Facebook Twitter Instagram

A Agerp é habilitada pelo MDA para certificar cultivares da Agricultura Familiar

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão – Agerp/MA, órgão vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar – Sedes, recebeu do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), certificado que a habilita a prática de cadastro de diversas culturas agrícolas originárias das comunidades rurais do estado.

São exemplos dessas culturas, a variedade de mandioca “praiana” cultivada no município de Chapadinha – região do Baixo Parnaíba, o arroz produzido em várzeas de rios e campos naturais, frutíferas e hortaliças do Cerrado e da Baixada Maranhense. Todas elas, encontram-se em processo de catalogação pelo MDA.

Pela sua própria natureza e tradição histórica, as cultivares locais, (ou culturas agrícolas), denominadas tradicionais ou crioulas constituem patrimônio sociocultural das comunidades, não sendo aplicável patente, propriedade e nenhuma forma de proteção particular para indivíduos, empresas ou entidades. Introduzidas a um longo período de tempo, sofreram um processo de adaptação a determinadas regiões através de seleção realizada por agricultores.

Seaf Cultivares

A certificação configura-se como um importante mapeamento da ocorrência destas iniciativas em todo o país. Essas informações integram o Sistema Seaf Cultivares, (Seguro da Agricultura Familiar/Cultivares), que visa fortalecer as políticas públicas de apoio aos agricultores familiares que utilizam essas culturas. O cadastro eletrônico nacional do Seguro da Agricultura Familiar (Seaf) credencia a instituição a receber cobertura em todas as atividades de pesquisas nestas áreas.

No Maranhão, a Agerp é a única instituição estadual habilitada para a realização dessas pesquisas e cadastro. “Surgiam demandas das comunidades junto ao Seaf e a gente sempre dependia da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), foi quando decidimos credenciar a Agerp”, ressaltou o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Agerp, Wellington Matos, que tem intensificado o trabalho de pesquisa junto ao agricultor familiar.

Matos informa que o processo de credenciamento da Agerp passou por critérios de análises, considerando o perfil institucional, técnico científico e experiências publicadas.

“Essa conquista é de grande relevância para preservar o que é cultivado na agricultura familiar aqui no estado”, disse Matos ao tempo que pontua outras funções da Agerp . “Catalogar o material genético e valorizar a manutenção de variedades que estão ameaçadas de extinção pela especulação da agricultura de grande escala comercial”.

Agerp e MDA inauguram sala de videoconferência

Agerp e MDA  inauguram sala de videoconferência para discutir plano de ação contra as  influenzas aviária, suína e equina

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão – Agerp/MA, órgão da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar – Sedes-, inaugurou em sua sede, no início desta semana, sala de videoconferência para dentre outros objetivos, discutir com as entidades estaduais de Assistência Técnica (ATER) de todo o país, plano de ação relativo à campanha de educação sanitária para a prevenção das influenzas aviária, suína e equina.

para capa videoEste ano, o mundo ficou novamente em alerta, com o surto de influenza aviária com o vírus A (H7N3) que apareceu no México, atacando aves domésticas. Em fevereiro último, o Diretor Geral de Saúde Animal do Ministério da Agricultura daquele país notificou à Organização Mundial da Saúde Animal – OIE do aparecimento de focos de Influenza Aviária de alta patogenicidade, que está levando ao sacrifício mais de dois milhões de aves. Segundo a OIE, o primeiro foco foi confirmado por diagnóstico laboratorial. Sua ocorrência, entretanto, indica uma perspectiva de alerta, principalmente para os países do Continente Americano.

Já no continente asiático, preocupa a situação na China, onde centenas de pessoas já foram contaminadas e dezenas foram levadas a óbito por uma nova cepa da gripe aviária conhecida como H7N9. As autoridades locais estão abatendo todas as aves que estavam no mercado de carnes Huhuai, em Xangai, onde o vírus foi detectado em pombos.

Por conta disso, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e entidades que desenvolvem assistência técnica em todo o país desenvolvem, desde 2009, por intermédio de um importante programa de educação sanitária no meio rural, campanha que visa proteger as comunidades com a divulgação de medidas preventivas, para o enfrentamento de doenças que apresentam grande risco, não somente para os animais de criação, mas também para o ser humano.

