Facebook Twitter Instagram

Governo promove dia de campo sobre tecnologia simples e sustentável em Santa Helena

O Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), promoveu nesta quinta-feira, 24, um ‘Dia De Campo’ sobre transferência de tecnologia simples e sustentável, com o tema “Sistemas Integrados de Produção de Base Ecológica”, realizado na comunidade São Francisco, localizada a 34 km da sede do município de Santa Helena.

FOTO 1

Foto: Coordenador de Pesquisa da Agerp, Ronald Lazo, durante orientações sobre técnica de adubação verde

A propriedade do agricultor familiar, Amarildo Braga, foi o local escolhido para a instalação da unidade de referência tecnológica (URT) e realização do evento, que contou com cerca de 100 participantes, entre técnicos, estudantes e agricultores familiares dos 17 municípios atendidos pelo escritório regional da Agerp Pinheiro, mobilizador do Dia de Campo.

 

Foi feito o plantio consorciado das culturas temporárias do arroz, milho, mandioca e feijão-caupi, amparado na técnica de adubação verde, com o uso da Crotalariajuncea, leguminosa que fornece nitrogênio e protege o solo da radiação solar, alternativa viável para aumentar a produção e fortalecer este modelo de agricultura sustentável e com tecnologia simples, apropriada à agricultura familiar.

Para Amarildo, ser visto como modelo para outras famílias rurais já é um avanço. “Antes trabalhava de forma bem inadequada, na ‘roça de toco’, nem sabia o que era cultivo sustentável, causava danos ao solo e não tinha a produção esperada. Com as práticas aprendidas, consegui melhorias não só para mim, mas para toda a população vizinha que pode fazer igual”, disse o produtor, selecionado como multiplicador de tecnologia pela Agerp.

De acordo com o coordenador de Pesquisa Agropecuária da Agerp, Ronald Lazo, responsável pelo plantio e orientador do Dia de Campo, a Agerp vem dando continuidade a um trabalho diferenciado, levando inovação para o campo. “Instalamos um sistema de cinco culturas consorciadas, com a introdução de tecnologias que podem permitir incrementos no produção, como a adubação verde, por meio da cobertura e devolução dos nutrientes do solo, feitas  pela Crotalaria Juncea;  inoculação do feijão caupi, com a bactéria de rizóbio, promovendo a fixação biológica de nitrogênio (FBN), evitando o uso de fertilizantes nitrogenado e melhorando a qualidade do solo, que será utilizado por diversos ciclos.”, explicou o coordenador.

IMG_20160525_092237

Foto : Agricultores familiares participam de Dia de Campo sobre Sistemas Integrados de Produção de Base Ecológica

O Diretor de pesquisa da Agerp, Sayd Zaidan, enfatiza a importância da troca de saberes, com base na valorização da cultura do cotidiano no meio rural, já internalizada pelo agricultor familiar, aliada ao conhecimento científico, levado pelas entidades de assistência técnica e pesquisa.

“Vivemos um novo momento, somando ao conhecimento existente no campo, o conhecimento conseguido nas universidades, repassado aos agricultores familiares por meio do diálogo e técnicas simples, que tem a capacidade de aumentar o potencial produtivo esquecido por tantos anos no Maranhão. Vamos implantar um modelo de conhecimento que provoque a mudança efetiva na realidade destas famílias”, disse o diretor.

Alexandre Frazão, gestor da regional Pinheiro, que assiste os agricultores familiares do município de Santa Helena, diz que o modelo de cultura básica estudado no dia de campo, promove a elevação da produtividade e preserva o meio ambiente, quase sem custo ao produtor. O gestor disse ainda que no total foram implantadas cinco unidades de referência tecnológica (URT) na regional: Santa Helena (02), Serrano do Maranhão (01), Bacuri (01) e Pedro do Rosário (01), beneficiando mais de 15 famílias de agricultores familiares.

Agerp participa do lançamento de nova variedade de arroz em Arari

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural, Agerp-MA, participou, na sexta-feira 20, do dia de campo promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que lançou a mais nova variedade de arroz irrigado recomendada para o Maranhão, a BRS Catiana.

