Facebook Twitter Instagram

Governo realiza Dia D do PAA com comercialização simultânea em 15 municípios do Maranhão

dia dGarantir a comercialização dos produtos da agricultura familiar é um dos principais compromissos assumidos pelo Governo do Estado para geração de renda dos pequenos produtores rurais do Maranhão. Além de dar apoio aos agricultores com assistência técnica, o Estado vem ampliando os espaços de comercialização.

E com o objetivo de fortalecer a comercialização, o Estado, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, realizou nesta segunda-feira, (29), em quinze municípios, o “Dia D do Programa de Aquisição de Alimentos”, um dos principais canais de aquisição direta de alimentos produzidos pelos trabalhadores rurais com dispensa de licitação.

Ao todo, o Estado está destinando recursos no valor de R$ 3,2 milhões contemplando 44 municípios maranhenses e beneficiando mais de 900 agricultores em todo o Maranhão.

A ação do “Dia D” mobilizou diversos agricultores, como Rosa Alves, beneficiária do Plano Mais IDH, do povoado Lagoa do Encontro, no município de Lagoa Grande, que comercializou  alguns alimentos produzidos em sua área, como abóbora, mamão, pimentinha e bolo.

Outro agricultor que garantiu seu espaço de comercialização, também, foi o Charles Rodrigues que, ressaltou que o PAA é um importante meio para melhorar a renda familiar. “Se a gente não produzir, a cidade não tem como se alimentar. E através do PAA vamos produzir mais e vai ajudar a aumentar a renda da família. E estamos de parabéns porque produzimos um alimento adequado para colocar nas escolas e para a população,” relatou o agricultor Charles.

Parte dos alimentos é adquirida pelo Governo diretamente dos agricultores familiares e demais povos e comunidades tradicionais para a formação de estoques estratégicos e distribuição à população em maior vulnerabilidade social.

Os produtos destinados à doação são oferecidos para entidades da rede socioassistencial, nos restaurantes populares, bancos de alimentos e cozinhas comunitárias e ainda para cestas de alimentos distribuídas pelo Governo Federal.

Um exemplo é dona Margarida Lopes, de 79 anos, do município de Lagoa Grande. Ela recebeu uma cesta recheada de alimentos da agricultura familiar. Além dela, mais 15 famílias receberam alimentos por meio do CRAS.

“Obrigada por enxergar a gente”, falou a dona Margarida Lopes agradecendo a ação.

No “Dia D” no município de Peritoró, o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, participou e afirmou que esta ação colabora na transformação do Maranhão.

dia p“É uma grande felicidade ver a agricultura familiar em nosso estado se desenvolvendo. E o PAA é isso, comprar de quem produz e entregar a quem precisa, aqui em Peritoró vejo nestes 26 agricultores a alegria de garantir ainda mais dignidade e renda, pois estamos trabalhando, junto com o Governador Flávio Dino, para transformação do Maranhão de Todos Nós,” ressaltou o secretário Adelmo. Ainda de acordo com o secretário da SAF, Adelmo Soares, o Governo tem evoluído no Programa de Aquisição de Alimentos dos agricultores familiares em relação a 2014. Em 2015 foram 3.504 agricultores beneficiados e mais 3.604 agricultores beneficiados em 2016, enquanto em 2014 foram 2.794.

“Em 2017, começamos com o pé direito e temos garantido mais de R$ 10 milhões para beneficiar agricultores de 78 municípios”, enfatizou o secretário Adelmo.

Segundo o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, o PAA tornou-se prioritário no Governo Flávio Dino e extremamente importante na potencialização da produção. “O Dia D é um dia de fomentar, divulgar e ampliar o programa, que às vezes, não é valorizado pelos municípios. E nós queremos chamar a atenção pra importância desse e acelerar a inclusão de outros municípios e agricultores ao PAA,” destacou o presidente Júlio.

Os municípios participantes do Dia D do PAA foram: Peritoró, Lagoa Grande do Maranhão, Lago dos Rodrigues, Mirador, Passagem Franca, Pedro do Rosário, Presidente Sarney, Duque Bacelar, Santo Antônio dos Lopes, Santa Filomena do Maranhão, Araioses, São Francisco do Maranhão, Timon, Cajari e Milagres do Maranhão.