Entidades estaduais

O espaço recém-inaugurado na Agerp integra a Rede de Salas de Videoconferência que interliga todas as entidades estaduais de ATER com a Secretaria da Agricultura Familiar do MDA, a Embrapa Sede e a Embrapa Suínos e Aves, para manter permanentemente atualizada as equipes de Formadores e Multiplicadores.

A Rede já se encontra instalada nas Regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste. O Maranhão foi o primeiro estado do Nordeste a participar, e a previsão é de que ela alcance todo o território nacional até junho próximo.

Para inaugurar a Rede na Agerp, veio de Brasília (DF), o consultor do MDA e coordenador do Programa Influenza, René Dubois, que na oportunidade falou da experiência e de como a ferramenta de comunicação poderá vir a ter abrangência muito maior, extrapolando a campanha de Educação Sanitária, com ampla utilização em todas as ações que demandem interação entre as entidades que promovem a assistência técnica e a extensão rural com o MDA e a Embrapa. Servirá, segundo ele, a todos os programas sociais do governo desenvolvidos pela Secretaria da Agricultura Familiar e pela Embrapa.

DSC07178“Além de permitir interação entre os estados da federação, a utilização da Rede de Salas de Videoconferência passa a ser mais ampla porque permite que seja utilizada para as atividades internas das instituições”, destacou, no momento em que inaugurava a sala.

O presidente da Agerp, Jorge Fortes, na ocasião agradeceu a disposição da Embrapa e do MDA em manter o intercâmbio com os demais órgãos de assistência técnica, ao tempo que garantiu para breve, a expansão do programa nos dezenove escritórios regionais.

“Como representante da Agerp, sinto-me satisfeito em poder participar por meio da Rede de Videoconferência, com discussão sobre um tema atual e relevante para a comunidade rural, que é o público da Agerp”, ressaltou o presidente.

Secretário Fernando Fialho defende implementação de Programas de Compras Locais em todo os municípios

O secretário de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar, Fernando Fialho, defendeu, na Oficina de Inclusão Socioprodutiva Rural e Urbana, realizada durante o Agrobalsas, a implementação de Programas de Compras Locais em cada um dos 217 municípios do Maranhão. “É essencial o engajamento das administrações municipais nesse processo de fortalecimento e incremento da agricultura familiar, em especial na garantia de mercado”, justificou.

Fernando FialhoFialho refletiu que com assistência técnica adequada e educação financeira, os pequenos agricultores vão produzir mais e com melhor qualidade. Mas, é preciso que seja garantido local e público para a comercialização da produção. “Dessa maneira, nas pequenas comunidades, os pequenos empreendedores podem gerar divisas que serão reinvestidas no incremento de suas produções, além de sobrar dinheiro para investimentos e melhoria da qualidade de vida destas famílias”, afirmou ele.

O secretário ressaltou que existem programas como o de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) que asseguram mercado para parte da produção da agricultura familiar. “Precisamos assegurar negócios para 100% da produção e o Compra Local se insere de maneira eficiente dentro dessa proposta que incluem outras ações do Governo do Estado, que estão sendo e vão ser implementadas como a realização de Feiras e implantação de Centros de Comercialização”, frisou.

Fernando Fialho disse ainda que a determinação da governadora Roseana Sarney é assegurar ao agricultor familiar todo o apoio necessário, envolvendo toda a cadeia de produção: da plantação, passando por orientação técnica e abertura de crédito, até à sua comercialização. Para tal, os técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) estão em campo prestando assistência técnica. Somados a estes, existe uma equipe de técnicos da Sedes que prestam orientações sobre linhas de crédito como a do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) e de bancos oficiais como o Banco do Brasil e do Nordeste.

Para o secretário é dessa forma que “podemos mudar a realidade das pequenas comunidades, introduzindo uma nova dinâmica e cultura, crucias para incentivar o agricultor familiar a produzir mais com todas as garantias”.

