Facebook Twitter Instagram

Gestores do Maranhão e Piauí dialogam sobre assistência técnica para agricultura familiar

Os encontros integram a programação de alinhamento com os gestores. (Foto: Divulgaçao/SAF)

Os encontros integram a programação de alinhamento com os gestores.

Durante reunião de nivelamento das ações de assistência técnica realizado pelo Sistema SAF (AGERP, ITERMA, SAF), nesta última semana, com os 19 Gestores Regionais da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural- AGERP, o secretário de Desenvolvimento Rural do estado do Piauí Francisco Limma, dialogou e dividiu experiência sobre assistência técnica e extensão rural do estado vizinho.

Os encontros integram a programação de alinhamento com os gestores, que tem por objetivo manter o contínuo diálogo com a equipe, realizar um balanço das ações de 2016 e discutir os pontos positivos e negativos do trabalho desenvolvido pelos profissionais nas regionais em todos os 217 municípios do Estado, promovendo a sistematização das atividades que serão realizadas pela Agerp em 2017.

Para o secretário do Piauí, Francisco Limma, a troca de experiências e a integração é importante porque o Estado do Maranhão e do Piauí tem realidades muito parecidas e para vencer os desafios o diálogo e a troca de experiências é fundamental. Para o secretário Limma o foco da assistência técnica é o ser humano. “Eu acredito que nosso papel é motivar as pessoas, para que elas possam acreditar nelas mesmo, sabendo que são capazes de se desenvolverem. Essa é a essência da assistência técnica, da extensão, do desenvolvimento rural como um todo”, concluiu.

Segundo o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, o Órgão é responsável pela disseminação da assistência técnica, extensão rural e da pesquisa para os agricultores familiares em todo o Maranhão, promovidas por meio dos 19 escritórios regionais, localizados nos municípios de Açailândia, Bacabal, Balsas, Barra do Corda, Caxias, Chapadinha, Codó, Imperatriz, Itapecuru-Mirim, Pedreiras, Pinheiro, Presidente Dutra, Rosário, Santa Inês, São João dos Patos, São Luís, Timon, Viana e Zé Doca.

Durante o encontro o secretário Adelmo Soares apresentou o Plano Mais IDH e as ações do Sistema SAF nos 30 municípios que envolve, assistência técnica, fomento, comercialização, educação no campo e regularização fundiária. Segundo o secretário, o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – ITERMA, órgão vinculado a SAF, vem trabalhando fortemente para proporcionar a regularização das terras dessas famílias garantindo seguridade jurídica e garantia de produção de alimentos por meio do cultivo da terra.

Foto divulgação

“A emissão de CAR é uma prioridade na nossa gestão porque, por exemplo, para que uma associação ou cooperativa quilombola ou de pequenos agricultores possa ter a Licença Ambiental Rural (LAR), que normatiza e normaliza as atividades rurais em sua área de produção, é preciso estar cadastrado e inscrito no CAR. Sem CAR e sem LAR, muitas das estratégias de sobrevivência de comunidades e pequenos produtores, inclusive via políticas públicas, ficam inviabilizadas”, informou o secretário da SAF, Adelmo Soares.Durante o encontro, os gestores de nove Regionais (Açailândia, Balsas, Caxias, Bacabal, Pedreiras, São Luís, Imperatriz, Pinheiro e Timon) receberam GPS para emissão doCadastro Ambiental Rural -CAR. Estes equipamentos também auxiliarão nas atividades em 05 municípios do Mais IDH – Afonso Cunha, São Roberto, Lagoa Grande, Pedro do Rosário e Aldeias Altas.

Criado pela Lei 12.651/12, o Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um registro eletrônico, obrigatório para todos os imóveis rurais, formando base de dados estratégica para o controle, monitoramento e combate ao desmatamento das florestas e demais formas de vegetação nativa do Brasil, bem como para planejamento ambiental e econômico dos imóveis rurais.

Para beneficiar os agricultores familiares e comunidades tradicionais com acesso ao crédito, o Governo do Estado, por meio do Sistema de Agricultura Familiar (SAF, Agerp,Iterma), tem realizado uma força tarefa para capacitar técnicos para efetuar o CAR nestes segmento social.

Agricultores do Plano Mais IDH são beneficiados com o Programa Cisternas para captação de água

Presidente da Agerp Visita povoado Santana Velha, beneficiado com o programa Cisternas

Presidente da Agerp visita povoado Santana Velha, beneficiado com o programa Cisternas

O período chuvoso no Maranhão já iniciou e tem dado alegria para os agricultores familiares, principalmente para os que moram nos municípios de Buriticupu, Arame e Santana, que estão conseguindo captar a água da chuva para a produção.

