Facebook Twitter Instagram

Maranhão sedia 3º Fórum dos Secretários ligados à Agricultura Familiar

Nesta quinta (20) e sexta-feira (21), no Grand São Luís Hotel, o Maranhão sediu o 3º Fórum dos Secretários de Estado Responsáveis pelas Políticas de Apoio à Agricultura Familiar do Nordeste. O primeiro dia de reunião contou com a presença do governador do Estado, Flávio Dino, na discussão sobre propostas de assistência técnica rural para a região, principal pauta do evento.

O governador Flávio Dino ressaltou a importância da reunião como um momento de tomada efetiva de ações no país. “Durante décadas focamos no aumento do consumo de massa, mas, hoje, temos um olhar sobre a produção, produtividade e competitividade. Hoje, no Brasil, podemos ficar pessimistas, presos às agências de classificação de risco com seus critérios incompreensíveis, ou podemos fazer o que estamos fazendo aqui hoje: tratar do desenvolvimento da produção”, disse o governador.

Foto1_KarlosGeromy_ 3º Fórum à Agricultura Familiar

Falando sobre as ações para estimular a cadeia produtiva de alimentos no Maranhão, Flávio Dino destacou o trabalho do Sistema de Agricultura Familiar, composto pela  Secretaria de Estado de Agricultura Familiar – SAF, e as vinculadas: Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), que além de organizar o encontro de secretários, prepara a primeira Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnologia (Agritec), que tem a meta de promover conhecimentos aos agricultores.

“Apoiamos toda a cadeia de produção, desde a distribuição da semente até a assistência técnica. Temos 90 novos técnicos para essa função no âmbito do programa ‘Mais IDH’. Em uma semana vamos começar a feiras da agricultura familiar. Nesse segundo semestre serão quatro feiras, a primeira delas na cidade de São Bento. São feiras de tecnologia e comercialização. Queremos que a agricultura familiar ganhe uma dimensão econômica mais expressiva, não seja apenas de subsistência, mas uma atividade capaz de gerar excedentes comercializáveis, a fim de dinamizar a economia maranhense e elevar a qualidade de vida da população”, disse Flávio Dino.

O Fórum conta com a presença dos secretários, representantes e comitivas das secretarias de agricultura familiar dos estados do Nordeste e de Minas Gerais; da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA; Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural – ANATER; Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola – FIDA; Associação Brasileira das Entidades Estaduais – ASBRAER, Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e Projeto Semear.

O secretário de Agricultura Familiar do Maranhão, Adelmo Soares, que em 2015 coordena as atividades desenvolvidas nas reuniões, abriu o painel da manhã, que teve como tema “Uma proposta de ATER para o Nordeste”, destacando a importância dos parceiros presentes no evento. “Vivemos um momento histórico em nosso estado. Durante décadas houve o absoluto esquecimento das políticas públicas voltadas à Agricultura Familiar. O Maranhão é um estado potencialmente rico, com terras, com água e com um povo trabalhador e ordeiro, que sonha em desenvolver esse estado, um estado que tem 90% de sua população vivendo em zona rural. Somos um estado que valoriza parceiros como a Embrapa, o FIDA, como o MDA, com a ATER, a ANATER, enfim, todos presentes aqui”.

Adelmo Soares também pontuou o nascimento da SAF e sua missão. “Buscamos levar nosso agricultor ao desenvolvimento, prova disso é nossa Secretaria, recém-criada, e que nasceu da reivindicação dos movimentos sociais, como o MST”, completou o secretário.

Apresentações

O diretor técnico do serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural – ATER, Walmir Guimarães, mostrou dados do fortalecimento da agricultura familiar e promoção do desenvolvimento rural. “Temos um trabalho de longo prazo, não podemos pensar em transformações apenas de imediato. Hoje temos oportunidade de sentar o pilar da superação da pobreza rural. O Nordeste possui um desafio em três frentes: econômica, com criação de postos de trabalho e distribuição de renda; ambiental, na convivência com o semiárido; e social, na superação da pobreza rural”.

O diretor-executivo de Transferência de Tecnologia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA, Waldyr Stumpf Junior, falou sobre o compromisso da instituição em convergir o ensino, pesquisa e extensão rural. “A pesquisa tem de estar a serviço do desenvolvimento, e não fechada. Precisamos olhar para as famílias e incluí-las”, disse Waldir.