IMG_20160521_091539

Foto: Divulgação

 

Realizado nas instalações da Estação Experimental da Embrapa Cocais, em Arari, o evento contou com a participação de estudantes, técnicos, produtores e trabalhadores rurais de 15 municípios, que conheceram a nova cultivar de alta produtividade, que se caracteriza pela ampla adaptação e alta produtividade, em condições de irrigação por inundação, excelente qualidade industrial e culinária de grãos, além de tolerância ao acamamento e boa resistência às principais doenças do arroz e facilidade no cozimento

.De acordo com os pesquisadores da Embrapa, a ‘BRS CATIANA’ é considerada uma tecnologia adequada para agricultores familiares que cultivam nos sistemas irrigados e sequeiros favorecidos. Os palestrantes orientaram ao público presente quanto ao manejo e cuidados com a lavoura dessa nova cultivar, e sobre a importância relevância da pesquisa nas planícies inundáveis do estado e potencial produtivo do Estado.

O Dia de Campo contou com a presença do diretor de Ater da Agerp, Pedro Pascoal; o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, Sayd Zaidan, o coordenador de Ater, Arthur Soares; o superintendente de Organização Produtiva SAF, Josenildo Cardoso e o Coordenador de Arranjos Produtivos Locais Saf, José Rogério Sales.

Parceria

Após o lançamento, a equipe técnica Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), juntamente com a Equipe técnica da Agerp/Saf e representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), promoveu uma reunião para discutir a criação de um Termo de Cooperação Técnica entre as entidades para promover a formação de agricultores familiares produtores de sementes.

IMG_20160521_124052

Foto : Divulgação

Outro ponto discutido foi à construção de um projeto, em parceria com a Embrapa, para promover uma participação efetiva da Embrapa por meio de capacitação técnica e transferência de tecnologia, com foco nas atividades desenvolvidas nas cadeias produtivas do Maranhão.

Agerp e Banco do Brasil promovem capacitação para técnicos de Ater sobre crédito rural

foto 1

Divulgação

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), em parceria com o Banco do Brasil, promoveu nesta quinta-feira, 19, uma capacitação direcionada a 35 técnicos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), sobre o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Realizado na Superintendência do Banco do Brasil, o encontro teve o objetivode  discutir ações para aprimorar os procedimentos e conhecimentos técnicos utilizados na viabilização do acesso ao crédito para o agricultor familiar.

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) financia projetos individuais e coletivos, auxiliando agricultores e assentados da reforma agrária na geração de renda. Com as linhas de crédito oferecidas pelo Pronaf, os agricultores familiares poderão investir em construção, ampliação das instalações das propriedades rurais, e também, na modernização de serviços e produtos.

De acordo com o diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural da Agerp, Pedro Pascoal, a capacitação permitiu não apenas um conhecimento maior sobre as políticas de crédito fornecidas pelo agente financeiro, mas, também, o entendimento do papel do extensionista neste processo.

“Possibilitamos aos nossos técnicos a chance de conhecer um pouco mais sobre a relação entre o agricultor familiar e os agentes financeiros. A Ater atua de maneira fundamental como intermediadora, e os técnicos que promovem este serviço precisam elevar o conhecimento sobre as principais linhas de crédito do Pronaf”, frisou o diretor.

O gestor regional do escritório da Agerp em São Luís, responsável pela mobilização e idealizador da capacitação, Ananias Oliveira, explica que com o avanço das tecnologias e informatização de todos os processos de elaboração propostas do Pronaf, percebeu a importância do treinamento para os técnicos. “Nosso equipe vai unir os conhecimentos teóricos e práticos, dando mais agilidade ao processo, adaptados com o dinamismo das plataformas eletrônicas levando a rapidez e qualidade que o agricultor familiar merece”, disse.

Para o gerente Estadual de Agricultura Familiar do Banco do Brasil, Vinícius Silveira, o treinamento vai habilitar os técnicos sobre toda a parte operacional dos projetos rurais, em especial o Pronaf. “Simplificamos o acesso ao crédito e investimos em tecnologia, para que os técnicos saibam operacionalizar o acesso ao crédito do Pronaf em todas as modalidades e custeios, permitindo que mais famílias rurais sejam atendidas”, explicou.

