Facebook Twitter Instagram

Agerp discute, na última Conferência Territorial deste ano, estratégias para fortalecimento da assistência técnica

grupo-conferência

O Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhao (Agerp), realizou este ano, sete Conferências Territoriais de Assistência Técnica e Extensão Rural (CTATER). As Conferências têm como objetivo definir estratégias e ações prioritárias para promover a universalização da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) de qualidade aos produtores do Maranhão, por meio do diálogo e interação entre sociedade civil, poder público e representações de agricultores familiares.

Foram realizadas Conferências nos territórios Cerrado Amazônico, Cocais, Lençóis Munim, Vale do Mearim, Baixada Ocidental, Vale do Itapecuru e Cerrado Sul. As discussões foram baseadas em três eixos principais, “Sistema nacional de Ater”, “Ater e políticas públicas para a agricultura familiar” e “Formação e construção do conhecimento na Ater” que foram definidos pelo MDA.

 

A realização das Conferências Territoriais é pré-requisito para a Conferência Estadual que acontecerá em abril de 2016 e esta, é requisito para a 2ª Conferência Nacional de Ater (CNATER). A CNATER está prevista para ocorrer entre 31 de maio e 3 de junho de 2016 e é uma realização do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) sob a coordenação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf).

“A conferência é um espaço de congregação de diversas forças, uma oportunidade para que os atores do processo de desenvolvimento rural dialoguem sobre os rumos de uma nova Ater no Maranhão, por meio da disponibilização de diferentes políticas públicas para os agricultores familiares, como inclusão social, alimentação saudável de forma sustentável e renda para famílias do campo”, disse Presidente da Agerp, Fortunato Macedo.

 

Em 2016 será dada a continuidade nas Conferências nos territórios do Baixo Parnaíba, Médio Mearim, Campos e Lagos e Metropolitano.

Além do secretário Adelmo, estavam presentes na Conferência em Balsa, coordenador de Ater, José Mesquita,  o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural- AGERP, Fortunato Macedo, Diretor de Ater da Agerp, Pedro Pascoal, Gestor Reginal da Agerp de Balsas, Aldecy Pereira, delegado do MDA Vicente Mesquita, Diretor do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão, Chico Freitas e coordenador dos escritórios regionais da Agerp, Aldean Bezerra.

 

Agerp promove curso de criação racional de abelhas na região do Vale Mearim

Alunos recebem orientação técnica sobre criação racional de abelhas, promovida pelo biólogo da Agerp, José Malheiros

Alunos recebem orientação técnica sobre criação racional de abelhas, promovida pelo biólogo da Agerp, José Malheiros

Na quarta edição da Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão em 2015 (Agritec Bacabal), realizada entre os dias 10 e 12 de dezembro, o Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), participou do evento, promovendo o curso de criação racional de abelhas. O objetivo é divulgar a meliponicultura e apicultura na região do Vale do Mearim.

O curso reuniu produtores, técnicos, professores, pesquisadores e estudantes de áreas correlatas para a disseminação de conhecimentos sobre a atividade e a necessidade de preservação das espécies, com o desenvolvimento da criação racional das abelhas sem ferrão do tipo Tiúba (meliponafasciculata), nativas da região amazônica maranhense, cuja atividade é conhecida como meliponicultura; e a criação de abelhas do tipo africanizada (Apismelifera), espécie com ferrão que passou por processo de miscigenação no Brasil, associadas à apicultura.

Para o biólogo da Agerp, José Malheiros, responsável pela coordenação do projeto de apicultura e meliponicultura na Agritec, a participação do público em geral foi satisfatória e surpreendente. “A região do Vale do Mearim conta com poucos criadores, desta forma, superamos nossa expectativa. Tivemos a oportunidade de mostrar que a atividade do ponto de vista econômico é rentável e pode ser desenvolvida na região, que é detentora de pasto para as abelhas e condições climáticas favoráveis. Precisamos incentivar para que haja criadores, essa é a ideia”, afirmou.

A programação contou palestras e minicurso voltado para a equipe do Corpo de Bombeiro local, proporcionando mais informações e conhecimentos técnicos sobre o comportamento e manejo das abelhas africanizadas, atendendo a solicitação destes profissionais, bastante procurados para fazer a captura de enxames de abelhas africanizadas na região. Incluiu ainda a vitrine tecnológica, que contou com presença de jovens interessados na criação, coleta de mel, e processamento de cera, assim como e a comercialização realizada peloprodutor Joselias Castro,como mel de Tiúba e cera.