Para o presidente da Anater, Paulo Guilherme Cabral, que participa do Fórum pela primeira vez, o NE está no caminho certo. “Vemos que nos últimos 10 anos houve um avanço no volume de crédito concedido e outros instrumentos de políticas públicas que foram criados como o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), o PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escola) e a própria assistência técnica de extensão rural. Estamos em uma perspectiva de avanço, crescimento e reconhecimento da agricultura familiar, inclusive pelo desejo crescente da população por um alimento mais saudável e produção sustentável”, disse.

Enquanto coordenador do primeiro Fórum, realizado em Fortaleza em 2013, o Secretário de Desenvolvimento Agrário do Ceará, Dedé Teixeira, pontuou a necessidade da articulação entre as secretarias. “Já fizemos duas reuniões, a primeira no Ceará, e, a segunda, em João Pessoa. Aqui em São Luís temos o compromisso de apontar setorialmente os desafios, focando na erradicação da pobreza rural e incentivo à produção familiar, que é de extrema importância para o desenvolvimento não só do Nordeste, mas de todo o Brasil”. A programação do III Fórum prossegue nesta sexta-feira (21), encerrando à tarde com a reunião preparatória do novo marco estratégico do FIDA no Brasil.

 

Fonte: SAF

 

Governo conclui preparação dos técnicos que irão dar assistência a pequenos agricultores

O Governo do Estado, por meio do Sistema de Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF) e as vinculadas, Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) , encerrou, na última sexta-feira (14), a capacitação teórica dos 90 técnicos que vão levar assistência técnica rural para agricultores familiares nos 30 municípios mais pobres do Maranhão, incluídos no Plano de Ações “Mais IDH”.

unnamed

O treinamento foi realizado em duas semanas com a participação de técnicos de órgãos de pesquisa como , Agerp, Iterma, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Centro de Apoio aos Pequenos Empreendimentos do Estado do Maranhão (Ceape).

O presidente da Agerp, Fortunato Macedo, ressaltou que o trabalho dos técnicos é fundamental para o desenvolvimento da agricultura familiar, por isso deve ser comprometido com o produtor maranhense, com a melhoria da qualidade de vida das famílias mais pobres do Estado. “Cada técnico será um agente de mudanças a partir de agora. Afinal, o Maranhão é de todos nós e a responsabilidade também”, enfatiza Fortunato.

O secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, que participou do encerramento do curso, ressaltou o espírito de união e determinação que deve motivar cada técnico capacitado, em cada órgão envolvido, assim como na sociedade organizada, e passou uma mensagem às equipes. “Aqui nós temos representantes da Secretaria da Mulher, do Iterma, Agerp, Ceape e essa parceria prova que o governo Flávio Dino é participativo e de união. É dessa forma que almejamos que os senhores trabalhem na transformação da realidade das famílias no campo”, disse Adelmo.

Além da capacitação teórica os técnicos vão participar, na próxima semana, de aulas práticas, com treinamentos em tecnologia da informação, com o objetivo de aprender como operar sistemas de banco de dados, com o uso de tabletes, para georreferenciar e diagnosticar as áreas atendidas.

Sistecs

Após o treinamento, os técnicos vão conhecer, em Parnaíba (PI), o “Sisteminha Embrapa”, que combina a criação de peixes em tanques, construídos com materiais simples como palha, barro, papelão, madeira, plástico e criatividade. É com base no Sisteminha que o Governo do Maranhão está instalando o Sistema Integrado de Tecnologias Sociais (Sistecs), que irá beneficiar, inicialmente, três mil famílias dos 30 municípios do Mais IDH. Na aula prática, no Piauí, pioneiro no projeto, os técnicos vão adquirir conhecimentos importantes para a instalação dos Sistecs no Maranhão.

“Nós temos um desafio muito grande que é reverter essa situação de miséria que o estado do Maranhão se encontra. O governador vem com essa perspectiva e eu fico muito feliz em poder fazer parte dessa equipe, de ser um agente transformador com o objetivo de melhorar a vida das famílias mais necessitadas”, afirma Solaneide Rezende, gestora da regional da Agerp em Bacabal, que receberá nove técnicos para atender municípios da região que estão no “Mais IDH”.

Fonte: SAF

Sistema de Agricultura Familiar realiza Dia de Campo em Codó

O Governo do Estado realizou nesta quarta-feira, 05, um Dia de Campo sobre alimentos biofortificados no município de Codó. O objetivo do encontro foi demonstrar as características diferenciadas, a qualidade e a importância do cultivo e comercialização de produtos biofortificados, como alternativa para o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar da região.  O evento se deu por meio de uma parceria entre Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Embrapa Meio Norte, Embrapa Agroindústria de Alimentos, Rede BioFort e Harvest Plus.

unnamed (2)

O local escolhido para sediar o momento de integração no campo foi o povoado Barra do Saco, na propriedade do produtor de maior referência da região, Onias Vieira de Santana, ou como popularmente é conhecido: ‘Baixote’. O agricultor recebeu o projeto da Rede Biofort como experimento e já produz os cultivares biofortificados de batata-doce, feijão-caupi e milho.

