Facebook Twitter Instagram

Agricultores familiares do território Campos e Lagos são beneficiados com mais de R$ 6 milhões para desenvolver agricultura

17216_1104175679696916_4659301035859018329_n

Foto: Divulgação

Palestras, oficinas, troca de experiências, comercialização, contrato com instituições financeiras, mercado institucional, acesso as políticas
públicas para agricultura familiar, empreendedorismo rural, conhecimentos na criação de pequenos animais, serviços de diversos órgãos do Estado e várias tecnologias para incrementar a produção no campo. Tudo isso e muito mais, os agricultores familiares do território Campos e Lagos tiveram acesso na Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (AGRITEC), realizado nos dias 27 a 29 de outubro, no município de Viana.

Durante a Agritec os agricultores familiares do territórios Campos e Lagos foram beneficiados com a assinatura do Termo de Cooperação Técnica com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) que destinou mais de R$ 5 milhões para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) que irá beneficiar 28 associações e cooperativas. Além disso, sete agricultores do município de Cajari, município do Mais IDH, receberam sete kits de irrigação, da emenda parlamentar do Deputado Rúbens Pereira Jr para auxiliar na produção.

Também durante a Feira, 35 agricultores da cadeia produtiva de aves caipiras, do Programa Mais Produção, foram beneficiados com a ordem de pagamento do fomento para a criação de galinhas com o acompanhamento do Sistema SAF. Houve também entrega de seis títulos coletivos de terra que irão beneficiar 321 famílias do município de Viana e Penalva com uma área 2.700 hectares.

“O governador Flávio Dino sempre representou o povo do Maranhão e a entrega dos títulos de propriedade para as associações produzirem, reforça o compromisso de atender quem mais necessita e levar dignidade e cidadania de fato às pessoas”, destacou a presidente do ITERMA, Margareth Mendes.

O evento deixou 1.987 agricultores familiares capacitados e movimentou 6.436.467,13, sendo R$ 5.513.847,13 do convênio da Conab com o governo para desenvolver a agricultura familiar no território,  29.590 em comercialização de produtos de agricultores familiares e R$ 883.800  que o Banco do Brasil e o Banco do Nordeste financiou aos piscicultores do povoado de Itans, no município de Matinha para desenvolverem ainda mais a atividade na comunidade que exportam peixes para São Luís, Teresina, Imperatriz e Pinheiro. Os projetos para aprovação junto às instituições financeiras foram elaboradas pelos técnicos da Regional da Agerp de Viana.

Itans é uma comunidade que, ao longo desses últimos cinco anos, vem se destacando com a criação de peixes e o governo do Estado está contribuindo com o desenvolvimento da piscicultura na região com construção de 16 km de estrada que ligam a sede do município ao povoado Itans que irá aumentar significativamente a produção local e ajudará para escoar a produção.

“É impossível desenvolver o Maranhão sem que tenhamos uma agricultura familiar forte, porque essa atividade tem a capacidade de gerar alimentos, oportunidade para que milhares de pessoas tenham acesso à renda e consigam desenvolver outros setores econômicos, porque a agricultura familiar forte significar desenvolver o comércio e o setor de serviços como vemos em várias cidades do Maranhão, explicou Adelmo Soares, secretário da secretaria de estado da agricultura familiar- SAF.

Durante a Agritec, a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – ITERMA, emitiu mais de 32 Cadastros Ambientais Rurais (CAR), que é uma ferramenta utilizada para auxiliar o processo de regularização  ambiental de propriedades e posses rurais. Além disso, a Agerp expôs espaço tecnológica de meliponicultura, curso de criação racional de abelhas e produção de feijão caupi.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, a Agritec é o maior evento voltado para o agricultor familiar que a Baixada Maranhense sedia.
“A região tem muitos desafios e entendemos que a Agritec é um encontro para mostrar as potencialidades, possibilidades e pôr em pauta aagricultura familiar da Baixada”, disse ele, que afirmou, ainda, que aregião viveu 40 anos de abandono e tem um momento ímpar desde 2015. “Para a região, que nunca recebeu um evento desta magnitude, o encontro renova as possibilidades de desenvolver a Baixada”, enfatizou.