Para o estudante Wanderson Silva, de 20 anos, morador do município Lagoa Grande, o curso sobre criação racional de abelhas foi bastante proveitoso. “Onde moramos existem muitos casos de aparecimento dessas abelhas e não sabemos como cuidar delas. Aqui tivemos a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre as espécies e como utilizá-las para melhorar nossa renda. Vou aplicar tudo o que foi aprendido na minha comunidade”, disse.

José Malheiros afirmou que para as próximas edições do evento destinará um espaço maior para a exposição das abelhas e oferecerá uma melhor estrutura, com mais equipamentos, produtos, fortalecendo o processo de criação de abelha e incentivando as atividades da meliponicultura e apicultura na agricultura familiar do Maranhão.

 

Agerp promove reunião de nivelamento com gestores regionais

FOTO-1---Matéria-3

A Agerp reuniu na última terça-feira (15), diretores, coordenadores e gestores dos 19 escritórios regionais do órgão. O encontro foi realizado no Hotel Praia Mar, na Ponta D’Areia, com o objetivo de avaliar e nivelar as ações realizadas em 2015.

Os líderes da Agerp estiveram reunidos com a Secretaria de Estado da Secretaria da Agricultura Familiar (SAF), Agricultura e Pecuária (Sagrima) e Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED) para debater sobre o programa Mais Sementes e projetos voltados para principais cadeias produtivas do Maranhão.

Dando continuidade ao evento, a equipe da Agerp promoveu em um segundo momento uma reunião institucional, conduzida pelo presidente da Agerp, Fortunato Macedo e pelo diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural, Pedro Pascoal. Na oportunidade, os gestores discutiram as ações realizadas, as principais dificuldades, acertos nesse primeiro ano de gestão e debateram a construção do planejamento para 2016.

Para o presidente da Agerp, Fortunato Macedo, com o encontro  foi possível verificar o empenho e comprometimento dos gestores em levar assistência técnica e extensão rural com excelência por todo o Maranhão. “Esse é um momento de aproximação, de construir coletivamente alternativas para desenvolver ainda mais nosso trabalho na Agerp. Só com a contribuição de nossos gestores podemos enfrentar os desafios do ano que está por vir”, afirmou.

O Diretor de ATER, Pedro Pascoal, ressaltou a importância de ouvir os gestores e suas propostas para o ano de 2016. “Ninguém com mais propriedade que os gestores regionais para apontar as dificuldades vivenciadas em seu dia a dia. Essa reunião é de grande importância para o fortalecimento da instituição, pois é reunindo todos os líderes que conseguimos alinhar os pontos e colocar a equipe em uma mesma direção, todos falando a mesma linguagem”, destacou.

A reunião contou com a presença do coordenador de Ater da Agerp, Arthur Soares, do coordenador dos escritórios regionais, Aldean Cavalcante e com os gestores dos 19 escritórios regionais da Agerp, localizadas nos municípios de Açailândia, Bacabal, Balsas, Barra do Corda, Caxias, Chapadinha, Codó, Imperatriz, Itapecuru-Mirim, Pedreiras, Pinheiro, Presidente Dutra, Rosário, Santa Inês, São João dos Patos, São Luís, Timon, Viana e Zé Doca.

 

 

 

 

Agerp promove Conferência Territorial de Assistência Técnica em Bacabal

Representantes de organizações da agricultura familiar e instituições de Ater, Adelmo Soares (secretário da SAF); Solaneide Resende (Agerp); Vicente Mesquita (MDA); Inaldo da Silva (secretário de Agricultura de Bacabal); Josimar Chaves (CODETER) e Ângela Silva (FETAEMA). Foto: Divulgação

Representantes de organizações da agricultura familiar e instituições de Ater, Adelmo Soares (secretário da SAF); Solaneide Resende (Agerp); Vicente Mesquita (MDA); Inaldo da Silva (secretário de Agricultura de Bacabal); Josimar Chaves (CODETER) e Ângela Silva (FETAEMA). Foto: Divulgação

A 1ª Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec) – Território Vale do Mearim, realizada em Bacabal, de 10 a 12 deste mês, sediou mais uma Conferência Territorial de Assistência Técnica e Extensão Rural (CTEATER).