Com um público de mais de 200 pessoas, entre autoridades e produtores rurais do povoado e adjacências, a produção babata-doce biofortificada e feijão caupi foi demonstrada com a orientação dos técnicos da Embrapa, que informaram sobre o cultivo variado, os tratos culturais, o manejo de pragas e plantas daninhas, forma adequada de colheita e auxilio com as técnicas de  comercialização dos produtos, apontando para disseminação da experiência modelo do pequeno agricultor e anfitrião do evento, Baixote, marcando a entrada do projeto BioFort no Maranhão.

O presidente da Agerp, Fortunato Macedo, apontou a importância da realização do Dia de Campo, organizado pela equipe técnica da Regional Codó, como ferramenta de incentivo para a agricultura familiar. “Nosso objetivo é levar tecnologia e segurança nutricional com os produtos biofortificados, e com isso garantir a mudança na realidade do produtor rural, dando apoio e visibilidade a experiências exitosas e que servem de modelo, como a deste famoso agricultor”, disse.

De acordo com o secretário da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, o Dia de Campo de Codó é mais uma ação do Governo do Estado para desenvolver a agricultura familiar através do conhecimento e troca de experiências. “Este espaço é um momento que reúne agricultores e técnicos da Agerp que vão levar aos seus municípios o que viram aqui. A experiência com produtos biofortificados vem crescendo no mercado, além da qualidade em termos nutricionais, esses produtos ajudam a incrementar a renda do nosso agricultor, é um projeto importantíssimo para garantir a segurança alimentar,” disse.

O chefe de transferência tecnológica da Embrapa Meio Norte, Bruno Almeida, destacou o uso de tecnologia e do desenvolvimento da pesquisa dentro da agricultura familiar, como foco principal para a melhoria da qualidade de vida do pequeno produtor.

O processo de biofortificação  é conduzido no Brasil pela  Embrapa, por meio do projeto BioFORT, que promove o enriquecimento dos alimentos pertencentes à dieta básica da população, no intuito de diminuir a desnutrição e garantir maior segurança alimentar. Na técnica da biofortificação há o crescimento do teor de micronutrientes como pró vitamina A, ferro e zinco, deixando os alimentos com até vinte vezes mais vitaminas e minerais.

De acordo com o coordenador da Rede Biofort José Luís, a Rede atua há 10 anos no Maranhão e considera a realização deste Dia de Campo o maior já realizado, devido à valorização que o trabalhador rural tem conseguido neste Governo. O coordenador destacou ainda que os produtos trazem não apenas valor nutricional, mas melhoram a renda do produtor.

“Vemos hoje aqui vários agricultores de lugares diferentes do Estado, isso mostra a importância deste projeto dentro da agricultura familiar, ainda mais quando o Governo do Estado está na luta para reverter o baixo IDH,” disse José Luís.

unnamed (3)Os presentes no encontro tiveram a oportunidade de visitar a área de plantio do produtor Baixote, que há três anos trabalha com produtos biofortificados e os comercializa via Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) para as escolas municipais de Codó. Muito confiente, o agricultor agradeceu o apoio do Governo do Estado na realização do projeto.

“É preciso coragem na vida e é preciso da força do Governo para tocarmos nosso projeto, e a vinda do secretário Adelmo fortifica a gente para continuar lutando,” contou.

Adelmo Soares, durante a solenidade de abertura, garantiu que serão destinados ao município de Codó, 20 kits de irrigação para melhorar a produção dos agricultores. Além disso, o secretário  anunciou que o povoado Vila Fomento, zona rural de Codó, vai receber investimentos na ordem de R$ 200 mil para revitalização de um laboratório de criadouro de alevinos.

Estiveram presentes o prefeito de Codó, Zito Rolim;  o analista da Embrapa Meio-Norte, Marcos Jacob de Oliveira,  o vice-presidente do CONSEA -MA, Miércio Robert; representantes das secretarias de Município de Educação, secretarias de Agricultura de Codó e municípios vizinhos e vereadores municipais.

Inscrições abertas para o Plano Garantia-Safra 2015/2016

Os agricultores familiares do Nordeste e Semiárido Brasileiro, das áreas abrangidas pelo seguro Garantia-Safra 2015/2016, promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), devem ficar atentos aos prazos de inscrição e adesão ao programa, iniciados em 1° de julho.

