Facebook Twitter Instagram

Agerp capacita agricultores nos territórios da cidadania

Cap._Pacto

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp/MA), órgão da Secretaria de Estado Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), dará início a uma sequencia de 19 cursos de capacitação voltados aos agricultores familiares, dentre eles, indígenas, jovens, mulheres, pescadores artesanais, quilombolas e gestores públicos municipais.

Agricultor_cortadoA Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp/MA), órgão da Secretaria de Estado Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), dará início a uma sequencia de 19 cursos de capacitação voltados aos agricultores familiares, dentre eles, indígenas, jovens, mulheres, pescadores artesanais, quilombolas e gestores públicos municipais.

Os cursos serão ministrados nos municípios de Cururupu, Pinheiro, Viana, Itapecuru- Mirim, Chapadinha, Zé Doca, Rosário, Morros, Caxias, Cantanhêde e Pedreiras. Todos incluídos nos territórios rurais da cidadania cujo objetivo é promover, incrementar a economia e universalizar programas básicos por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável.

A iniciativa faz parte do convênio firmado entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Sedes/Agerp tendo como base a aplicação do convênio Pacto Federativo que é uma ação do Governo Federal para aceleração da redução das desigualdades sociais.

Agricultor_capacO Pacto Federativo de número 717911/09, contempla diversas ações, dentre elas a ampliação dos serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) para agricultores familiares, assegurando políticas de inclusão social, Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Seguro da Agricultura Familiar (SEAF) e Programa Garantia de Preços da Agricultura Familiar (PG/PAF).

 

Todas oriundas do Plano Contra a Pobreza Extrema, compromisso dos governos federal e Estadual, desenvolvido pela Sedes/Agerp em todo o Maranhão.

Para ministrar as capacitações, a Agerp preparou uma equipe multidisciplinar que atenderá nesses três meses, (de agosto a outubro), cerca de 620 pessoas, dentre elas, 120 agricultores familiares e 500 gestores públicos incluindo prefeitos, secretários municipais, presidentes de sindicatos, associações, dentre outros.

Cap_agritOs agricultores familiares receberão orientação quanto ao funcionamento dos programas (PG/PAF, SEAF e PAA) ao manuseio e qualidade dos alimentos produzidos e comercializados. Receberão ainda orientações quanto a aquisição de DAP – Declaração de Aptidão ao PRONAF -, documento que dá ao portador, capacidade de receber financiamento bancário a juros subsidiados, vender gêneros alimentícios para o Governo Federal e obter licença ambiental de exploração agropecuária.

No caso dos gestores, os técnicos da Agerp propõem sensibilizá-los quanto à aplicação do PAA a fim de atender às pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional, atendidas por programas sociais locais e demais cidadãos em situação de risco alimentar, como indígenas, quilombolas, acampados da reforma agrária e atingidos por barragens.

Agerp vistoria áreas para projetos da AF

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp/MA), órgão da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, (Sedes), por meio do diretor de pesquisa, Wellington Matos, vistoriou nesta semana, com parceiros e lideranças, no município de Dom Pedro (MA) -,diversas comunidades aptas para receberem a implantação de Unidades Demonstrativas e de Validação (UDV).

Well_e_parceirosA Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp/MA), órgão da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, (Sedes), por meio do diretor de pesquisa, Wellington Matos, vistoriou na semana passada, com parceiros e lideranças, no município de Dom Pedro (MA) -,diversas comunidades aptas para receberem a implantação de Unidades Demonstrativas e de Validação (UDV), para o projeto que integra a revitalização e o fortalecimento da produção de mamão e tomate naquele município.

Com o diretor da Agerp, estavam os representantes da Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Sectec), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Prefeitura Municipal do mesmo município, por intermédio da Secretaria de Agricultura e do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR).

mamo_de_D._PedroNessa viagem, foram visitadas seis comunidades com o objetivo de identificar aquelas que se encontravam em condições favoráveis para implantação das Unidades. Os critérios aplicados foram aqueles que tratam das condições necessárias para o funcionamento das comunidades onde será implantado o projeto como por exemplo: energia e água próxima às áreas coletivas ou individuais.

As etapas do projeto incluem o cadastro das famílias, visitas técnicas e assessoramento, infraestrutura de equipamentos e materiais, custeios, mão-de-obra, pesquisa e divulgação.

 

Revitalização das culturas

De acordo com Wellington Matos, essa atividade fez parte do planejamento do projeto de revitalização das culturas de tomate e mamão do município de Dom Pedro – Ma, conforme memória das últimas reuniões realizadas em São Luís no mês de julho de 2012.