Líderes de organizações e movimentos sociais ligados à agricultura familiar, representantes e técnicos de instituições públicas e entidades prestadoras de serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) participaram da conferência, realizada na sexta-feira (11). O objetivo foi discutir e construir propostas de aperfeiçoamento das políticas Estadual e Nacional de Assistência Técnica.

O evento contou com a participação de mais de 100 representantes de setores da sociedade, prestadoras de assistência técnica, representantes do poder público municipal, estadual e agricultores familiares dos municípios de Altamira, Bacabal, Bom lugar, Conceição do Lago Açu, Lago da Pedra, Lagoa Grande, Marajá do Sena, Paulo Ramos, São Mateus e Vitorino Freire.

O secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, reforçou a importância das práticas de assistência técnica e extensão rural no estado. “Por meio do fortalecimento da Ater, promovendo debates, trocas de experiências, incentivando o conhecimento e a produção, podemos transformar a realidade dos agricultores familiares maranhenses”, disse.

A Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp) esteve presente, com a participação da gestora do escritório regional de Bacabal, Solaneide Resende; do diretor de Pesquisa, Sayd Zaidan, além de técnicos da região do Vale do Mearim.

Para Solaneide Resende, a conferência é uma maneira democrática de discutir propostas e soluções para a construção de um novo sistema nacional de assistência técnica.

Por meio de grupos de trabalho temáticos, foram eleitos 14 delegados da sociedade civil e do poder público, considerando alguns critérios, como paridade de gênero e proporção etária. Os eleitos irão representar o Maranhão na 2ª reunião do Comitê Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Cnater).

Esta é a quinta conferência territorial realizada no Maranhão. É um pré-requisito para a Conferência Estadual que acontecerá em abril de 2016. Já a 2ª Conferência Nacional de Ater (Cnater), organizada a partir das estaduais, será de 31 de maio e 3 de junho de 2016. A realização é do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) sob a coordenação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf).

O delegado federal do Ministério de Desenvolvimento Agrário no Maranhão (MDA), Vicente Mesquita, destacou a contribuição de vários segmentos durante a conferência para garantir que as políticas contemplem a todos os segmentos da agricultura familiar. Ele ressaltou que a participação do Maranhão é fundamental para a reconstrução do sistema de agricultura familiar.

Participaram da conferência representantes do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Maranhão (Fetaema) e da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf).

Entre os presentes, o secretário de Agricultura do município de Bacabal, Inaldo da Silva; os secretários adjuntos de Comercialização e Organização Produtiva, Francisco Salles, e de Extrativismo, Povos e Comunidades Tradicionais, Luciene Figueiredo, da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF); e o coordenador do Colegiado de Desenvolvimento Territorial de Assistência Técnica e Extensão Rural do Vale do Mearim, Josimar Chaves.

Agerp promove Oficinas de Políticas Públicas para agricultores familiares do Baixo Parnaíba

O Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), realizou entre 07 e 08 dezembro, no município de Araioses e Tutoia, a Oficina de Políticas Públicas para agricultores familiares da região, ação que integra a Chamada Pública do Baixo Parnaíba.

ARAIOSES

Durante dois dias, o evento mobilizou 260 agricultores familiares dos povoados João Peres, em Araioses e Comum, localizado no município de Tutóia. A atividade teve como objetivo garantir conhecimento e facilitar o acesso do homem do campo as principais políticas públicas direcionadas a agricultura familiar, contribuindo para a redução da pobreza no Estado.

Para isso, a programação contou com palestras sobre consórcios públicos, comercialização de produtos e políticas públicas, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), assim como, o trabalho de assistência técnica e Extensão Rural desenvolvido pela Agerp no Maranhão.

Para a coordenadora da Chamada Pública do Baixo Parnaíba, Solange Pinto, as oficinas serviram para apresentar outras opções de melhoriada qualidade de vida das famílias do campo, como a possibilidade de comercialização dos produtos para escolas, por meio do PNAE. “Os projetos produtivos desenvolvidos nestas regiões precisam estar aliados a estas políticas públicas, tornando possível a comercialização dos produtos e incentivandoa vocação produtiva dos agricultores. Assim, podemos realizar projetos mais estratégicos, adequados à realidade do município”, explicou.