Para a coordenadora da Rede de Colegiados Territoriais, Zulmira Mendonça, a Agritec é ímpar e impacta de forma positiva na vida da região. “O governador Flávio Dino mostra compromisso com o agricultor e está investindo para dar dignidade às famílias que tiram da terra seu sustento”, pontuou Zulmira Mendonça.
Agritec

A Agritec integra um conjunto de ações para o desenvolvimento do setor rural em todo o estado e tem o objetivo de criar espaços para troca de
experiências e ampliar o conhecimento tecnológico para beneficiar os agricultores familiares do estado. É uma realização do Governo do Estado,
por meio do Sistema SAF (Secretaria de Estado da Agricultura Familiar – SAF, Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural – Agerp e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – Iterma), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MA), prefeituras e os movimentos sociais (MIQCB, FETRAF-MA, FETAEMA, ACONERUQ, MST).

Governador Flávio Dino participa da Agritec de Viana e concede benefícios a agricultores familiares

Durante a Agritec, o governador também conheceu as técnicas de produção e conversou com os agricultores sobre as ações do Estado. Foto: Gilson Teixeira/Secap

Foto: Gilson Teixeira/Secap

Desde o ano passado, os agricultores familiares estão tendo a oportunidade de conhecer e ter acesso a tecnologias que estão impulsionando o desenvolvimento da produção maranhense por meio da Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec). Nesta sexta-feira (28), a 8ª edição da Feira foi realizada na cidade de Viana, Região dos Campos e Lagos, e contou com a participação do governador Flávio Dino, que assinou termo de cooperação com a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) e concedeu uma série de benefícios aos agricultores familiares da região.

Recebido com grande festa na cidade de Viana, o governador Flávio Dino visitou estandes, conheceu os espaços tecnológicos da Feira e conversou com os agricultores familiares sobre as assistências que estão sendo prestadas pelo Governo do Estado por meio do Sistema SAF (Secretaria de Estado de Agricultura Familiar, Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural – Agerp – e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – Iterma).

Em seu discurso, o governador Flávio Dino destacou que o fortalecimento da agricultura familiar é essencial para o desenvolvimento com justiça social, pois garante melhorias dos indicadores econômicos e segurança alimentar. “Nosso Governo luta ao lado das pessoas, executando políticas públicas e crescimento do Maranhão. Ninguém faz nada sozinho. Estamos nos unindo em um projeto. Vejam todas essas possibilidades apresentadas aqui na Agritec”, enfatizou.

A 8ª edição da Feira contou com a presença de expositores de Viana, Penalva, Vitória do Mearim, São Bento, Brejo, Olinda Nova e Matinha, além de parceiros como a CONAB, Embrapa, Sebrae, MST, Aconeruq, dentre outros.

A presença do presidente nacional da CONAB, Marcelo Bezerra, na Agritec marcou a assinatura de Termo de Cooperação Técnica entre o Governo do Estado e a Companhia com o objetivo de viabilizar a conjugação de esforços das entidades na obtenção de informações referentes às atividades agropecuárias e no apoio ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que receberá, se comparado há dois anos, aporte 25 vezes maior da Companhia, chegando próximo de R$ 5 milhões.

Governador Flávio Dino assinou termo de cooperação técnica e entregou títulos coletivos de propriedade beneficiando agricultores da região. Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A solenidade contou também com a assinatura do termo de doação de sete kits de irrigação, oriundos de emenda parlamentar do deputado federal Rubens Júnior, que beneficiarão famílias do Plano Mais IDH de Cajari. Outros 35 agricultores familiares receberam fomento individual no valor de R$ 3,93 mil como parte do Programa Mais Produção.

O secretário de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, ressaltou que a Agritec de Viana é importante uma vez que a Região Campos e Lagos está em ascensão no que diz respeito ao fortalecimento da agricultura familiar. “Temos certeza que essa Feira deixará um legado de conhecimento para que o agricultor familiar possa aumentar a sua produtividade e melhorar sua qualidade de vida que é o nosso grande objetivo”, reiterou.