Marco Aurélio, técnico da Agerp há 8 anos, explica que o evento contribuiu para a atualização dos conhecimentos. “Conhecemos um pouco mais sobre as principais linhas de crédito ofertadas pelo agente financeiro, ligadas ao Pronaf, como o Agroindústria investimento, o Pronaf B, Pronaf Mais Alimentos, Proagro e também o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). Muitos da equipe tiveram a oportunidade de se familiarizar com as principais ferramentas para elaboração de projetos, modelos de acompanhamento do crédito e renegociação de inadimplência.”, disse o técnico.

Participaram também da capacitação, técnicos da Secretaria de Agricultura Pecuária e Pesca (Sagrima), Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) e representantes das secretarias municipais de agricultura de São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar.

 

Fonte: Agerp  |   Texto: Janice Lima   |    20/05/2016

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF): desconto para oito produtos

Babaçu

Babaçu

Agricultores familiares que cultivam babaçu, borracha, cacau, cana-de-açúcar, castanha de caju, tomate, trigo e triticale contam, neste mês, com o bônus do Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF) para os financiamentos destas oito culturas.

A portaria do PGPAF foi publicada nesta terça-feira (10), no Diário Oficial da União (DOU). Os preços de mercado e o bônus de desconto referem-se ao mês de abril de 2016 e têm validade para o período de 10 de maio a 09 de junho do mesmo ano.

O babaçu (amêndoa) terá bônus em cinco estados: Pará, de 55,82%, Tocantins, de 54,22%, Ceará, de 43,78%, Maranhão, de 44,58%, e Piauí, de 34,94%. O babaçu é o produto com maior bônus. Em segundo lugar fica o tomate, com bônus de 24,42%, em Santa Catarina, onde o preço de mercado ficou em R$0,65 e o preço de garantia cotou em R$0,86.

O cacau (amêndoa), que teve preço médio de mercado de R$4,91 no Amazonas, ficou cotado em R$ 5,54 pelo PGPAF, um bônus de 11,37%.

PGPAF

O bônus é calculado mensalmente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgado pela Secretaria da Agricultura Familiar (SAF/MDA). A Conab faz um levantamento nas principais praças de comercialização dos produtos da agricultura familiar que integram o Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF). O desconto é concedido aos produtos que tiveram o valor de mercado abaixo do preço de garantia, definido com base no custo de produção.

O PGPAF é bom para o governo, pois contribui para a manutenção da capacidade de pagamento do produtor, e bom para o produtor, que pode planejar os investimentos e o custeio da safra com equivalência em produtos.

 

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

Presidente da Agerp participa de seminário que discute a juventude rural da Baixada Maranhense

Presidente da Agerp participa de solenidade de abertura do Seminário

Presidente da Agerp participa de solenidade de abertura do Seminário

Com o objetivo de ampliar e discutir políticas públicas para a juventude do campo, o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, representou o governador Flávio Dino na solenidade de abertura do I Seminário da Juventude Rural e Políticas Públicas, realizado na última quinta-feira, 12, em Viana.

Cerca de 400 jovens de trinta e um municípios das regiões de Campos e Lagos e Baixada Ocidental, marcaram presença na abertura do encontro, que tem como principal foco ser um espaço para construção de debates acerca de políticas públicas direcionadas aos jovens.

O evento, que acontece até próximo domingo (15) conta com exposição, debates e sistematização das experiências desenvolvidas pelos jovens rurais com foco nas temáticas sobre juventude rural e sucessão rural; reforma agrária, superação da pobreza no meio rural; direitos e dignidades; agroecologia; desenvolvimento rural sustentável e solidário.

Durante a solenidade, o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, destacou as ações do Governo do Estado voltadas para a juventude rural e o trabalho do órgão que leva ao campo novas tecnologias proporcionando assistência técnica intensiva e continuada, visando a diversificação, a integração, o aumento da produção e produtividade do setor.  Para ele, um dos maiores desafios é fazer com o que o campo seja atrativo para que o jovem permaneça e fortaleça a agricultura familiar.

