Médio- Mearim e Vale do Itapecuru. Além das 790 mil pessoas beneficiadas, 122 comunidades quilombolas estarão incluídas no projeto.

Dos dias 06 a 07 de abril a comitiva do Fida e da SAF irão visitar povoados e comunidades nos municípios: Itapecuru- Mirim, Vargem Grande, Matões do Norte, São Luís Gonzaga, Vitória do Mearim, Viana, Codó, Caxias, São Raimundo do Doca Bezerra, Lago dos Rodrigues, Lago do Junco, Matinha, Serrano do Maranhão, São Domingos, Dom Pedro, Lagoa Grande, Lago da Pedra e Santa Luzia do Paruá.

Entre os dias 13 e 15 de abril a comitiva irá conhecer a realidade de comunidades nos municípios de Fernando Falcão, Açailândia, Itinga, Barra do Corda, Itaipava do Grajaú, Cidelândia, Imperatriz, Balsas, Grajaú, Amarante do Maranhão e Mirador. Após as visitas, o Fida irá elaborar um diagnóstico da situação de cada município com a finalidade de identificar quais as potencialidades de cada um dos municípios.