Para a coordenadora do Departamento de Mercados Institucionais da SAF, Antônia Lúcia Malheiros, o Dia D do PAA promovido pelo Sistema SAF, foi pensado com o objetivo de dar ênfase ao Programa demonstrando aos municípios e para os agricultores que a comercialização de produtos da agricultura familiar é possível e pode beneficiar e muito o homem do campo. “Com a comercialização dos seus produtos, os agricultores ficam mais confiantes quanto à participação no PAA, então o Dia D vem reforçar essa ideia”, acrescentou a coordenadora.

O PAA é executado com recursos do Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), em parceria com Estados e municípios.

A secretária Municipal de Agricultura de Lago dos Rodrigues, Cleane Ramos, relatou da satisfação do programa ser executado no município. “Estamos muito felizes por ter conseguido esse programa para nosso município que vai garantir renda e os agricultores vão produzir mais e poder vender seus alimentos,” disse Cleane.

Durante as atividades do Dia D  foi realizado um ato de abertura onde a equipe da SAF destacou a importância do Programa. Em seguida, foi realizada a comercialização dos produtos com a pesagem e emissão de termo de recebimento, além de doação de produtos para entidades.

O Dia D contou com a presença do secretário da SAF, Adelmo Soares; dos secretários adjuntos, Luciene Dias e Chico Sales; e demais autoridades locais, como prefeitos, secretários Municipais de Agricultura, Sindicatos, Agricultores.

O PAA foi criado em 2003 e é uma ação do Governo Federal executado pelo Governo do Estado colaborando com o combate à fome e à pobreza.

 

Fonte: AGERP

Sistema SAF lança primeira Agritec de Barra do Corda

Riqueza de culturas como arroz, abóbora, milho, banana, hortaliça e os criativos artigos indígenas foi o que marcou, na manhã da última quinta-feira (25), o lançamento da primeira Agritec a ser realizada no município de Barra do Corda. A solenidade realizada no Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Barra do Corda, contou com o apoio da comunidade agrícola do território Centro do Maranhão.

Durante o evento foram entregues pelos representantes do Sistema SAF, o secretário Adelmo Soares e o presidente da Agerp, Júlio Mendonça, os primeiros cartões do Programa de Aquisição de Alimentos que auxiliam os agricultores a comercializarem a sua produção e assim aumentarem sua renda.

Capacitar agricultores e proporcionar a comercialização dos seus produtos é um dos objetivos da Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão – Agritec. O evento, promovido pelo Governo do Estado, por meio do Sistema SAF será realizado no período de 22 a 24 de junho no município.

De acordo com o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, a Agritec vem deixar um rastro de conhecimento para o agricultor familiar do Maranhão. “Vamos proporcionar conhecimento para que o nosso agricultor possa desenvolver sua produção e consequentemente fortalecer as culturas fortes do território. As tecnologias simples e de baixo custo apresentadas a eles ajudam a gerar renda e qualidade de vida para o homem do campo”, explicou.

Sistema SAF lança primeira Agritec de Barra do Corda

Sistema SAF lança primeira Agritec de Barra do Corda

Para o presidente da Agerp, Júlio Mendonça, a realização da Agritec é um marco para a agricultura familiar do Maranhão. “Lançar esta feira e proporcionar crescimento ao nosso agricultor familiar é uma magnitude. O nosso propósito é fazer o nosso produtor rural crescer e se desenvolver cada vez mais, por isso a missão da Agritec é levar o conhecimento a quem leva o alimento à nossa mesa para que ele possa ter cada vez mais dignidade”, disse.

É grande a expectativa do agricultor Antônio Fábio Ribeiro, do povoado Abacaxi em Barra do Corda, que foi prestigiar o lançamento da Agritec. “Espero que essa feira possa trazer progresso para a nossa agricultura. Já combinei com meus colegas agricultores e queremos aprender o máximo possível com os cursos, temos muitas dúvidas em relação à nossa produção e sei que na Agritec podemos aprender bastante”, contou o agricultor.

Sistema SAF lança primeira Agritec de Barra do Corda

Sistema SAF lança primeira Agritec de Barra do Corda

A Agritec do território Centro do Maranhão está na segunda edição de 2017 e desde 2015 já compõe a 11ª edição. Nos anos de 2015 e 2016 a Agritec capacitou 14.683 agricultores familiares e movimentou R$ 729.600,50 em comercialização e R$ 14.731.312,13 em contratos com instituições financeiras. A feira já foi realizada nos municípios de São Bento, Caxias, Açailândia, Bacabal, Chapadinha, Codó, Grajaú, Viana e Zé Doca. Este ano a Agritec já foi sediada por Paraibano e agora será em Barra do Corda.