Presidente da Agerp, Júlio Mendonça, e secretária da Juventude, Tatiana Pereira, participam de Seminário

Presidente da Agerp, Júlio Mendonça, e secretária da Juventude, Tatiana Pereira, participam de Seminário

“A agricultura familiar precisa do jovem e para manter estes jovens no campo, o Governo tem aberto espaços de discussão para que as políticas alcancem os jovens rurais. Uma das recentes iniciativas do Estado para o acesso do jovem às políticas, é a criação do programa CNH Rural, que vai dar oportunidade do jovem se qualificar e contribuir com o desenvolvimento da sua comunidade, ” disse o presidente Júlio César.

A Agerp está trabalhando em parceria com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) para realizar as inscrições do CNH Rural, que oferece 2.100 vagas para obtenção da habilitação na categoria A. Um dos requisitos para participar do programa é ter acima de 21 anos de idade, possuir o ensino fundamental completo e residir na zona rural.

As inscrições para o programa estão abertas desde o dia 02 de maio e se estendem até 17 de junho.

“São ações como essa que a Agerp leva para a agricultura. Ações de acesso ao conhecimento e de transformação, ” pontuou o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça.

Estiveram presentes na abertura do Seminário, a secretária de Estado da Juventude, Tatiana Pereira; representantes do Colegiado Territorial e representantes municipais.

O encontro é organizado pelo Fórum de Políticas Públicas da Juventude da Baixada (FPPJB) e pela Universidade Estadual do Maranhão (Uema), por meio do Laboratório de Extensão Rural (Labex) e do Centro de Ciência Agrárias (CCA), com o apoio do Governo do Estado, da Prefeitura de Viana e do Colegiado Campos e Lagos Maranhenses (Codeter).

Jovens da Biaxada marcam presença no Seminário

Jovens da Baixada marcam presença no Seminário

 

Municípios participantes no Seminário

Participam do Seminário jovens dos municípios de Arari, Cajari, Matinha, Olinda Nova do Maranhão, Palmeirândia, Pedro do Rosário, Penalva, São Bento, São João Batista, São Vicente Ferrer, Viana e Vitória do Mearim, Alcântara, Apicum-Açu, Bacuri, Bacurituba, Bequimão, Cajapió, Cedral, Central do Maranhão, Cururupu, Guimarães, Mirinzal, Peri Mirim, Pinheiro, Porto Rico do Maranhão, Presidente Sarney, Santa Helena, Serrano do Maranhão, Turiaçu e Turilândia.

 

 

Fonte: Agerp   Texto e Fotos: Samara Andrade   |   13/05/2016

Governo entrega novas barracas aos agricultores familiares de Codó para incrementar comercialização no município

Barracas codo

Agricultores comemoram nova estrutura da Feirinha

Realizada há dez anos na Praça da Bandeira, em Codó, a Feirinha do Agricultor Familiar conta, a partir de agora, com uma nova estrutura com barracas padronizadas e equipamentos para melhorar a comercialização. A Feirinha é realizada duas vezes por mês pelo Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar de Codó (Sintraf) com apoio do Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp).

No último sábado (7), a Regional da Agerp de Codó, entregou aos agricultores da Feirinha, 18 kits completos do ‘Mais Feiras’ composto por barracas, balanças, caixas de isopor e de aves, jalecos, camisas e bonés identificados com o programa.

A estruturação é uma ação estratégica do programa ‘Mais Feiras da Agricultura Familiar’, desenvolvido pelo Sistema da Agricultura Familiar (SAF, Agerp e Iterma), que visa aumentar a renda familiar resultante da comercialização nas 19 regionais da Agerp e nos 30 municípios do Plano ‘Mais IDH’.

Ao todo, são 35 agricultores familiares de quatorze povoados do município que comercializam na Feira. Com a nova estrutura, os agricultores têm um espaço adequado para vender os alimentos produzidos em suas áreas, como milho, abóbora, feijão, quiabo, maxixe, vinagreira, cheiro verde, mandioca, farinha, azeite de coco, sabão artesanal, galinha e outros.

De acordo com o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, todas as dezenove regionais da Agerp receberão kits do ‘Mais Feiras’ e a ação vai garantir aos agricultores condições salubres de venda, oferecendo maior qualidade de atendimento.

codo bararcas

Novas barracas para comercialização

“É um marco para a agricultura familiar de Codó e do Maranhão a reestruturação das feiras de comercialização que vai dar condições de venda, renda e oferecer ao consumidor melhor atendimento e assegurar produtos de qualidade”, ressaltou o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça.