Para facilitar a participação do público, composto em maior número por mulheres, a organização do evento promoveu oficinas de recreação com as crianças presentes, que contou com jogos e brincadeiras lúdicas. Para Solange, as mulheres têm sido protagonistas na gestão da renda familiar. “Elas estão buscando independência financeira e são conscientes da importância de ter uma renda consolidada. A recreação foi fundamental para que elas tivessem foco nas palestras e adquirissem conhecimentos para melhor administrar os recursos da família”, disse.

tutóia-2

O presidente da Agerp, Fortunato Macedo, destacou a importância de realizar as oficinas nas comunidades. “Promover essas oficinas é fundamental para garantir o acesso à informação para os agricultores familiares sobre as principais políticas públicas, pois é por meio do conhecimento que conseguimos construir um Maranhão melhor”, disse.

Participaram do evento o coordenador de assistência técnica e extensão rural, Arthur Soares; o diretor de pesquisa SaydZaidan; o gestor regional da AgerpChapadinha; a agrônoma Consuêlo Costa;e equipe técnica local. A ação também contou com a presença de autoridades do município de Tutóia, Raimundo Baquil, Secretário de Administração, Geovani Koerich, Secretário de Assistência Social, Francisco Carvalho e o Secretário de Agricultura, Nicolau da Silva.

 

Agerp promove curso sobre prática de GPS e Cadastro Ambiental Rural para técnicos

Dando continuidade aos cursos de capacitação promovidos pela Agerp, nesta terça-feira, 01, cerca de 25 técnicos das regionais de Chapadinha e Itapecuru, incluindo ainda os técnicos envolvidos no programa Mais IDH, participaram da segunda etapa do curso sobre prática de GPS e Cadastro Ambiental Rural – CAR, ministrado pela Coordenação de Formação e Capacitação Rural da Agerp, garantindo qualificação aos profissionais da instituição.

FOTO-3---CAPACITAÇÃO-CHAPADINHA

Agerp participa de Seminário de ‘Boas Práticas’ em Brasília

FOTO 6

Com o objetivo de identificar e propagar boas práticas nos serviços de assistência técnica e extensão rural (Ater) na agricultura familiar, o Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), participa em Brasília entre os dias 01 e 03 de dezembro, do Seminário Nacional de Boas Práticas de Ater.

Durante o evento, promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e coordenado pela Associação das Entidades de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer), serão apresentadas 57 experiências inovadoras realizadas por instituições de Assistência Técnica e Extensão Rural, agricultores familiares, assentados da reforma agrária, com contribuição comprovada para o setor no país.

O serviço de assistência técnica e extensão rural constitui um importante instrumento de apoio ao desenvolvimento rural. A Agerp, órgão vinculado a Secretaria de Estado da Agricultura familiar (SAF), é o irradiador da Ater no Maranhão está levando tecnologia, qualificação e conhecimento para agricultores familiares de todo Estado.

De acordo com o diretor de Ater da Agerp, Pedro Pascoal, que representa a instituição no evento, o seminário vai impulsionar a extensão rural. “As boas práticas estimulam e reforçam as demandas por políticas públicas mais efetivas e com maior capacidade de envolvimento para o homem do campo”.

O encontro é uma iniciativa que integra o Plano de Inovação na Agricultura Familiar. O intuito do evento é compartilhar ações de referências  entre as instituições parceiras de todas as regiões do Brasil, contribuindo assim para efetivação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento rural sustentável e solidário.

As Boas Práticas de Ater que foram organizadas em cinco categorias: Ater e Desenvolvimento Sustentável; Nova Ater; Ater e Políticas Públicas; Ater para Públicos Específicos e Agricultor Experimentador.

 

Técnicos da Agerp levam projeto Balde Cheio para Porto Franco

BALDE-CHEIO1

O Projeto Balde Cheio, que consiste na transferência de tecnologia na produção leiteira, conta com o trabalho desenvolvido pela equipe Agerp no município de Porto Franco,permitindo ganho significativo de produtividade na pecuária leiteira, com foco nas pequenas propriedades familiares. Nesta terça-feira, 01, técnicos da Agerp implantaram o Sistema de Irrigação para mais 1 hectare em pastagem de Capim Mombaça, na Fazenda São Hem no município. As pastagens representam a forma mais prática e econômica de alimentação de bovinos, constituindo a base de sustentação da pecuária do Brasil.