A captação só está sendo possível devido às cisternas construídas em suas residências por meio do Programa “Cisternas – SegundaÁgua”, desenvolvido no Maranhão pelo Sistema da Agricultura Familiar a partir do convênio firmado com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário  (MDSA), Programa que tem como foco armazenar água para o período de estiagem e dar condições de produção mesmo na escassez hídrica.

Até agosto de 2018 a previsão é de construir 4.067 cisternas em 16 municípios, sendo oito do Plano Mais IDH, beneficiando uma média de 9 mil famílias de trabalhadores rurais. Os municípios de Buriticupu, Arame e Santana são os primeiros beneficiados com o projeto e já estão com água armazenada.

No povoado Santana Velha, em Santana, que está no Mais IDH, já possui sete cisternas construídas do total de 150 previstas para o município. A agricultora familiar Claudiane Cardoso, uma das beneficiárias, conta que a dificuldade era grande no período do verão, pois não tinha água suficiente para sua produção.

“Agora vai ser uma maravilha, vou ter água para minha horta e vou ter as aves também,” disse a agricultora.

Além da construção de cisternas que têm capacidade de armazenamento de 25 mil litros, serão construídos arranjos produtivos, como galinheiros ou pocilgas, à escolha do produtor, que vai auxiliar ainda mais na renda familiar.  O galpão de 40 m² é construído com madeira de reflorestamento – geralmente eucalipto certificada, e telhas sem amianto.

Cisternas e arranjo produtivo na propriedade da agricultora Claudiane

Cisternas e arranjo produtivo na propriedade da agricultora Claudiane

O presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, acompanhou uma visita no município e ressaltou que a região de Santana apresenta um balanço hídrico negativo e os que mais sofrem são os mais pobres por não possuírem um sistema de captação e armazenamento de água, e a construção de cisternas é uma saída para garantia de sobrevivência.

“O Programa Cisternas vem preencher essa lacuna fornecendo água para o consumo básico e um arranjo produtivo que vai dar segurança alimentar e renda às famílias”, destacou o presidente Júlio César.

De acordo com o coordenador Estadual do Programa CisternasSegunda Água, Rivadávia Junior, “por meio do Programa, o Governo do Estado está  direcionando políticas para os produtores a ter, prioritariamente, água para o período de escassez para utilizar na produção e garantir a segurança alimentar e nutricional destas famílias.”

Para o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, o Programa Cisternas Segunda Água vai ajudar as famílias a continuarem produzindo mesmo durante o período de estiagem.

“De vários estados do Brasil, o Maranhão não tinha uma captação de água para a produção. E a partir de então nós começamos a adotar esse modelo que chama telhadão. E assim, vamos dar condições aos nossos agricultores de não sofrer com a estiagem,” relatou.

Fonte: Agerp Texto: Samara Andrade  Data: 14/02/2017

Governo do Maranhão articula retomada da assistência técnica aos produtores do Tabuleiros de São Bernardo

DSC_0065

Presidente da Agerp visita o Tabuleiros de São Bernardo

Representando o Sistema da Agricultura Familiar, o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, e a equipe da Regional da Agerp Chapadinha, reuniram-se, na quinta-feira (9), com a Associação dos Irrigantes do Perímetro Irrigado ‘Tabuleiros de São Bernardo’, no município de Magalhães de Almeida, para dar continuidade às atividades de revitalização do projeto.

O objetivo da visita foi dialogar com a Associação e com os parceiros, como a Prefeitura de Magalhães de Almeida, para reestruturar os serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) no Tabuleiros, assim como discutir a implantação de um comitê, formado pelo Estado, Município, Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) e a Associação dos Irrigantes para que, de forma organizada, agilize o pleno funcionamento do perímetro.

Criado há 30 anos, com o objetivo de gerar produção de fruticultura irrigada, tirar famílias da pobreza e combater a seca, o projeto ‘Tabuleiros de São Bernardo’, executado pelo Dnocs, será retomado após assinatura de um Acordo de Cooperação Técnica entre o Governo do Estado e o Dnocs. O acordo prevê a gestão compartilhada da área onde serão realizadas ações de modernização, com aquisição de equipamentos, recuperação de canais e assistência técnica aos produtores.