A gestora da Agerp de Codó, Rosiane Lobo, contou que era um sonho dos feirantes adquirir essas barracas e que essa é uma conquista não apenas dos agricultores, é da Agerp também, tem realizado acompanhamento técnico a estas famílias. “A Agerp sempre está orientando essas famílias e tenho certeza que com essa conquista tudo vai melhorar e motivar os agricultores a produzirem mais e gerar renda”, disse a gestora Rosiane Lobo.

Segundo o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, o ‘Mais Feiras’ representa um momento ímpar no Maranhão, pois os agricultores recebem equipamentos e são capacitados para entrar no mercado consumidor. “Estamos oferecendo ao produtor a possibilidade de comercializar sem atravessadores para ganhar seu próprio dinheiro e melhorar sua vida”, disse o secretário.

Além da entrega dos kits, os feirantes de Codó foram capacitados em abril por meio de curso oferecido pela SAF em que foram instruídos sobre higiene, estratégias de comercialização e atendimento ao consumidor, assuntos básicos que garantem uma boa venda.

 

Fonte: Agerp   Texto: Samara Andrade     09/05/2016

Técnicos da Agerp são capacitados para realizar Cadastro Ambiental Rural na região da Baixada

Técnicos da Agerp, Mais IDH e movimentos sociais são certificados para efetuar CAR

Técnicos da Agerp, Mais IDH e movimentos sociais são certificados para efetuar CAR

Dando continuidade às capacitações sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR), vinte e seis técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), do Plano ‘Mais IDH’ e movimentos sociais, que atuam na Regional de Viana, estão aptos para efetuar o CAR na região após serem certificados por meio de curso que iniciou dia 03 e encerrou neste sábado (07), em Viana.

Durante o curso, promovido pelo Sistema de Agricultura Familiar (SAF, Agerp e Iterma) em parceria com o Instituto Federal do Maranhão de Viana (Ifma), os técnicos tiveram aulas teóricas e práticas, ministradas pelo geógrafo da Agerp, David Gonçalves.

A realização do curso do CAR coincidiu com a Medida Provisória assinada na última quinta-feira, 05, pela presidente da República, Dilma Rousseff, que prorrogou para maio de 2017, o prazo para inscrição no CAR dos imóveis com até quatro módulos fiscais.

De acordo com o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, a prorrogação vai dar mais uma oportunidade para aqueles que não conseguiram inscrever suas propriedades no CAR e a capacitação dos técnicos do órgão, do Mais IDH e dos Sindicatos Rurais vai contribuir para que todos os agricultores familiares sejam beneficiados.

Presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, entrega certificado do CAR

Presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, entrega certificado do CAR

“Temos mais um ano para alcançar o maior número de propriedades de até quatro módulos fiscais se inscreverem para não perderem os benefícios que vêm com esse registro. A região de Campos e Lagos, apesar de muito bela é muito carente, e a capacitação dos técnicos da região permitirá que os pequenos agricultores se cadastrem e, assim, se habilitem a ter acesso às linhas de créditos e outros programas da agricultura familiar,” ressaltou o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça.

O secretário da SAF, Adelmo Soares, destacou a importância de capacitar a equipe técnica para dar prosseguimento no registro dos imóveis no CAR com a prorrogação das inscrições.

“O CAR está agora sob coordenação do Sistema da Agricultura Familiar e a Agerp é nossa parceira nessa missão. Com o decreto da nossa presidente Dilma estendendo o prazo dará condições de nossos técnicos ajudarem os agricultores a inscrever no CAR, haja visto que a partir de 2017 a adesão ao CAR será requisito para acesso ao crédito rural. Então entendemos que essas capacitações são fundamentais para ampliarmos o número de imóveis no CAR e desenvolver a agricultura no estado,” disse o secretário Adelmo Soares.

O técnico agrícola da Agerp de Viana, Evaldo Soeiro, um dos participantes do curso, contou que os técnicos da Regional estão aptos para ir à campo e fazer o CAR. “Muitos técnicos têm a noção de como é feito o CAR, mas faltava alguns pontos que não sabíamos, por exemplo, o conhecimento de Leis e de como é feito a demarcação de terras, e, agora, que estamos capacitados, é nosso dever cadastrar e ajudar os agricultores,” falou o técnico Evaldo.