Fialho ouviu dos agricultores familiares um relato de suas vidas, de suas dificuldades e expectativas de uma realidade bem melhor. Marciano Rodrigues, por exemplo, do município de São Raimundo das Mangabeiras, narrou a história de sua comunidade que produz frutas, milho e feijão, entre outras culturas. “Estamos precisando de apoio para melhor aproveitar a nossa produção”, disse ao ressaltar que parte da produção do caju se perde por não terem estrutura para, por exemplo, produzir a cajuína. “A nossa expectativa é de uma produção de 30 mil litros da cajuína”, contabilizou.

Sensibilizado, o secretário Fernando Fialho determinou aos técnicos da Sedes a elaboração de um estudo e de um projeto que viabilize o sonho de seu Marciano, que falou em nome de pequenos agricultores da comunidade. Também foram ouvidos pelo secretário e equipe técnica da Sedes, relatos de agricultores familiares de vários municípios, entre os quais, Sambaíba, Benedito Leite e São Domingos do Azeitão.

Fernando Fialho II“Todas essas demandas vão ser minuciosamente estudadas e vocês [agricultores familiares] podem ter certeza que a equipe da Secretaria buscará soluções práticas e eficientes para apoiá-los e assegurar meios para incrementar as suas produções. Hoje, constatei que o mais importante é a disposição de cada um por uma vida melhor”, finalizou Fialho.

Governadora prestigia estande da Sedes

A governadora Roseana Sarney visitou o estande da Secretaria do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), montado no Agrobalsas. Recepcionada pelo secretário Fernando Fialho e técnicos da Sedes, Iterma e Agerp, a da Gerência de Inclusão Sócioprodutiva (Gisp), a governadora ouviu relatos de agricultores familiares e de pequenos empreendedores que mostraram seus produtos.

A governadora observou o espaço onde estão sendo realizadas palestras educativas aos agricultores familiares que recebem orientações, assim como, apresentam propostas para melhorar o trabalho, a produção e produtividade das lavouras em suas comunidades.

Agerp discute parceria com empresa goiana para atuar no combate a endoparasitas

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão, (Agerp), órgão da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) – por meio do presidente, Jorge Fortes, esteve esta semana em Anápolis (GO), na sede da Champion Farmoquímico Ltda, a fim de conhecer de perto seus produtos para possível formalização de parceria.

ChampionA associação entre a Agerp e a Champion, será no sentido de combater endoparasitas e ectoparasitas em bovinos, caprinos e ovinos. Com esta ação, a Agerp atenderá aos agricultores familiares das regiões do Baixo Parnaíba Maranhense e Tocantina, respectivamente.

Os produtos veterinários Champion prestam serviços à pecuária nacional reduzindo altos custos em insumos fundamentais e de uso contínuo, como a mineralização e o controle de parasitos.

De acordo com Jorge Fortes, a iniciativa prevê para ainda este mês, uma série de atividades, dentre elas, visita do médico veterinário e coordenador de Capacitação da Champion, Jairo Barros, ao município de Vargem Grande para fazer o primeiro contato com produtores e elaborar o programa de parceria entre a empresa e esta Agência.

Barros visitará as regiões em questão para conhecimento dos locais onde serão desenvolvidos os treinamentos dos técnicos e a implantação de “Unidades de Referência e Tecnologia, (URT’s).

Também no projeto, estão previstos ainda, a realização de Dias de Campo, onde a Champion demonstrará seus produtos (características, dosagem, modo de uso e benefícios) para caprinocultores de leite e corte e pequenos criadores de gado, além de profissionais da área.

“O principal objetivo da associação é a transferência de tecnologia e ações que atendam nossos técnicos e posteriormente, aos agricultores familiares das regionais em questão”, salientou ele.

Além da programação, Fortes revelou que uma agenda está sendo montada previamente por técnicos da firma parceira, para que novos encontros e discussões aconteçam até o final do ano.