Para os municípios da região Nordeste, o prazo de inscrição será encerrado em 20 de setembro, já para os municípios do Semiárido, as inscrições vão até 20 de outubro.

O Garantia-Safra deve beneficiar mais de 1,3 milhão de agricultores. Os inscritos receberão um boleto na prefeitura, no valor de R$ 17,00, e deverão se dirigir a uma lotérica ou agência da Caixa Econômica Federal para fazer o pagamento dentro do prazo de cada município.

Na safra 2015/2016, o valor do Garantia-Safra será de R$ 850,00 por agricultor, divididos em cinco parcelas de R$ 170,00.

Valores do aporte e cotas por estado

O benefício do Garantia-Safra é pago com recursos do Fundo Garantia-Safra, composto por contribuições do agricultor, do município, do estado e da União. Na safra 2015/2016, a contribuição do agricultor é de 2% do valor do benefício (R$ 17,00), o município paga 6% (R$ 51,00 por agricultor); o estado contribui com 12% do valor ao Fundo (R$ 102,00) e a União paga, no mínimo, 40 % (R$ 340,00 por agricultor que aderir ao Garantia-Safra).

O programa terá 30 mil cotas para o Maranhão, 350 mil cotas para  estado do Ceará, 345 mil para a Bahia, 160 mil para Pernambuco, 150 mil para o Piauí, 120 mil para a Paraíba, 70 mil para Minas Gerais, 65 mil para o Rio Grande do Norte, 35 mil para Alagoas, e 25 mil para o Sergipe.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Governo realiza capacitação para 90 novos técnicos que atuarão no “Mais IDH”

O Governo do Estado, por meio do Sistema de Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF) e seus órgãos vinculados: Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão, iniciou na manhã desta segunda-feira, 03, o curso de capacitação e formação dos agentes de Assistência Técnica (ATER) que atuarão no plano “Mais IDH”.

unnamed (1)

A capacitação tem como proposta favorecer formação qualificada aos 90 novos técnicos, fortalecendo as ações do sistema de assistência técnica, na perspectiva de elevar a qualidade de vida dos agricultores familiares incluídos nos 30 municípios de menores IDH do Maranhão e suas organizações sociais, para que possam ampliar a capacidade de acesso a políticas públicas direcionadas à agricultura familiar e ao conjunto de ações de inclusão produtiva destinadas ao combate à pobreza.

Na abertura do evento, o presidente da Agerp, Fortunato Macedo, enfatizou a contribuição da Agência e a participação dos novos técnicos no processo de transformação da agricultura familiar no Maranhão: “A Agerp é o órgão estadual responsável pela disseminação da assistência técnica e da pesquisa para os agricultores familiares em todo o Estado. Com a composição deste novo quadro de profissionais, realizaremos esta tarefa desafiadora que é levar pesquisa e tecnologia ao homem do campo, integrar e executar políticas públicas voltadas para a geração de renda, e contribuir para elevar os índices de desenvolvimento no Maranhão”, disse.

 

O secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, disse que os profissionais de Ater têm uma missão muito importante que é contribuir na transformação da realidade difícil no meio rural. “Queremos nesse time pessoas ativas, com o espírito de transformação da vida dos agricultores. Nosso governador Flávio Dino é proativo e assim devem ser aqueles que serão os olhos do governo no campo”, enfatizou Adelmo.

“Alterar indicadores sociais é um desafio muito ousado. Hoje temos mais de mil assentamentos no Maranhão, com cerca de 130 mil famílias assentadas, mas somente 20% desses agricultores recebem assistência por meio de chamadas públicas. Por isso é uma tarefa desafiadora que os técnicos terão para mudar essa realidade. A capacitação já é o começo desse grande desafio”, disse o representante do MST no Maranhão, Elias Araújo.

A capacitação dos profissionais, 45 engenheiros agrônomos e 45 técnicos agrícolas, vai acontecer em mais de quatro semanas, com aulas teóricas e práticas, onde irão conhecer os objetivos do Plano Mais IDH, os projetos de agricultura familiar da SAF e como funciona as ações do Estado voltadas para o campo, que preveem mais produção com assistência técnica, crédito e acesso à terra. O treinamento é realizado por técnicos da SAF e da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária do Maranhão (Agerp).

Participaram da solenidade de abertura  o secretário-adjunto de Agricultura Familiar, Júlio Mendonça; o diretor da Agerp, Pedro Pascoal; representantes da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura do Maranhão (Fetaema); Federação Estadual dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fetraf); Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB); e a Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão (Aconeruq).