Títulos de terra e matadouro em Viana

Durante a solenidade, o Governo do Estado entregou a certidão de dominialidade referente ao terreno que será construído o matadouro de Viana à representante do povoado Baía, Zulmira Mendonça. Em sua fala, a agricultora familiar agradeceu todos os investimentos que o Governo tem feito para o desenvolvimento da área não só na região, mas em todo o estado. “Reconhecemos e somos gratos pelo que o Governo do Estado está fazendo por nós”, disse.

O governador Flávio Dino realizou, ainda, a entrega de títulos coletivos de propriedade que abrangem aproximadamente 2.700 hectares, para 321 famílias. “Trago uma palavra de esperança. Tenham fé e confiança que as coisas estão no rumo certo. Vocês têm um Governo comprometido com a mudança”, afirmou.

 Fonte: Secap

Feira da Agricultura Familiar promove capacitação no Território Campos e Lagos

O agricultor familiar, Braziliano Teixeira, diz que a Agritec é ótima para expandir a comercialização do abacaxi.. Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Pela primeira vez, o território Campos e Lagos, situado na região da Baixada  Maranhense, recebe a Feira da Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec). O evento começou nesta quinta-feira (27), com a presença de diversas autoridades, entre as quais o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares.

O secretário ressaltou que a Agritec contribui com a Baixada Maranhense por meio de investimentos para o desenvolvimento da agricultura familiar. “Esta é a oitava edição da Feira e estamos mostrando que o Governo do Estado está presente na vida do trabalhador rural, melhorando a situação do agricultor familiar através do conhecimento e renda. Precisamos fortalecer a agricultura familiar, como um dos eixos principais desta gestão, e é isso que estamos fazendo, trazendo para a região uma feira de oportunidades”.

Até este sábado (29), a Agritec está oferecendo ao pequeno e médio agricultor familiar acesso a diversos conhecimentos relacionados à produção agrícola, por meio de oficinas, palestras, cursos e comercialização de produtos cultivados por agricultores dos municípios da região. Em parceria com órgãos estaduais, a população local e da região poderá emitir documentos pessoais (CPF e RG), Carteira de Trabalho, emissão de nota fiscal, CAR, entre outros serviços.

Agricultora familiar Maria Lúcia Gaspar disse que está muito feliz com a estrutura da feira. Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Formado por 12 municípios, o território Campos e Lagos ainda apresenta baixos indicadores sociais e a realização de uma Agritec demonstra a preocupação do Governo do Estado em reverter o quadro de abandono que a região foi submetida ao longo de décadas, principalmente em relação à agricultura familiar.

Para o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça, a Agritec é o maior evento voltado para o agricultor familiar que a Baixada Maranhense sedia.  “A região tem muitos desafios e entendemos que a Agritec é um encontro para mostrar as potencialidades, possibilidades e pôr em pauta a agricultura familiar da Baixada”, disse ele, que afirmou, ainda, que a região viveu 40 anos de abandono e tem um momento ímpar desde 2015. “Para a região, que nunca recebeu um evento desta magnitude, o encontro renova as possibilidades de desenvolver a Baixada”.

A agricultora familiar Maria Lúcia Gaspar, do povoado Bahia, em Viana, está comercializando, na feira da Agritec, produtos que cultiva em sua propriedade.  Ela recebe assistência técnica da Agerp. “A gente está muito feliz com essa estrutura e o governador Flávio Dino está trabalhando do nosso lado e vai dar mais forças para o agricultor familiar baixadeiro”.

Na Agritec está sendo comercializado o abacaxi da variedade Turiaçu pelo agricultor familiar Braziliano Teixeira, do município de Santa Inês, que colhe anualmente, cerca de 2 milhões de frutos, entre abacaxi tipo pérola e Turiaçu. “É a primeira vez que participo de uma Agritec e está sendo ótimo para expandir a comercialização do abacaxi. Em Santa Inês somos oito produtores e no município de Turiaçu estamos iniciando nossa produção e acreditamos que o governo está fazendo é bom para o agricultor”, relatou.