Ecoquintais transformam agricultores familiares de São Luís em empreendedores

Jorge Fortes, Fialho no calembeAgricultores familiares da zona rural de São Luís estão prosperando com os Ecoquintais, um modelo agroecológico de produção com conservação ambiental que integra o plantio de hortaliças, frutas e criação de animais. O primeiro Ecoquintal foi instalado em 2006, no assentamento Cinturão Verde, na Zona Rural da Ilha. Lá, a família Medeiros implantou o primeiro sistema de produção diversificada do Ecoquintal Lucrativo – Modelo Produtivo, em uma área de 30 x 100m. No início, era apenas mais uma forma de minimizar as despesas de casa, mas, com o tempo, tornou-se a principal renda da família, que hoje tira seu sustento do Ecoquintal.

Jeane, o marido e as duas filhas acreditaram que era possível ensinar as técnicas empregadas no projeto e ajudar outras famílias rurais a instalarem os Ecoquintais e progredirem economicamente. Pensando em fazer alguma coisa para a inclusão produtiva de famílias que vivem da agricultura familiar, ela e sua família procuraram uma área onde pudessem realizar esse sonho. Assim, o modelo de produção do Ecoquintal foi ampliado em 2009 para mais 13 famílias no povoado Calembi, a 22 km de São Luís.

A chegada da agricultora familiar Jeane Medeiros e sua família no povoado Calembi transformou a vida das famílias que já moravam na localidade ou que para lá se mudaram, atraídas pela notícia do sucesso econômico do Ecoquintal.

Além disso, as filhas do casal, Isis Lorenna, engenheira agrônoma e mestranda em Agroecologia, e Karol, pedagoga e técnica agropecuária, prestam as Calembe para siteconsultorias na área de capacitação para as comunidades, ministrando cursos sobre autogestão de empreendimentos rurais, manejo sanitário de cabras, agroecologia e compostagem, entre outros temas. Já o Ateliê Jóias do Campo abre, para realização nas comunidades, cursos de confecção de bonecas de pano e de produção de sabonetes artesanais, ministrados por filhas dos agricultores de Calembi.

Agora, o mais novo empreendimento da família Medeiros no Ecoquintal é o cultivo de alface na água (hidroponia) utilizando estufas. Ainda este ano deve acontecer, também, o cultivo de tomate na água – a estufa já está sendo preparada, com custo unitário em torno de R$ 17 mil.

Modelo produtivo

Existem quatro Ecoquintais em Calembi, envolvendo 32 famílias de agricultores. Os quintais produtivos estão implantados em 1,8 hectares de terra, com meio hectare reservado para a preservação do meio ambiente, todos com registo no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ).

A produção obtida é destinada à comercialização entre as próprias famílias que participam do projeto. Apenas o excedente é vendido para compradores externos como restaurantes e, também, para a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Esta semana, Maria Lucirene da Silva e Maria Cristina Santos, ambas agricultoras familiares proprietárias de Ecoquintais em Calembi negociaram a venda de cinco filhotes de cabras com três meses de idade da raça leiteira Saanner, com certificado de PO ( Puro de Origem). Os filhotes foram vendidos por Maria Cristina a Maria Lucirene ao preço total de R$ 1.500,00.

Maria Lucirene encontrou a superação da pobreza no modelo produtivo do Ecoquintal lucrativo. Ela conta com orgulho que investe na educação de todos os filhos como caminho para continuar melhorando de vida. A filha, Beatriz Cristina, fez o curso técnico de Agroindustrialização no Instituto Federal do ecoquintal IMaranhão (Ifma) e agora se prepara para fazer a prova do Enem para ingresso na universidade. “Ela vai fazer administração para administrar o próprio negócio da família”, disse Maria.

Ela fez o caminho inverso da maioria, trocando a cidade pelo campo e deixando o segmento de vendas como trabalhadora urbana, para se tornar agricultora familiar. Maria morava na Cidade Operária, na Zona Urbana de São Luís, e sobrevivia complementando a renda da família com a venda de cosméticos e com o benefício do programa Bolsa Família. Maria lembra o passado, quando andava de bicicleta vendendo cosméticos e diz que hoje tem casa de alvenaria com três quartos e três banheiros. Agora ela se prepara para comprar um carro para o transporte da sua produção.