Para 2017, o Governo do Estado chegará até os municípios de Santa Luzia, Itapecuru-Mirim e Cururupu beneficiando os agricultores familiares dos territórios do Vale do Pindaré, Vale do Itapecuru e Baixada Ocidental.

Sistema SAF lança primeira Agritec de Barra do Corda

A Agritec é uma realização do Governo do Estado do Maranhão, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma). Acontece por meio de parceria com Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Cocais, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), movimentos sócias (FETAEMA, MST, ACONERUQ, MIQCB E FETRAF-MA) e Prefeitura do município onde o evento é sediado o evento.

O evento contou com a presença, além dos representantes do Sistema SAF, secretário Adelmo Soares, a secretária adjunta Luciene Dias, o presidente da Agerp, Júlio Mendonça e presidente do Iterma, Margareth Mendes, o prefeito de Barra do Corda, Eric Costa e de Jenipapo dos Vieiras, Moisés Ventura, superintendente de Articulação Política Regional, Leocádio Cunha, vereadores de Barra do Corda, Jenipapo dos Vieiras e Tuntum, secretários municipais, diretor da Uema de Barra do Corda, professor Joel, os gerentes do Banco do Brasil e Banco do Nordeste, os senhores Edésio e Nataniel, Gerente do Sebrae de Presidente Dutra, José Noleto e ainda agricultores familiares e sindicalistas.

 

Fonte: SAF

Texto e fotos: Thaise Lima e Ernane Pereira

Técnicos da Agerp estão aptos a realizar Cadastro Ambiental Rural no Maranhão

120 técnios ja foram capacitadosCerca de 120 técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) estão aptos para realizar o Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Maranhão. Entre 2016/2017 o Governo do Estado, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, promoveu capacitações com o intuito de formar facilitadores para inscrições no CAR.

O CAR é um registro eletrônico obrigatório para todos os imóveis rurais. A finalidade é integrar e monitorar as informações ambientais referentes à situação das Áreas de Preservação Permanente (APPs), Reserva Legal (RL), áreas remanescentes de vegetação nativa, área rural consolidada das propriedades e posses rurais, compondo mapa digital e base de dados para controle, garantindo desde o planejamento ambiental até a recuperação de áreas degradadas.

Em abril, técnicos da Regional da Agerp de São Luís, técnicos das prefeituras de São Luís, São José de Ribamar e Paço do Lumiar, participaram da capacitação que ocorreu em duas etapas, a primeira com parte teórica com noções básicas sobre legislação do CAR, cartografia e sensoriamento, e uso do programa Trackmaker, que realiza captura de dados com aparelhos GPS. Na parte prática, os técnicos foram à campo para aprender como é feito a demarcação de área utilizando o GPS.

O trabalho de capacitação é justamente para que os técnicos possam realizar o CAR das pessoas que não têm acesso à ferramenta. Segundo o geógrafo da Agerp e que ministra o curso aos técnicos agropecuários, David Gonçalves, donos de imóveis rurais têm obrigação, por lei (Nº 12.651 do Código Florestal), de realizar o CAR.  “O CAR serve para que os órgãos ambientais tenham conhecimento dos responsáveis das áreas a qual estão inseridos. Ou seja, com o Cadastro é possível identificar áreas de desmatamento, áreas consolidadas, de reserva permanente ou florestal, e assim, identificar os proprietários em caso de danos ao ambiente”, informou.

O cadastro

Todas as propriedades ou posses produtíveis na zona rural ou urbana, seja qual for o tamanho, precisam fazer o cadastro, inclusive imóveis usados como sítios, chácaras e condomínios. Ele é feito por meio de um sistema que qualquer pessoa pode acessar, desde que tenha acesso à internet. No caso de pequenos produtores que não possuem facilidade de acesso à rede, podem dirigir-se a um dos 19 escritórios Regionais da Agerp distribuídos pelo estado. “A Agerp vai ajudar quem precisa, basta o produtor procurar qualquer escritório e efetuar a inscrição, pois nossos técnicos estão disponíveis e preparados”, completou Gonçalves.

Dentre os benefícios em fazer o Cadastro Ambiental Rural estão o acesso ao crédito rural e seguro agrícola, além da comprovação de regularidade ambiental, acesso ao Programa de Regularização Ambiental, possibilidade de comercialização de cotas de Reserva Ambiental e maior competitividade no mercado.