Matos revela, no entanto, que segundo o IBGE / Produção Agrícola Municipal – PAM (2008), a produção nordestina de mamão correspondeu a pouco mais da metade da produção brasileira, com suas 1.178.101 toneladas, e a produção maranhense com 5.548 toneladas.

Apesar de a pesquisa constatar a inexpressividade da produção maranhense no cenário nordestino, no citado ano no Maranhão, o mamão foi produzido em 30 dos seus 217 Tcnicos_nas_comunidadesmunicípios, revelando que houve uma adesão de 100% de participação de novos municípios que praticam essa cultura perene, considerando os anos de 2000 a 2008. Em termos de produção, destacaram-se dois municípios, Buriticupu, com 720 toneladas e São Domingos com suas 682 toneladas, juntos tiveram as maiores produções, e Dom Pedro, reduziu sua produção em 2008 com apenas 85 toneladas.

Para ele, o município de Dom Pedro já foi forte em produção de tomate, que teve o seu auge nas décadas de 70 a 90. Mesmo assim o tomate ainda é o produto que mais gera renda a muitos agricultores. “Vende-se muito tomate na região”, afirma o pesquisador, ao tempo que ressalta ser este um entreposto de compra do produto que é revendido para o resto do Estado a partir de Dom Pedro, através de dezenas de compradores que compram o fruto de várias regiões do país.

 

“Dom Pedro também se destaca na produção de outras frutas, como a banana (866 toneladas em 2010), a laranja (165 toneladas em 2010) e o maracujá”, disse ele.

 

Outra informação revelada pelo diretor da Agerp, é quanto ao Plano de Ação para a implantação do projeto de pesquisa, onde ele garante, ser participativa e integrada. “Cada parceiro terá sua parcela de apoio e participação nas diversas etapas, e sempre envolvendo as famílias beneficiárias e a comunidade”, destaca.

Inscrições para bolsitas encerram-se nesta sexta-feira

Bolsista_Larcio_AndradeA Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), órgão ligado à Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) -, e a Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico do Maranhão (Fapema), encerram nesta sexta-feira, (20), seleção para bolsistas por meio do edital Fapema nº 033/2012

Pessoas_no_plantioA Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), órgão ligado à Secretaria de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) -, e a Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico do Maranhão (Fapema), encerram nesta sexta-feira, (20), seleção para bolsistas por meio do edital Fapema nº 033/2012.

 

O aviso oficial é destinado a profissionais com graduação completa em Agronomia e profissionais com formação de nível médio completo em Técnico em Agropecuária ou Técnico Agrícola, com disponibilidade para atuar no interior do estado e habilidade para assistir tecnicamente aos agricultores familiares.

 

CURSO_CHAPADINHAO processo de seleção dos participantes foi aberto no início deste mês, com submissão das propostas online e entrega de documentos. A divulgação do resultado ocorrerá dia 5 de agosto.

 

A seleção e consequente contratação tem a finalidade de incrementar ações da Agerp nos municípios que estão incluídos nos Territórios da Cidadania, a partir da concessão de Bolsas de Extensão Tecnológica destinadas a profissionais técnicos para auxiliar no desenvolvimento de projetos e programas de atividades de laboratório, de campo e afins, como forma de construir novas tecnologias e solucionar problemas concretos, considerando o processo de trabalho científico e tecnológico como ferramenta determinante para impactar a cadeia produtiva no Estado do Maranhão.

 

Serão disponibilizadas 59 bolsas oriundas dos recursos orçamentários da Agerp/MA, por intermédio do convênio Fapema/Agerp nº 1228/2009. O candidato deverá efetivar sua inscrição nas datas estabelecidas no cronograma e poderá fazer duas opções de município.

 

Outras informações podem ser obtidas nos sites da Fapema (www.fapema.br).

Técnicos apresentam GS nas Regionais da Agerp

garantia_safra

A coordenação do Programa Garantia Safra, da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes)  e da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Agrícola do Maranhão (Agerp), visitou no período de 26 de junho a 06 de julho, os pólos regionais de Balsas e São João dos Patos, este a 540 quilômetros de São Luis.

garantia_safraA coordenação do Programa Garantia Safra, da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes)   e da  Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Agrícola do Maranhão (Agerp), visitou no período de 26 de junho a 06 de julho, os pólos regionais de Balsas e São João dos Patos, este a 540 quilômetros de São Luis.

 

No total, os técnicos estiveram em catorze localidades, cujo intuito foi sensibilizar seus respectivos gestores (prefeitos e secretários de agricultura), quanto ao apoio aos agricultores familiares para que participem do Programa no Estado.

De acordo com a coordenação do GS, umas das principais preocupações nesse momento, é a estiagem prolongada que atingiu a maioria dos municípios, haja vista ser o GS uma das ações mais importantes tanto para os agricultores familiares, quanto para os governos estaduais e municipais.