Maria Cristina foi outra que também encontrou no Ecoquintal a mudança da situação de pobreza para a atividade empreendedora lucrativa. Ela diz que deu prioridade para comprar um veículo para transportar a sua produção com o lucro obtido no seu Ecoquintal, e já está construindo uma casa de laje. Agricultora na Maiobinha, ajudando os pais no plantio de hortaliças, ela abandonou a agricultura familiar, indo morar na Vila Conceição, no bairro do Coroadinho em São Luís, vendendo roupas para ajudar na renda familiar. Foi quando conheceu o modelo de produção do Ecoquintal, o que a fez retornar para a agricultura familiar. Maria foi considerada a melhor aluna do curso de extensão que as agricultoras empreendedoras nos Ecoquintais fizeram na Universidade Federal do Maranhão, “Desenvolvimento Rural Sustentável (DRS) Caprinocultura Leiteira”. Ela também mantém em sua casa um restaurante que fornece cozido de frango caipirão por encomenda.

“Antes eu não tinha criação de galinha e patos nem açude de peixes, vivia de salário mínimo. Agora sustento o meu próprio negócio”, relatou.

 Sistema Agroecológico

A agricultora Ana Maria de Souza, primeira moradora de Calembi, também encontrou no Ecoquintal a superação da extrema pobreza e o sossego que precisava para ela e a grande família (nove filhos, nove genros e noras e quinze netos). Quando adolescente Ana sobreviveu se vestindo de homem para poder limpar canoas de pescadores e, em troca, conseguir alimentos para os pais. Em 2005, ela chegou em Calembi e passou a trabalhar com o marido e os filhos na lavoura, utilizando o sistema de roça no toco, queimando a terra para poder plantar.

Quando o sistema agroecológico do Ecoquintal chegou à comunidade há quatro anos, Ana aprendeu a produzir sem tocar fogo na terra, preservando a vida do solo, aproveitando as proteínas das folhas que caem no solo e os outros adubos naturais, e fazendo o aproveitamento sustentável da área de produção. Ecoquintal IICom o conhecimento adquirido no curso de extensão da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), como o do plantio de árvores menores embaixo das maiores, ela fez um sítio com a plantação de variados tipos de árvores frutíferas.

Os nove filhos e três noras de Ana foram qualificados em produção irrigada de hortaliças em 2012, numa ação do Programa Geração Futura da Agricultura Familiar, da Secretaria de estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) que prepara jovens filhos de agricultores familiares em atividades produtivas, para darem continuidade à produção rural familiar. De lá para cá, os 12 jovens já fizeram 11 colheitas de hortaliças, numa experiência exitosa de empreendedorismo para jovens rurais.

Produtos

As agricultoras empreendedoras dos Ecoquintais produzem e comercializam produtos como peixe tambaqui (média de 1.000 kg por safra), pato, galinha caipira e caipirão, cabras, suínos, grama esmeralda, noni, entre outras frutas, hortaliças e sabonetes de plantas medicinais como vinagreira roxa e nin; de mel; de própolis; de leite de cabra e de argila.

Esforço conjunto

Diversas instituições acreditaram nos Ecoquintais idealizados por Jeane e sua família, e ajudaram os agricultores a instalarem as unidades de produção em seus quintais. O Governo do Estado, por meio da Sedes, construiu um poço artesiano em Calembi; a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), vinculada à Sedes, presta assistência técnica na criação de peixes e galinha caipira, e tem promovido dias de campo para disseminação de tecnologias, e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), também ligado à Sedes, está providenciando a titulação definitiva das terras para as famílias que moram no local.

Além de qualificar os agricultores em criação sustentável de cabras, a Uema, também, contribuiu com o projeto, e acaba de construir uma usina de J. Fortes e Fialho em palestre - Calembelaticínios em seu campus no bairro da Cidade Operária para o beneficiamento do leite de cabra oriundo dos Ecoquintais, que servirá ainda como escola para estudantes universitários e local de divulgação para visitação pública. A Fundação Banco do Brasil, também, doou um furgão para o transporte do leite, o Banco do Brasil financiou a criação de cabras e a Secretaria Municipal de Agricultura (Semapa) participa com assistência técnica aos agricultores na criação dos animais.