São 359 famílias de assentados, sendo 78 associadas que utilizam pouco mais de 327 hectares – da área total de 11 mil hectares – para a produção de banana, melancia, coco, limão, tangerina, laranja, mamão, goiaba e caju. O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, afirmou que o Tabuleiros possui uma grande infraestrutura e água em abundância, já que o perímetro irrigado se utiliza da fonte hídrica do Rio Parnaíba. Ele destacou que serão levadas ações de reestruturação e a Agerp vai colaborar na gestão levando assistência técnica e conhecimento às famílias dos agricultores familiares.

DSC_0062

Reuniao com irrigantes do Tabuleiros

“O Tabuleiros é um dos perímetros do Nordeste que tem uma capacidade hídrica muito grande e, com a revitalização, vamos fazer com que o Maranhão desponte como um polo de produção de fruticultura”, destacou o presidente Agerp. Sobre a prestação de assistência técnica aos irrigantes, ele informou que serão disponibilizadas uma equipe com três técnicos agropecuários, um veículo e está sendo articulado junto à Associação e a criação de um escritório técnico dentro do Tabuleiro, o que vai garantir maior eficiência nas atividades que serão desenvolvidas no projeto.

Otimista, o presidente da Associação de Irrigantes do distrito, Carlos André Lima, espera que com a parceria com o Governo do Estado, o Tabuleiros de São Bernardo alcance um estágio maior de produção. “A gente está com boas expectativas com a retomada do projeto, e o que conversamos aqui com o presidente Júlio sobre o ACT e a assistência técnica a gente espera que traga bons resultados”, disse.

O secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, ressaltou a retomada do funcionamento do Tabuleiros e ampliação das áreas dos agricultores para gerar uma maior produção. “A prerrogativa que o governador Flávio Dino sempre coloca é que nós devemos trabalhar fortemente para transformar o Maranhão em um estado autossuficiente na produção de alimentos. E é por esta razão que o ‘Tabuleiros’ será retomado e revitalizado para incrementar a produção destas famílias”, informou.

 

Fonte: Agerp Texto: Samara Andrade Data: 14/02/2017

Técnicos da Agerp são orientados sobre manuseio de forrageiras

Técnicos agropecuários durante orientação sobre manuseio de forrageira 2

Técnicos agropecuários durante orientação sobre manuseio de forrageira.

Cerca de 30 técnicos agropecuários da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), das regionais de Chapadinha e Itapecuru-Mirim, participaram, na sexta-feira (10), no município de Chapadinha, de uma orientação sobre manuseio de forrageiras destinadas aos agricultores familiares selecionados para o fortalecimento da cadeia produtiva de ovinocaprinocultura.

Serão beneficiadas 260 famílias de 13 municípios das regiões do Baixo Parnaíba e do Vale do Itapecuru: Araioses, Brejo, Buriti, Chapadinha, Magalhães de Almeida, Santa Quitéria do Maranhão, São Benedito do Rio Preto, São Bernardo, Tutóia, Vargem Grande, Urbano Santos, Paulino Neves e Presidente Vargas.

Cada beneficiário receberá fomento no valor de R$ 2.700 e terá em sua área a implantação de capineira, com a intenção de promover a segurança alimentar dos animais. Além disso, os agricultores vão receber um triturador forrageiro para o processamento de alimentos.

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, enfatizou a importância da capacitação promovida para o corpo técnico da instituição. De acordo com Mendonça, a Agerp estruturou um plano de capacitação voltado para as cadeias produtivas. “Inicialmente estamos capacitando os técnicos para manuseio de forrageiras, o que vai auxiliar na alimentação dos animais, e isso marca o início do programa e que vai culminar, também, na capacitação dos produtores. É muito importante essa capacitação que faz com o que os técnicos sejam agentes de transferência de tecnologias para que os equipamentos sejam utilizados da melhor forma possível pelos criadores”, ressaltou.

A cadeia produtiva de ovinocaprinocultura tem o objetivo de dar autonomia aos agricultores familiares de pequenas unidades de produção, de forma integrada, competitiva e sustentável, mediante o estímulo à difusão e adoção de práticas de manejo dos animais.

Técnicos agropecuários durante orientação sobre manuseio de forrageira

Técnicos agropecuários durante orientação sobre manuseio de forrageira 2

A gerente da Cadeia de Ovinocaprino, Juliana Carvalho, enfatizou a importância dessa orientação aos técnicos que prestarão assistência técnica direta aos criadores de ovino e caprino. “Os técnicos serão os multiplicadores e vão orientar de forma correta o manuseio dessas máquinas ao produtor, de forma que o agricultor consiga processar os alimentos aos animais corretamente”, disse.