“A nossa passagem por essas duas unidades regionais da Agerp, foi motivada principalmente por conta da colheita que se encontra comprometida pela estiagem que atingiu uma média de 70% das áreas em produção dos agricultores familiares do municípios das regiões acima citadas”, disse Giancarlo Pinheiro Rosa, coordenador estadual do GS, que garante a continuidade das visitas nas demais regionais da Agerp até o final setembro, quando finalizam as inscrições para a safra 2012/2013.

Giancarlo Rosa, fala que as inscrições iniciaram desde o dia primeiro deste mês e que para participar, os agricultores poderão procurar as unidades regionais da Agerp.

Garantia Safra

O GS é uma ação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) voltada para os agricultores e as agricultoras familiares localizados na região Nordeste do país, na área norte do Estado de Minas Gerais, Vale do Mucuri, Vale do Jequitinhonha e na área norte do Estado do Espírito Santo ― área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), majoritariamente Semiárida ― que sofrem perda de safra por motivo de seca ou excesso de chuvas.

Para participar do Garantia-Safra, é necessário que, anualmente, estados, municípios e agricultores localizados na área de atuação da SUDENE façam adesão ao GS. Para isso, é necessário que os agricultores familiares se enquadrem nos critérios que são:

 

1. Não ter a qualquer tipo, área superior a quatro (4), módulos fiscais; Ter trabalho familiar com base na exploração do estabelecimento;
2. Morar dentro do estabelecimento rural ou próximo à ele;
3. Ter renda bruta salarial mensal de 1,5 salário mínimo;
4. Cultivar área não irrigadas, de arroz, milho, feijão e mandioca e finalmente,

Coordenadora do PAA ministra palestra na Agerp.

Coordenadores etécnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Agrícola (Agerp), órgão ligado à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social eAgricultura Familiar (Sedes), participaram nesta quinta-feira, (05), depalestra relacionada á Operacionalizaçãodo Programa de Aquisição de Alimentos(PAA), no âmbito estadual e municipal.

 

PAA_siteCoordenadores e técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Agrícola (Agerp), órgão ligado à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), participaram nesta quinta-feira, (05), de palestra relacionada á Operacionalização do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), no âmbito estadual e municipal.

O objetivo do Encontro foi atualizar os técnicos que compõem o corpo da Agerp quanto á nova legislação do programa, além de discutir e planejar diretrizes para a execução do Programa no Estado.

 

A conferência foi ministrada pela engenheira agrônoma e coordenadora estadual do PAA, Fabíola Ewerton, a convite da diretoria de Pesquisa da Agência, que na oportunidade destacou experiências exitosas com a aplicação no PAA em alguns municípios maranhenses.

 

O PAA preocupa-se em garantir o acesso de famílias enquadradas na faixa da extrema pobreza à segurança alimentar e nutricional e a geração de renda. Para tanto, promove o acesso de alimentos a essas populações e promove a inclusão social e econômica no campo por meio do fortalecimento da agricultura familiar, sendo portanto, um programa estruturante para a redução de extrema pobreza do Estado.

 

De acordo com Fabíola, a mudança da modalidade facilita a adesão dos municípios, uma vez que esta iniciativa não mais se dará por intermédio de convênio, o que tem facilitado bastante, segundo a coordenadora já que não haverá mais necessidade de corte de recursos para os estados e municípios.

 

“Existe uma equipe na Sedes que faz contato direto com os municípios maranhense, por meio de ligações telefônicas ou ainda por meio de eventos regionais e pontuais, quando é divulgado o Programa ao mesmo tempo em que se convida aos gestores para participar das palestras sobre o assunto”, assinalou a engenheira agrônoma da Sedes.

 

Fabíola explicou que a escolha dos municípios para a participação do PAA no restante deste ano, se dá por meio da continuidade dos 37 municípios mobilizados e demandados desde 2009, para o convênio nº 172/2009 e da inclusão de municípios dos grupos prioritários do Plano Brasil sem Miséria, ou seja, o primeiro grupo é formado por municípios que receberam serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), do Brasil sem Miséria e que fazem parte dos Territórios da Cidadania que possuem pelo menos 200 agricultores familiares com DAP/ renda familiar per capita de 70 reais.

 

Já no grupo II, são aqueles que participam deste novo modelo são os municípios que fazem parte dos Territórios da Cidadania e que possuam pelo menos 200 agricultores familiares com DAP/Renda familiar per capita de setenta reais.

 

E finalmente, o terceiro grupo é formado por municípios que possuem pelo menos 200 agricultores familiares com DAP/Renda familiar per capita de R$ 70,00.