 

Fonte: Assessoria da Sedes.

Entrega de sementes e anúncios de obras marcam visita da governadora a Milagres do Maranhão

Durante visita ao município de Milagres do Maranhão, nesta terça-feira (7), a governadora Roseana Sarney fez a entrega de 1,7 toneladas de sementes de feijão e de Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. O documento é essencial para que os agricultores familiares obtenham créditos para financiamento de suas safras e outros benefícios, como moradias rurais.

Entrega de sementesNa sua passagem por Milagres do Maranhão, Roseana Sarney também anunciou a realização de obras de melhoria da estrada que dá acesso à cidade e a construção do santuário de Milagres, que vai fomentar o turismo religioso no município. Também entregou Carteira de Trabalho ao estudante Calebre Cardoso, emitida pelo caminhão do Viva Cidadão.

A governadora estava acompanhada do prefeito do município, José Augusto Cardoso; dos deputados estaduais Max Barros, Fábio Braga e Hélio Soares; do ex-deputado Paulo Neto; e de secretários de governo, entre eles o secretário de Infraestrutura, Luis Fernando Silva.

“Estamos aqui fortalecendo a agricultura familiar com a entrega de sementes e DAPs, para que gere mais emprego, mais renda. Estamos também com o Viva Cidadão para que a população possa tirar seus documentos, todos gratuitos. Estamos ainda com a caravana da saúde e anunciado obras. O governo trabalhando para melhorar a vida das pessoas e promover o desenvolvimento das cidades”, disse Roseana Sarney.

O agricultou Josenildo Silva Lima foi o primeiro a receber as sementes e agradeceu a ação do governo. “Esse é um grande beneficio para os agricultores da região, pois muitos não têm condições de comprar sementes de qualidade. Outra coisa boa é essa declaração, que nos possibilita a adquirir recursos federais para melhorar a produção”, disse José Augusto.

A parceria do governo com os municípios, segundo o secretário Luis Fernando Silva, é importante para o desenvolvimento das cidades do interior do Maranhão. “Este é um governo que trabalha que vai a cada município levando resultados. Nós estamos, hoje, anunciado a recuperação do ramal que liga a MA-034 até a cidade, a avenida principal da cidade está concluída, também feita com recursos do Estado, e a governadora também anunciou agora a construção do santuário que vai, com certeza ser um polo de atração turista para Milagres”, destacou o secretário. “O prefeito José Augusto está contente e o povo mais contente ainda”, completou Luis Fernando.

Para o prefeito José Augusto, a visita da governadora ao município demonstra o compromisso do governo com a população. Ele comemorou o anuncio de melhoria da estrada e a construção do santuário. “Essa são obras muito esperadas pela população e todo o povo de Milagres está feliz com o anúncio da governadora e com sua presença na cidade”, disse.

Serviços

Como parte das ações do Governo Itinerante, a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Cidadania promoveu panfletagem com folders e cartilhas sobre o registro civil de nascimento para esclarecer a população.

Para Milagres do Maranhão o governo também levou ações como emissão de carteira de trabalho, identidade, título de eleitor e CPF, realizadas no caminhão de serviço do Viva Cidadão, que fica na cidade até sexta-feira (19). Os serviços foram acompanhados pela governadora Roseana Sarney e sua comitiva formada por secretários de Estado e dirigentes de órgãos. Deputados, vereadores, prefeitos da região, lideranças comunitárias e moradores da cidade estiveram presentes em todos os momentos da visita.

GovernadoraDurante o itinerante foram intensificados serviços, como vacinação para atualização das carteiras de crianças, adultos, gestantes e idosos; mutirão de cirurgia de catarata e glaucoma, exames de prevenção de câncer ginecológico em mulheres em idade fértil, controle de hipertensão e diabetes.

A Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Sectec) e a Fundação de Amparo a Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico do Maranhão (Fapema) levaram para o município o Carro Laboratório Ciência Móvel e livros para serem doados a bibliotecas. Palestras, oficinas e exibição de vídeos integraram ainda as ações do Governo Itinerante.