Um dos técnicos que participou da orientação, Joel do Livramento, da Regional da Agerp de Chapadinha, contou que a capacitação é fundamental para que o técnico tenha todo o conhecimento para orientar os beneficiários. “Há uma demanda muito grande na criação de ovinocaprino e com o incentivo do Governo do Estado, por meio da Cadeia Produtiva, vai alavancar a produção do Baixo Parnaíba”, explicou Joel do Livramento.

A cadeia produtiva de ovinocaprinocultura é coordenada pelo Sistema da Agricultura Familiar, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF). O secretário da SAF, Adelmo Soares, destacou que o governador Flávio Dino é sensível ao desenvolvimento do Maranhão a partir da produção e que o fortalecimento das cadeias produtivas tornará o estado mais produtivo.

“O Maranhão tem potencial em diversas cadeias, e estamos trabalhando para dar condições aos pequenos criadores de produzir e fortalecer ainda mais a agricultura familiar”, pontuou o secretário Adelmo Soares.

Fonte: AGERP Texto: Samara Andrade  Data: 13/02/2017

Governo do Estado realiza entrega de equipamentos agrícolas para agricultores familiares em Turiaçu

O Governo do Estado, por meio do Sistema Saf (composto pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar – SAF; Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural – Agerp e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – Iterma), na última segunda-feira, 06, como parte das ações do Programa “Mais Produção”, realizou a entrega de equipamentos agrícolas para pequenos produtores rurais do povoado Banto, em Turiaçu, com o objetivo de fortalecer a cadeia produtiva do abacaxi e garantir o desenvolvimento das propriedades rurais.

2017-02-06-15-18-29-162

Entrega de equipamentos para agricultores familiares de Turiaçu

Foram entregues 50 roçadeiras, 01 triturador de capoeira e 01 grade aradora, que vão colaborar com a produção local, estimulando o uso de práticas sustentáveis para o manejo do solo, evitando queimadas, auxiliando no plantio e melhorando o processo de limpeza de superfície e aumento a qualidade do solo.

A cerimônia de assinatura de cessão de uso e doação dos equipamentos foi conduzida pelo secretário de Estado da Agricultura Familiar e do presidente da Agerp, Júlio Cesar Mendonça, junto aos representantes de sindicatos de trabalhadores e trabalhadoras rurais e associações de produtores locais e de municípios vizinhos. Na ocasião, Adelmo Soares destacou a importância de mais essa ação do governo do Estado em prol dos agricultores familiares de Turiaçu.

“Estamos aqui mais uma vez mais confirmar o compromisso do governador Flavio Dino com homem do campo. Assim como todos nós do Sistema Saf, que trabalhamos em beneficio das pessoas que por muitos anos permaneceram esquecidas. Viemos fazer a diferença na vida de mais 50 agricultores, contemplados com essas maquinas para possam ampliar a sua produção e fortalecer cada vez mais imagem de Turiaçu”, disse o secretário.

De acordo com o presidente da Agerp, Julio Cesar Mendonça, o desenvolvimento  continuo das cadeias produtivas é um dos caminhos para proporcionar emprego, renda e melhor qualidade de vida para as famílias rurais. “Temos que levar incentivo financeiro, equipamentos e técnicas de manejo e comercialização, pensando sempre em fortalecer a produção de um fruto reconhecido nacionalmente, como o abacaxi de Turiaçu. O governador Flavio Dino nos anima e dá condições a cada dia, para que possamos transformar a realidade dos nossos agricultores e agricultoras”, frisou o presidente.

Cadeia Produtiva do Abacaxi

Em 2016, o Governo do Estado, por intermédio do Programa Mais Produção, desenvolvido pelo Sistema da Agricultura Familiar, investiu R$ 1 milhão para garantir apoio à cadeia produtiva do abacaxi em Turiaçu, destinado para 200 agricultores do povoado Nova Coreia, localizado também no município. As famílias garantiram a aquisição de trator, caminhão refrigerado, fomento para 50 famílias, realização de capacitações sobre a cadeia produtiva do abacaxi e contratação de assistência técnica.

