Facebook Twitter Instagram

Maranhão é o 3º maior produtor de mel do Nordeste

Ma é o terceiro maior produtor de mel do nordeste

Dados divulgados em dezembro de 2017 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (Ibge), referentes ao levantamento realizado em 2016 para o Censo Agropecuário, constatam que o Maranhão é o terceiro maior produtor de mel do Nordeste.

De acordo com o levantamento do Ibge, o Maranhão produziu, em 2016, 1.700 toneladas de mel, ficando atrás somente dos estados da Bahia (3.590 ton.) e Piauí (3.000 ton.). No ranking nacional, o Maranhão ocupa a oitava colocação, sendo o estado do Rio Grande do Sul o maior produtor do país com 6.200 ton.

O presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp/MA), Júlio César Mendonça, explica que o Maranhão ocupava a 4ª colocação do Nordeste, atrás do Ceará. Em 2016, com a produção de 1.700 ton, o Maranhão alcançou a terceira colocação. O Ceará foi para o 4º lugar com 1.100 ton produzidas.

Esse bom resultado, segundo Júlio César Mendonça, é resultado do trabalho que o Governo do Estado promove com os criadores de abelhas do Maranhão, principalmente os serviços de assistência técnica. Na avaliação dele, os dados também demonstram que as condições climáticas e de pasto apícola são favoráveis para o desenvolvimento intensivo de abelhas africanizadas no Maranhão.

Alto turi

No Maranhão, a região do Alto Turi é a que mais produz e o município de Santa Luzia do Paruá é o primeiro colocado da região, com 387 toneladas. Em segundo lugar ficou o município de Maranhãozinho, com 288 ton, seguido de Maracaçumé, em terceiro, com 167 toneladas. Outros municípios que se destacam na produção Junco do Maranhão (133 ton.) e Viana (127 ton).

Os números da produção municípios expressam a produtividade que vem crescendo no Maranhão, principalmente por causa dos investimentos que o Governo do Estado, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, destina à execução do Programa Mais Produção.

É por meio do Programa Mais Produção que o Governo do estado está incrementado a Cadeia Produtiva do Mel. O Sistema de Agricultura Familiar, Sistema (SAF) é formado pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp/MA) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma/MA).

Júlio César Mendonça destaca a importância da participação da Agerp/MA, em prol do desenvolvimento da meliponicultura e apicultura no Maranhão. “Apoiamos essa cadeia produtiva com ações como a qualificação de nossos produtores, tornando essa atividade uma excelente fonte de rendimento, que chega aos produtores de forma rápida e melhoria na qualidade de vida deles”.

Desde 2015, o Governo do Estado investe na capacitação de agricultores familiares, criadores de abelhas e técnicos agropecuários. Em 2017, foram qualificados 162 criadores de abelhas e 83 técnicos barreiristas da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged-MA) foram capacitados.

Por meio das atividades de Dias de Campo, mais 206 criadores tiveram acesso ao conhecimento de técnicas de Produção de Rainhas e Criação de Abelhas Nativas.

Com uma parceria firmada entre o Governo do Estado, por meio da Agerp e a Prefeitura de Santa Luzia do Paruá, foi instalado o Núcleo de Produção de Abelhas Rainhas Africanizadas, que faz parte das ações do Mais Produção, que visa tecnificar a atividade apícola e fortalecer a agricultura familiar.

É a primeira vez, na história da apicultura do Maranhão, que o Governo investe em tecnologia para explorar o potencial apícola existente. Já em funcionamento desde 2017, mais de trinta criadores foram treinados e cerca de 50 rainhas produzidas, substituindo rainhas “velhas” por “novas” em que vai melhorar a produtividade dos criadores de abelhas africanizadas até 30%.

Outra ação destacada da Cadeia Produtiva do Mel, são as reformas e adequações de entrepostos de mel com o objetivo de agregar valor ao produto.
Em Junco do Maranhão, o Governo do Estado investe na unidade de beneficiamento de mel do município e terá capacidade de processar até 5 ton/dia de mel, suficiente para atender o mercado regional. O entreposto de mel de Junco está em processo de registro na Aged-MA, visando ofertar um produto de qualidade ao consumidor.

Para o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, a agricultura familiar é o eixo de desenvolvimento e as ações que o Governo do Estado desenvolve nesse setor são concretas para melhorar a vida no campo. “O governador Flávio Dino tem levado conhecimento e produção em diversas áreas. Acreditamos que a partir da assistência técnica contínua e permanente, promovida em parceria com a Agerp, iremos alavancar o desenvolvimento do setor produtivo e a vida dos agricultores familiares”.