A população também teve a oportunidade de participar de curso de Multiplicadores Ambientais, com o intuito de fortalecer e ampliar a cidadania ambiental na localidade. Também foram realizadas palestras sobre o Desenvolvimento da Pesca e Agricultura no município. Também houve apresentação do Programa Maranhão sem Drogas.

Dilma confirma criação de agência de assistência técnica e extensão rural

A  presidenta Dilma Rousseff confirmou nesta sexta-feira,  (3), durante a cerimônia de abertura da 79ª edição da ExpoZebu, em Uberaba (MG), a criação de uma agência de assistência técnica e extensão rural. “Temos de fazer assistência técnica e extensão rural de forma obsessiva”, disse Dilma em discurso, enquanto falava das diretrizes que guiarão o Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014, que será lançado no fim de maio.

Dilma“A Embrapa é um centro de pesquisas, não é um centro de extensão rural. Ela divulga, mas não tem uma estrutura para assistência técnica e extensão rural. Por isso, nós vamos criar a agência de assistência técnica e extensão rural porque nós sabemos que iremos mudar a produtividade da pecuária e da agricultura brasileira se fizermos assistência técnica e extensão rural, de forma obsessiva”, disse.

Segundo a presidenta, o objetivo da agência é levar avanços tecnológicos a produtores que não têm acesso, principalmente os pequenos e médios. Para ela, forma “obsessiva” significa trabalhar no limite da capacidade, fazendo com que a maioria dos produtores atinja um alto nível de produtividade.

Agerp expande tecnologia de integração entre lavoura e pecuária

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes) está realizando, com êxito, nos últimos quatro anos, na região Central do Maranhão, plantios PRS. dUTRA E eMBRAPAinovadores no estado, de integração entre lavoura e pecuária. A atividade, destinada à agricultura familiar, é realizada em conjunto com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) do Meio Norte.

A Agerp implantou quatro projetos de Integração Lavoura Pecuária (ILP) em três municípios: Presidente Dutra, Fortuna e São Domingos. As unidades de produção são como vitrines de conhecimento para que os agricultores familiares possam aprender a nova tecnologia de plantio de grãos consorciado com o capim e aplicar em suas lavouras.

Após a implantação, em 2009, do projeto piloto, no município de Presidente Dutra, com o plantio integrado de cinco hectares de milho e capim, a Agerp levou a tecnologia para os municípios de São Domingos e Fortuna. Ao final de maio, vão ser colhidos, em Fortuna, quatro hectares de milho que foram plantados junto com capim. É a segunda colheita de lavoura consorciada com capim que acontece no projeto piloto da Agerp no município.

De acordo com a chefe do escritório regional da Agerp de Presidente Dutra, Zaira Freitas Ferreira, a receita obtida com a colheita do Agerp Pres. Dutramilho ajuda o agricultor familiar a diminuir o custo de implantação do capim, pois há a diluição dos custos e produção de grãos.

Sobre o plantio consorciado no município de São Domingos, a Agerp e a Embrapa Meio Norte estão testando, pela primeira vez, o plantio de feijão da variedade Guandu, consorciado com milho e capim. Lá, a experiência também está sendo feita em quatro hectares.

Segundo Zaira Ferreira, o ILP promove a recuperação de áreas de pastagens degradadas juntando diferentes sistemas produtivos, como os de grãos e carne. Sem a pastagem degradada, não há a necessidade de buscar novas áreas. Também melhora a fertilidade do solo, enriquecido com matéria orgânica.

Com a integração lavoura pecuária não é preciso desmatar novas áreas. A tecnologia permite o plantio de várias culturas utilizando a mesma área. Se utiliza a pastagem para a cobertura morta para o plantio direto, que servirá de pasto na entressafra da cultura ou se tornará uma pastagem cada vez mais rica por período de dois, três anos”, explicou Zaira Ferreira.

O projeto Integração Lavoura Pecuária é resultado de pesquisas desenvolvidas pela Embrapa Meio Norte. Para que a Agerp pudesse Pres. Dutrainiciar o projeto no Maranhão, em 2009, técnicos dos escritórios regionais da agência nos municípios que fazem parte da Região Central do Maranhão foram treinados pela Embrapa Meio Norte. A Agerptambém realizou dois Dias de Campo para mostrar as tecnologias sobre integração da lavoura com a pecuária.