 

 

Agricultores familiares de municípios do ‘Mais IDH’ realizam Dia de Campo

unnamed

Foto: Divulgação

Um dia de compartilhamento de conhecimento. Assim foi nesta quinta-feira, 2, no município de Centro Novo do Maranhão, uma das cidades mais pobres do estado e que está no Plano Mais IDH.

Cerca de 60 pessoas do povoado Limão participaram de um Dia de Campo, que teve como objetivo socializar as tecnologias adotadas no Plano que já vem mudando a realidade das famílias beneficiadas.
A ação aconteceu na propriedade da agricultora familiar Maria Muniz, que disse que achou uma honra esse Dia de Campo ser na sua área e que, graças ao Mais IDH, está produzindo alimentos.
“O Mais IDH permitiu eu produzir peixe, criar galinha, horta e tem melhorado minha vida. Antes não tinha isso tudo de produção, e hoje tenho,” contou a agricultora.
Para a agricultora Helena Silva, que esteve no Dia de Campo, o Mais IDH está dando condições de sustento às famílias que mais precisam e que este projeto valoriza o pequeno produtor.
“A gente hoje come e vende o que produz e queremos progredir mais. O Governo tá fazendo a gente se sentir importante”, relatou a agricultora Helena.
Outra beneficiária que participou foi a agricultora Maria Antônia. Otimista, a produtora relatou que a galinha de corte é o que mais tem dado saída, tanto para venda quanto para a alimentação da família.
“Quero começar agora a tirar o peixe e sempre levo para vender as verduras no Centro Novo.”
Nesta sexta-feira, 3, vai acontecer outro Dia de Campo, dessa vez, no município de Amapá do Maranhão. A iniciativa de promover este encontro é compartilhar o conhecimento e as experiências que cada beneficiário adquiriu com a implantação dos Sistemas Integrados de Tecnologias Sociais – Sistecs, e Sisteminhas, que permite a produção integrada de alimentos e criação de animais.
unnamed (1)

Foto: Divulgação

O presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural – Agerp, Júlio César Mendonça, enfatizou a importância desse Dia de Campo, que envolveu a comunidade e equipe técnica do Mais IDH e da Agerp.

“O ano de 2017 começou muito bem com mais uma ação que mostra a importância da agricultura familiar para a gestão Flávio Dino. Podemos ver claramente que as famílias hoje estão saindo da insegurança alimentar e estão tendo condições para comercializar sua produção. Estamos no caminho certo para a garantir a soberania alimentar e social das famílias rurais,” destacou o presidente Júlio César.
O Plano Mais IDH tem o objetivo de superar a pobreza extrema nos 30 municípios que apresentam os piores indicadores sociais. A realidade de muitas famílias vem mudando e é resultado de um esforço conjunto de todas as áreas do Governo.
“O objetivo do Governo Flávio Dino é tirar todos os 30 municípios incluídos no Plano Mais IDH da pobreza. Temos a certeza de que estamos no caminho certo para mudar o cenário de pobreza que o Maranhão tem carregado durante anos”, disse o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares.
Fonte: Agerp  Texto: Samara Andrade

Governo firma parceria para implantação de hortas em projeto de proteção à população em situação de rua

pop

Foto Divulgação

Para uns, eles são considerados invisíveis, enquanto para outros são visíveis apesar de vistos com olhares de desconfiança. São inúmeras causas que levam indivíduos a ter as ruas como moradia, por exemplo, o desemprego, violência doméstica, uso de drogas, alcoolismo e até a falta de afeto no lar. Com o objetivo de contribuir e desenvolver políticas públicas para essa parte da população, o Governo do Estado firmou, esta semana, parceria com o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), vinculado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social de Timon (Semdes).

A parceria será realizada por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), que compõe o Sistema da Agricultura Familiar do Governo do Maranhão. O Escritório Regional da Agerp de Timon vai dar apoio ao Centro Pop para implantação de hortas urbanas sustentáveis, como uma forma de incentivo ao trabalho de inclusão socioprodutiva com o cultivo de hortaliças.

De acordo com o gestor da Agerp de Timon, Aécio Borges, o Centro Pop tem buscado várias parcerias de instituições que possam ajudar que estes moradores sejam incluídos socialmente, e a produção de hortas sustentáveis é uma das maneiras de inclusão social e de trabalho. “Com a implantação das hortas sustentáveis vamos diminuir a ociosidade deles e, também, incluí-los na participação e convívio social. De início, estaremos capacitando estes cidadãos para iniciarem a produção e, futuramente, inseri-los na comercialização”, destacou o gestor da Agerp, Aécio Borges.