No Maranhão já foram feitos aproximadamente 55 mil cadastros das propriedades rurais, em torno de 45% dos imóveis.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, a capacitação dos técnicos do órgão e demais entidades vai contribuir para que todos os agricultores familiares sejam beneficiados. “A capacitação dos técnicos permitirá que os pequenos agricultores se cadastrem e, assim, se habilitem a ter acesso às linhas de créditos e outros programas da agricultura familiar”, pontuou.

O secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, destacou a importância de capacitação. “O CAR está agora sob coordenação do Sistema da Agricultura Familiar e a Agerp é nossa parceira nessa missão. A adesão ao CAR será requisito para acesso ao crédito rural a partir de 2018. Então, entendemos que essas capacitações são fundamentais para ampliarmos o número de imóveis no CAR e desenvolver a agricultura no estado”, afirmou.

Fonte: Agerp/Samara Andrade   Data: 05/05/2017

Imperatriz: Parceria da Funac e Agerp vai beneficiar unidades socioeducativas no município

Coordenadores da Funac apresentam medidas socioeducativas aos técnicos da agerp. (Foto: Divulgação)

Na terça-feira (02), a Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), vinculada à Secretaria dos Direitos Humanos e Participação Popular, e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp) deu continuidade as reuniões de articulação para parceria em atividades de agricultura nas unidades socioeducativas de Imperatriz.

A parceria firmada vai orientar inicialmente o plantio de hortaliças nas três unidades como parte da rotina socioeducativa e, além disso, vai capacitar os socioeducandos com palestras e aulas práticas sobre os benefícios da agricultura familiar e técnicas para o plantio comercial.

Na reunião de articulação, a coordenadora técnica do Centro Socioeducativo da Região Tocantina (CSRT), Sânia Galvão, apresentou uma palestra de esclarecimentos para os técnicos e agrônomos do escritório regional sobre a execução das medidas socioeducativas e ressaltou os benefícios da parceria para os socioeducandos. Participaram também da reunião, o diretor do Centro de Juventude Semear, Fabiano Silva, e a vice-diretora do Centro de Juventude Cidadã, Claudina Cirqueira.

“A parceria vai trazer inúmeros benefícios para as unidades da Fundação, pois além de ser uma atividade diferente que vai integrar a rotina dos adolescentes, eles também serão capacitados para executar as atividades de agricultura familiar e ao finalizar o cumprimento da medida podem seguir por esse caminho”, acrescentou a diretora técnica da Fundação, Lúcia Diniz.

Ainda esta semana, os técnicos e agrônomos da Agerp realizarão visitas técnicas nas unidades de medida socioeducativa de internação provisória, internação e semiliberdade do município para análises de identificação do solo e levantamento de necessidades para início das atividades.

Cadeia de ovinocaprinocultura beneficia mais de 200 famílias maranhenses

Famílias recebem o apoio de técnicos da Agerp para aumentar a produção. (Foto: Divulgação)

Mais de duzentos criadores de ovinos e caprinos estão sendo beneficiados com as ações do Governo do Maranhão voltadas para a cadeia produtiva de ovinocaprinocultura em 13 cidades do estado. Neste último mês, o Sistema SAF – composto pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) – concluiu a entrega de 237 trituradores forrageiros que auxiliarão no processamento dos alimentos dos animais. A ação tem o objetivo de dar autonomia aos agricultores familiares de pequenas unidades de produção, de forma integrada, competitiva e sustentável, mediante o estímulo à difusão e adoção de novas práticas de manejo dos animais.

A ação beneficia 237 famílias de 13 municípios das regiões do Baixo Parnaíba e do Vale do Itapecuru. Os municípios são Araioses, Brejo, Buriti, Chapadinha, Magalhães de Almeida, Santa Quitéria do Maranhão, São Benedito do Rio Preto, São Bernardo, Tutóia, Vargem Grande, Urbano Santos, Paulino Neves e Presidente Vargas. Cada beneficiário receberá fomento no valor de R$ 2.700 e terá em sua área a implantação de capineira, com a intenção de promover a segurança alimentar dos animais, além das 237 forrageiras para o processamento de alimentos dos ovinos e caprinos.

“O governo fez sua parte. Agora só depende de nós”, declarou entusiasmada dona Iracema Alves, criadora de ovino e caprino de Vargem Grande. Em Vargem Grande, cerca de 20 criadores e suas famílias foram beneficiados com a entrega de forrageiras.

O secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, destacou que o governador Flávio Dino tem o desenvolvimento do Maranhão como meta e que isso é possível a partir da produção dos agricultores familiares e que o fortalecimento das cadeias produtivas tornará o estado mais produtivo. “O Maranhão tem potencial em diversas cadeias e estamos trabalhando para dar condições aos pequenos criadores de produzir e fortalecer ainda mais a agricultura familiar”, destacou.

No mês de fevereiro, cerca de 30 técnicos da Agerp foram orientados sobre manuseio de forrageiras. Segundo o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, os técnicos vão ajudar os criadores a manusear os equipamentos, além de acompanhar as ações e prestar assistência técnica. “A capacitação é importante porque os técnicos são agentes de transferência de tecnologias. São eles que prestarão assistência técnica direta aos criadores de ovino e caprino, de forma que o criador consiga processar os alimentos aos animais corretamente”, ressaltou.

Ao todo, o Governo do Maranhão desenvolve 10 cadeias produtivas no Maranhão. A SAF trabalha para desenvolver sete dessas cadeias: feijão, mel, caprinos e ovinos, mandioca, avicultura caipira e duas de hortifruticultura (caju na região do Baixo Parnaíba; e abacaxi no município de Turiaçu).

Projetos de Horta da Fundação da Criança e do Adolescente terão assistência técnica da Agerp

funacA equipe de gestão do Centro de Juventude Sítio Nova Vida, da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), e técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) se reuniram para fortalecer as ações do projeto de horta ‘Cultivando uma nova vida’. Juntos, os dois órgãos estaduais vão garantir assistência técnica especializada ao projeto. A reunião foi realizada na semana passada.

O diretor do Centro, Nikson de Souza, apresentou as ações de escolarização e profissionalização desenvolvidas com os adolescentes atendidos na unidade, a dinâmica do projeto de horta e os técnicos também conheceram a infraestrutura já existente para o plantio das hortaliças.

Como resultado da reunião, foi fechada a parceria com a Agerp, que vai prestar assessoramento técnico à equipe do Sítio. Como ação complementar, a Funac também vai estabelecer parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) para cursos de qualificação na área de horticultura.

Na área do plantio, novos canteiros de produção serão construídos para iniciar a plantação dos produtos e, na próxima sexta-feira (5), toda a comunidade socioeducativa vai participar da Palestra de Orientação no Cultivo de Hortaliças.

“A parceria vai aprimorar e profissionalizar as ações que iniciamos de forma embrionária esse ano, como uma semente”, explica o diretor do Sítio. “E esperamos que os adolescentes possam sair mais capacitados do projeto e, a partir da construção do seu novo projeto de vida, ter na agricultura familiar uma fonte de renda”, acrescentou.

A diretora técnica da Funac, Lúcia Diniz, destacou também que a parceria com a Agerp vai se estender para as demais unidades de medida socioeducativa. “Começamos essa parceria pelo Sítio, porque foi uma das primeiras unidades a se iniciar em projetos de agricultura, mas todas serão contempladas de alguma forma com a assistência técnica da Agência, considerando também os projetos de vida dos adolescentes. O cultivo da terra oportuniza ações socioterapêuticas que possibilitam aos socioeducandos reflexões sobre segurança alimentar, responsabilidade, cuidado, respeito e disciplina, aspectos importantes para a desvinculação do ato infracional”, ressaltou.

Participaram da reunião, a pedagoga da Coordenação dos Programas Socioeducativos, Luiza Braga; a coordenadora técnica da unidade do Sítio, Leidiane Irineu; o técnico da Agerp, agronomo José Raimundo Ferres; e a assistente social da Agerp, Maria do Socorro.

Cultivo de Hortaliças

O projeto ‘Cultivando uma nova vida’ é desenvolvido na unidade do sítio desde janeiro deste ano. Alface, cheiro-verde e pimenta são alguns dos itens produzidos na horta. Com o apoio dos técnicos da Agerp, as ações do projeto serão desenvolvidas com mais qualidade e quantidade de produtos.

Estimular e resgatar a autoestima e a responsabilidade são alguns dos objetivos do projeto, que contempla rodas de conversas, palestras interativas, oficinas sobre comportamento e empreendedorismo, atividades práticas quanto ao desenvolvimento e manutenção de horta, reconhecimento da qualidade do solo, preparo das mudas e da terra, até colheita. Outro detalhe importante é a utilização de materiais recicláveis e de fertilizantes naturais na ação, o foco também é cuidar do meio ambiente.

Parte do que é produzido serve para o consumo da própria comunidade e visa estimular hábitos mais saudáveis. O restante da produção, os socioeducandos entregam para seus familiares nos dias de visita.