Técnicos da Embrapa Meio Norte avaliam que alguns dos resultados esperados com a integração lavoura e pecuária são a recuperação e manutenção do potencial produtivo de áreas cultivadas, aumento da produção de grãos e carne, aumento da renda do produtor rural, maior competitividade do agronegócio na região; melhorias no manejo e conservação do solo e da água; sustentabilidade dos sistemas de produção e redução da pressão na ampliação da fronteira agrícola.

O coordenador do Projeto de Integração Lavoura, Pecuária e Floresta, da Embrapa Meio Norte, Marcos Teixeira, disse que a integração lavoura pecuária é muito importante por proporcionar oportunidade aos agricultores familiares na produção de grãos, carne e leite na mesma área de cultiva da propriedade com tecnologias que elevam a produtividade das lavouras como a alta produtividade do milho em consórcio com capim e uma pastagem de alta qualidade e quantidade. Essa combinação contribui para melhorar os índices de ganho de peso em terminação de bois a pasto e de leite a pasto.

Técnicos da Agerp e agricultores familiares participam do Dia de Campo

Técnicos da Agerp e agricultores familiares participam do Dia de Campo sobre produção diversificada

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Agrícola do Maranhão (Agerp), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), realizou, na sexta-feira (3), na Unidade Produtiva denominada Ecoquintal, no povoado Calembe, zona rural de São Luís, Dia de Campo para discutir produção diversificada na Agricultura Familiar.

Capa Calembe - F e FA iniciativa teve como principal objetivo atender aos técnicos desta Agência e do município de São José de Ribamar, por meio de parceria com a prefeitura, bem como a agricultores familiares com informações relativas à experiências de produção de caprinocultura, avicultura, sistemas agroflorestais e hidroponia, com destaque para a sustentabilidade das atividades produtivas.

O Dia de Campo foi aberto com palestra sobre hidroponia com o professor doutor da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Eduardo Ferreira Rodrigues. Em seguida, técnicos e convidados participaram de mini palestras (Estações) com temas específicos propostos pela organização do evento.

Na abertura feita pelo secretário da Sedes, Fernando Fialho, pelo presidente da Agerp, Jorge Fortes e diretores da Agerp, houve interação entre os presentes e os dirigentes que responderam aos diversos questionamentos feitos na oportunidade.

Orientação Financeira

O secretário Fernando Fialho falou da satisfação em ver o desenvolvimento da Agricultura Familiar no estado e da regularidade da produção para que haja maior investimento na área escolhida. Além disso, propôs aos técnicos presentes, orientação financeira aos Calembe IVagricultores familiares assistidos pela instituição, a fim de haver melhor resultado em seus investimentos. Uma forma, segundo ele, de combater a pobreza no estado.

“Nós precisamos incorporar ao nosso discurso, orientação financeira ao agricultor familiar que atendemos. É uma forma dele ganhar mais, e com isso, o governo faça rotatividade de público”, disse ele, parabenizando à Agerp pela organização do evento.

O presidente da Agerp, Jorge Fortes, destacou o conhecimento necessário dos profissionais e a sua aplicação junto aos agricultores familiares, e ressaltou o uso da criatividade na aplicação dessas ações.

“Muito importante que nós enquanto técnicos da agricultura familiar possamos ousar em atividades que ressaltem conhecimentos para serem aplicados no campo aos agricultores familiares, visando com isso, o combate à pobreza”, acentuou Fortes.

A agricultora familiar e proprietária da Unidade Produtiva Ecoquintal, Jeane Medeiros, frizou que receber a equipe da Agerp para uma atividade como o Dia de Campo é importante porque agricultores de várias outras comunidades participaram e aprenderam, para investir em suas propriedades.
Calembe VIII“Trabalhar com agricultora familiar é prazeroso. Utiliza-se bastante tecnologia a partir da assistência técnica da Agerp”, disse Jeane, destacando o alimento de qualidade produzido a partir de tecnologias que minimizam os impactos ambientais por se tratar de sistema agroecológico.