Técnico da Agerp, Evaldo Soeiro, é certificado para emitir CAR

Técnico da Agerp, Evaldo Soeiro, é certificado para emitir CAR

Pelo Plano ‘Mais IDH’, a técnica do município de Cajari, Vanessa Lago, explicou que o curso permitiu relembrar assuntos estudados na graduação e aprender novos que irão contribuir para atender melhor as famílias de agricultores. “Em Cajari, cadastramos 120 famílias no ‘Mais IDH’ e estamos capacitados para emitir CAR no município que não possui nenhum,” pontuou Vanessa.

O Maranhão, conforme o geógrafo David Gonçalves, possui 45% de áreas cadastradas no CAR e com a prorrogação do prazo a meta é atingir 100%. “As capacitações estão sendo realizadas nas regionais que compõem o Sistema SAF e os técnicos que prestam Assistência técnica e extensão rural (Ater) vão auxiliar no cadastro. É uma premissa do Novo Código Florestal que os órgãos estaduais que coordenam o CAR realizem o cadastramento direto aos proprietários de imóveis rurais de até quatro módulos,” finalizou David Gonçalves.

No curso, dividido entre aulas teóricas e práticas, os técnicos aprenderam sobre cartografia, cartografia digital e programas como Google Terra, além de noções do Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (Sicar) e da Lei do Novo Código Florestal, conheceram o manuseio do GPS e foram a campo realizar o CAR.

Cadastro Ambiental Rural (CAR)

O CAR é o registro eletrônico das informações dos imóveis rurais com o objetivo de realizar planejamento, monitoramento, combate ao desmatamento ilegal e regularização ambiental. A inscrição dos imóveis é obrigatória para todas as propriedades rurais, sejam elas públicas e privadas, assentamentos da reforma agrária e áreas de povos e comunidades tradicionais. Devidamente inscritos no CAR, o proprietário passa a ter vantagens, como o acesso ao Programa de Regularização Ambiental (PRA), Comercialização de Cotas de Reserva Ambiental (CRA) e acesso ao crédito rural.

Até o dia 05 de maio de 2017, por meio de Medida Provisória assinada pela presidente Dilma Rousseff, prorroga o prazo de inscrição dos imóveis de até quatro módulos no CAR. E, a partir de 28 de maio de 2017, as instituições financeiras não poderão conceder crédito agrícola para os agricultores que não possuírem o CAR.

 

Fonte: Agerp   |    Texto: Samara Andrade  |  07/05/2016

Governo promove curso sobre meliponicultura e apicultura para produtores no território cocais

Durante a realização da Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec), no Território Cocais, promovida em Codó, produtores, técnicos e estudantes tiveram acesso a cursos sobre criação racional de abelha, vitrine tecnológica, demonstrações práticas e comercialização de produtos derivados da Meliponicultura e Apicultura, consideradas alternativas para o desenvolvimento rural.

foto 2

Divulgação

 

O biólogo da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), José Malheiros, responsável pela coordenação do projeto no evento, explicou que tanto a criação racional das abelhas sem ferrão do tipo Tiúba (meliponafasciculata), nativas da região amazônica maranhense, cuja atividade é conhecida como meliponicultura; e a criação de abelhas do tipo africanizada (Apismelifera), espécie com ferrão, associada à apicultura, são atividades viáveis para o fortalecimento da agricultura familiar em decorrência, principalmente, dos baixos custos envolvidos na criação e do elevado valor de mercado.

José Malheiros disse, ainda, que um dos maiores entraves para o desenvolvimento da atividade no Território dos Cocais, que possui período diferenciado para a produção de mel, entre abril e maio, é a disseminação de conhecimento técnico, no intuito de incentivar o aumento da produção, por meio desta prática agrícola ecologicamente sustentável e de retorno garantido às famílias rurais.