A Regional vai realizar, na próxima segunda-feira (6), uma capacitação sobre horticultura, como ponta pé inicial da implantação do projeto. Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, essa parceria tem a finalidade de assegurar direitos básicos ao cidadão e vai resgatar os vínculos interpessoais e familiares, autoestima e as habilidades que eles possuem.

“A Agerp se dispõe a contribuir para que estas pessoas tenham dignidade a partir de uma série de benefícios que estão sendo disponibilizados, como moradia, alimentação, saúde e agora a produção de alimentos”, pontuou o presidente da Agerp.

Reafirmando o compromisso do Governo do Estado com o bem estar social de todos os maranhenses, o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, disse que “essa ação mostra que o Estado está disposto a ajudar os que mais precisam, tornar visíveis os invisíveis, fazendo com que tenham acesso aos direitos básicos enquanto cidadãos”.

Fonte: Agerp  Texto: Samara Andrade

Governo do Estado beneficia 5 mil famílias com Campo de Multiplicação de sementes biofortificadas

unnamed

Foto: Divulgação

Ricos em nutrientes como ferro, zinco e vitamina A, os alimentos biofortificados estão cada vez mais conhecidos e presentes na mesa do agricultor familiar. Projetos de expansão desses alimentos como o “Ações de Transferência de Tecnologias Utilizando Alimentos Biofortificados” que acontece nos municípios de Codó e Alto Alegre ajudam na transmissão da importância do consumo desses alimentos.

O projeto que visa promover a segurança alimentar e nutricional, é uma área experimental de aproximadamente 2 hectares onde será plantado as culturas de milho, feijão, batata doce e macaxeira. O chamado “Campo de Multiplicação” terá o objetivo de, como o próprio nome sugere, multiplicar sementes biofortificadas para serem distribuídas aos agricultores familiares.

As áreas localizadas no povoado São Francisco no município de Alto Alegre e no campus do IFMA em Codó estão em fase de preparação do solo e já passaram pelas etapas de gradagem e calagem para receber o plantio. O projeto experimental vai atender prioritariamente 5 mil famílias em condições de vulnerabilidade alimentar e nutricional.

O Campo de Multiplicação é uma parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa que contribuiu com o fornecimento das sementes e produtos para a preparação do solo, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – IFMA que cedeu a área para o plantio e a Agerp com prestação de assistência técnica.

“O sistema SAF está trabalhando para transformar a difusão dos alimentos biofortificados em política pública, pelo fato dos nutrientes encontrados nessa alimentação serem fundamentais no fortalecimento nutricional infantil, permitindo, junto com outras práticas saudáveis, manter um equilíbrio na alimentação a ponto de se perpetuar até a fase adulta”, explicou o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares.

unnamed (2)

Foto: Divulgação

A expansão desses alimentos pelo Maranhão segue forte. O Sistema SAF, por meio de uma das suas vinculadas, a Agência de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) está realizando o cadastro de 60 agricultores familiares abrangendo os municípios de Codó, Alto Alegre, Timbiras e São Mateus que também receberão as sementes do campo experimental.

De acordo com a gestora da Agerp de Codó, Roseane Lobo, os produtos biofortificados tem tido boa aceitação tanto nas escolas, por meio da merenda escolar, quanto para o consumidor de forma geral. “A equipe da Agerp, através dos nossos técnicos está sempre fazendo um trabalho de conscientização da importância do produto para alimentação devido às suas inúmeras qualidades nutricionais”, explicou. Ainda segundo a gestora, alguns produtos biofortificados são vendidos para programas sociais do governo, como Programa Nacional de Alimentação na Escola (PNAE), feiras da agricultura familiar e feiras locais nos municípios.

Um exemplo de venda e aceitação de alimento biofortificado é a agricultora Antônia Lúcia Carvalho, moradora do município de Alto Alegre. Ela conheceu a batata biofortificada em um dia de campo no município de Codó, passou a produzir e hoje fornece para o PNAE. Dona Lúcia contou que teve que adaptar o produto para que conseguisse vender, foi quando surgiu a idéia de criar o caldo de batata biofortificada. A partir disso, ela fez um curso de capacitação para ensinar merendeiras das escolas municipais e incluir o produto na merenda escolar.

Outro trabalho desenvolvido pelos técnicos da Agerp, é o plantio de hortas e mudas de alimentos biofortificados em escolas municipais e em centros de recuperação de dependentes químicos no município de Alto Alegre.

FONTE: SAF