Fonte: Agerp
Texto/Foto: Samara Andrade
26/01/2018

3 ANOS DE MUDANÇA -Programas e ações do Governo garantem apoio e incentivo à agricultura maranhense

mais idh agritecThe alt text for this image is the same as the title. In most cases, that means that the alt attribute has been automatically provided from the image file name.Produtores maranhenses têm vivido uma nova realidade com a implantação de programas e a promoção de ações do Governo do Estado na agropecuária. O resultado é aumento de produção, estímulo à ampliação das culturas e melhores condições para permanência das famílias no campo. Um destes é o Agropolos, que desenvolve potenciais de produção das regiões do estado.

O programa já beneficiou 725 propriedades e realizou mais de 80 capacitações, além da distribuição máquinas e insumos. Com o programa, o Governo apoia agropecuários no aumento das produções, oferecendo capacitação, assistência técnica e novas tecnologias. A ação atende prioritariamente comunidades da Ilha, Rio Balsas e Rio Tocantins, nas cadeias de aquicultura, leite, carne e couro e hortifruticultura, a partir de uma rede de apoio que inclui produtores, sindicatos, instituições financeiras, de ensino e pesquisa.

“O Agropolos é mais um dos grandes investimentos da gestão em benefício das cadeias produtivas. São diversos os projetos com foco no produtor, nas culturas e nos negócios do setor para que as famílias se mantenham em suas regiões com mais condições e qualidade de vida”, reforçou o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), Márcio Honaiser. O programa se estende nas regiões do Médio Sertão, Alto Turi e Munim.

O Mais Produção é outro projeto de fortalecimento da agropecuária local, com mais de 170 ações definidas, agregando 10 cadeias produtivas prioritárias: feijão, arroz, mandioca, carne e couro, ovinocaprinocultura, leite, avicultura (caipira e industrial), piscicultura, hortifruticultura e mel. “Esse reforço contribui para expandir a produção, gerando emprego, renda, motivando produtores e empresários”, avalia o secretário estadual de Indústria e Comércio (Seinc), Simplício Araújo. Mais de 5,3 mil propriedades, em 111 municípios do estado, foram beneficiadas nesta etapa.

Feiras e eventos

A gestão também tem apoiado a realização de eventos para exposição, divulgação e comércio dos produtos no setor. Na lista de feiras agropecuárias, a Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec). Entre as oportunidades da feira estão oficinas, minicursos, palestras, seminários e apresentação de diversas tecnologias. “O evento é mais um importante eixo de desenvolvimento do setor, pois traz conhecimento e gera oportunidades”, pontua o secretário de Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares.

Participante do evento em Itapecuru, a integrante do quilombo Matões dos Moreiras, em Codó, Ana Emília Moreira, elogiou a iniciativa. “Acho muito importante os temas das capacitações e as ações da feira. O Governo está de parabéns por ter esse olhar sensível para as necessidades de quem vive da agricultura familiar. Precisamos fortalecer este evento”, disse ela, que participou de seminário sobre reforma agrária.

Promovida desde 2015, a Agritec contabiliza treze edições, 23.046 agricultores familiares alcançados, comercializados R$ 813 mil em produtos da agricultura familiar e firmados contratos com instituições financeiras na ordem de R$ 20,8 milhões, além de atrair milhares de pessoas. A próxima edição acontece em Cururupu, nesta quinta-feira (7/12), para atender a região da Baixada Maranhense.

Outra oportunidade ao setor, a feira Itinga Agroshow, em sua primeira edição, realizada entre os dias 10 a 14 de novembro de 2017, beneficiou produtores de Itinga do Maranhão e demais cidade do Oeste do Estado. “Com este evento, colocamos a cidade no mapa do turismo maranhense. Estamos felizes com o apoio do governador Flávio Dino para desenvolvermos a cultura de grãos e a fruticultura”, pontuou o prefeito Lúcio Flávio de Oliveira.

O Governo também se fez presente na 60ª Expoema, realizada entre os dias 14 e 21 de outubro deste ano, com as ações do Mais Produção, na assistência técnica, distribuição de kits agrícolas e promoção de capacitações. Em 2017, somam cerca de R$ 2 milhões em investimentos do Governo do Estado para realização de feiras, exposições e festivais agropecuários. Esses recursos fazem parte da ampla política de apoio ao setor produtivo do Maranhão.