“Tivemos uma procura expressiva de criadores nos três dias de evento. Diferente do que mostram as estatísticas, Codó e os municípios vizinhos têm criadores, só que ainda fazem tudo de uma forma rudimentar, individualizada e precisam de assistência técnica. A Atividade é promissora na região, que possui pasto apícola diversificado e o mais importante, já sabemos que o interesse existe, vamos agir para incrementar a produção e trocarmos experiências com produtores de todo Maranhão”, frisou o biólogo.

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, destaca a importância da participação do órgão, em prol do desenvolvimento da meliponicultura e apicultura no Estado. “Vamos apoiar esta cadeira produtiva e qualificar nossos produtores, tornando esta atividade em um excelente elemento para garantir rendimento de forma rápida e melhoria na qualidade de vida destas famílias”, disse.

foto 1

A programação contou ainda com vitrines tecnológicas, demonstração por meio de ninhos naturais, práticas com transferências de abelhas para modelos de caixas moduladas, extração do veneno de abelha africanizada, equipamentos de proteção, todo o processo de manuseio das colônias gerando também procura estudantes de aéreas correlatas, em busca de mais informações.

O estudante do 3° período de Ciências Agrárias, Geovane Aguiar, de 19 anos, disse que já teve iniciação a matéria na faculdade, mas que a prática desenvolvida e a didática utilizada no curso pela equipe técnica da Agerp, foram o diferencial. “Conseguiram reunir pessoas de todas as idades e formações. Do produtor ao estudante, todos entenderam e se apaixonaram um pouco mais com o que pode ser conseguido com essas atividades agrícolas”, destacou.

O criador de Sobrado II, povoado localizado a 43 km de Codó, Onofre Alves, 67 anos, foi um dos participantes do curso. “Moro no campo e quero condições para viver aqui. Já trabalho com horta, mas tem um tempo que percebi a minha vocação para trabalhar com abelhas. Tenho uma pequena produção, que por enquanto voltada só para subsistência, consumo da minha família, e quero tornar em mais uma forma de renda”, contou o agricultor familiar.

 

Maranhão terá investimentos federais para merenda e agricultura familiar

O governador Flávio Dino e a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Tereza Campello, assinaram, nesta terça-feira (3), em Brasília (DF), convênios que garantirão ao Maranhão investimentos federais na ordem de R$ 43 milhões. “A união do Governo Federal com o Governo do Estado reforçará as iniciativas do Programa ‘Mais IDH’, que une ações de caráter social, econômico e político nas 30 cidades mais pobre do estado”, destacou Flávio Dino.

Por meio do Programa Segunda Água, o MDS irá destinar R$ 40 milhões para construção de cisternas, que garantirão acesso à água para irrigação e consumo de rebanhos. De acordo com o governador, esta é uma medida importante de apoio e incremento das atividades produtivas das famílias de baixa renda.

O Governo Federal, por meio do MDS, também irá investir R$ 3,25 milhões na compra de alimentos produzidos por agricultores familiares para fornecer merenda para escolas dos 30 municípios de menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do estado.

No encontro, que também contou com a participação do secretário de Estado de Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, e do presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, o governador Flávio Dino destacou a sinergia de ações federais e estaduais no combate à pobreza. “Reforçamos hoje a perspectiva de compreensão do desenvolvimento social a partir do crescimento da produção rural de famílias de baixa renda. Acreditamos que a partir do incremento da renda, elas poderão alcançar patamares mais altos de cidadania”, salientou Dino.

f92d8cb3-bf87-4cca-b85f-8c11108f040a

Divulgação

 

Novo Plano Safra da Agricultura Familiar

O governador Flávio Dino também participou da cerimônia de lançamento do novo Plano Safra da Agricultura Familiar. Na ocasião, a presidenta Dilma Rousseff anunciou que os produtores da agricultura familiar contarão com crédito recorde de R$ 30 bilhões na safra 2016/2017.

O crédito será disponibilizado por linhas de financiamento para cultivo, produção e investimento com taxa de juros abaixo da inflação, variando de 0,5% a 5,5% ao ano.

Acordo com o MEC/FNDE

Ainda no início da semana, o Governo do Maranhão e o Ministério da Educação (MEC), por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), assinaram Termo de Compromisso para aquisição de 64 ônibus escolares para a zona rural maranhense. O acordo foi firmado entre o governador Flávio Dino, o presidente do FNDE, Gastão Vieira, e o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão.

Com investimentos de R$ 11,7 milhões, os 64 ônibus escolares atenderão a zona rural maranhense, e serão distribuídos com base em critérios técnicos pelo Governo do Estado. A parceria com o Governo Federal faz parte do Plano de Ações Articuladas (PAR) para a educação, que contemplará, ainda, reforma e construção de escolas e quadras poliesportivas, além de apoio ao Programa Brasil Alfabetizado no Maranhão.

Texto:Daniel Merli

Artesanato típico de Brejo é divulgado durante Agritec dos Cocais

Com a realização da Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec) no Território dos Cocais, que foi realizada em Codó, artesãos e agricultores da cidade de Brejo levaram para os estandes de comercialização um toque de criatividade, com o artesanato feito em madeira. A iniciativa foi coordenada pela Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp). O gestor do Escritório Regional de Chapadinha, Givanildo Ramos, participou do trabalho de mobilização e atendimento aos agricultores familiares.

A atividade de produção e comercialização das peças artesanais correspondem à principal fonte de renda de cerca de 60 famílias que vivem no povoado de São João dos Pilões, no município de Brejo. Exemplo da importância da atividade para os moradores é o relato de Antônio Pinto, 73 anos, que começou a esculpir peças como pilões, peças de cozinha e de decoração em geral aos 18 anos.

Foto 2_Divulgação_Agerp_02052016 - Feira expõe produtos de artesãos e agricultores do município de brejo

Participação na Agritec serviu para ampliar a divulgação do artesanato típico da comunidade de Brejo

“Toda a minha família sabe fazer algum tipo de peça. Até hoje crio objetos todos os dias e ainda tenho tempo de cuidar das minhas plantações, foi assim que cuidei dos filhos, netos e tento não deixar que nosso artesanato acabe, respeitando acima de tudo a natureza, sem ela seria impossível”, explicou Antônio Pinto sobre a passagem da técnica do artesanato de geração a geração.

Caio Gonçalves, 20 anos, afirma que mesmo cursando o 4º período do Curso de Pedagogia, não pretende abandonar o artesanato. “Muitos jovens já não se interessam como antes pelo traço cultural da nossa região. Acredito que estamos passando por um processo de revitalização, talvez com isso, esse quadro seja revertido. Já participamos de algumas feiras pelo Brasil, levando o nome do Maranhão com muito orgulho”, frisou. O jovem conta que as peças são retiradas em maior número da madeira do pequizeiro, assim como da imburana, barbatimão e fava d’anta, sem agressões ao meio ambiente e de forma sustentável.

 

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, explicou que uma das funções do órgão é agir como incentivador das ações e que no mês de dezembro os artesãos e agricultores de Brejo e dos outros municípios da Região do Baixo Parnaíba, atendidos pela Regional da Agerp Chapadinha, serão os anfitriões da edição da Agritec que encerrará a agenda programada para este ano.

“É nossa função promover a geração de renda, dar apoio às famílias a partir de capacitações e orientações técnicas, garantindo também a participação em grandes eventos possibilitando visibilidade ao trabalho desenvolvido por eles, que já é uma marca registrada da região. Já estamos organizando a edição de Chapadinha, onde tantos outros estarão presentes neste belo evento”, afirmou o presidente da Agerp.

O gestor regional da Agerp Chapadinha, Givanildo Ramos, aponta para a importância de eventos como a Agritec para garantir continuidade e fortalecimento das famílias rurais. “Precisamos trabalhar a educação no campo, inserir o jovem no meio rural e investir em tecnologias. O envelhecimento do campo aconteceu por muito tempo em decorrência da falta de apoio, mas, com o atual Governo já percebemos uma mudança de cenário”, comentou.

Os espaços de comercialização de produtos garantiram aos agricultores familiares R$ 60 mil durante os três dias de evento. A Agritec é uma realização do Governo do Maranhão, por meio do Sistema SAF (composto pela Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), em parceria com a Embrapa/Cocais, Sebrae, Prefeitura Municipal de Codó e Movimentos Sociais (Aconeruq, Fetaema, Fetraf-MA, MIQCB e MST).

Leia também no : Portal do Governo