Durante a abertura da Agritec, nesta quinta-feira (27), foram entregues dois recibos de inscrição de imóvel rural no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e 18 kits de Feira do Programa ‘Mais Produção’ para o escritório regional da Agerp de Viana. Os kits são compostos por barracas, balanças, caixas de isopor, avental, camisas e bonés padronizados.

A Agritec é uma realização do Governo do Estado do Maranhão, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma). Acontece por meio de parceria com Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Cocais, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Prefeitura municipal de Viana.

Entre os movimentos sociais e entidades representativas dos trabalhadores rurais participantes, o Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), a Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão (Aconeruq), a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura Familiar do Maranhão (Fetraf-MA), a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Maranhão (Fetaema) e Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST).

Fonte: Agerp   Texto: Samara Andrade  Data: 27/10/2016

Governo inaugura escritório da Agerp em Barra do Corda

Foto-2_-Divulgação_Agerp_21102016-Governo-inaugura-escritório-da-Agerp-em-Barra-do-Corda-1024x681

Entrega da regional da Agerp no município de Barra do Corda com presença das autoridades estaduais e municipais.

Como parte das ações do projeto de reestruturação física dos 19 escritórios regionais da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), o Governo do Estado inaugurou, na quinta-feira (20), a sede da regional no município de Barra do Corda.

A regional de Barra do Corda, que compreende a região Médio Sertão,  é responsável por prestar assistência técnica em oito municípios: Tuntum, Sítio Novo, Grajaú, Barra do Corda e mais quatro que estão incluídos no Plano Mais IDH, que são Jenipapo dos Vieiras, Itaipava do Grajaú, Fernando Falcão e Arame.

A reestruturação das sedes regionais da Agerp faz parte do planejamento estratégico do órgão em reformar e reestruturar a estrutura física para dar condições de trabalho aos servidores e melhor atendimento aos agricultores familiares  que procuram a Agência.

Presente na solenidade de entrega da nova sede regional da Agerp, o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, enfatizou que a reestruturação da entidade representa a missão do governador Flávio Dino em fortalecer a agricultura familiar. “Para isso, é necessário que o órgão esteja com condições de executar as atividades de campo”.

O presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, destacou que Barra do Corda é a terceira regional a ser inaugurada, este ano, que começou pela sede em São Luís e o escritório regional em Itapecuru-Mirim. “É uma grande satisfação estar ofertando um espaço digno para os técnicos estarem atuando. Por determinação do governador Flávio Dino, estamos reestruturando o órgão como forma de retomar o desenvolvimento da Assistência técnica no Maranhão que estava, há anos, sem investimentos” afirmou. Para a gestora Regional da Agerp, Maria Míria “é a realização de um sonho estar de casa nova a Agerp para melhor atender os nossos agricultores da região.”

Foto-3_-Divulgação_Agerp_21102016-Governo-inaugura-escritório-da-Agerp-em-Barra-do-Corda-1024x576

Técnicos participam da oficina de Gestão e Planejamento de ações do Plano Mais IDH.

Após a entrega do órgão, técnicos que atuam nos quatro municípios do Plano Mais IDH participaram de uma oficina de gestão e planejamento das ações do Plano, que ocorre, também, nas regionais de Zé Doca e Santa Inês, Pinheiro e Viana, Chapadinha e Pedreiras. A oficina é um momento para a Agerp rever seu papel enquanto executora de assistência técnica e extensão rural nos municípios do Mais IDH que, agora, assume definitivamente a execução do programa.

De acordo com a coordenadora do Mais IDH, Anailde Everton, a oficina é para que os técnicos conheçam e revejam sua atuação nos municípios do Plano. “É um momento para elevarmos os níveis de conhecimento dos técnicos sobre a metodologia de Ater implantada. Nós estamos fazendo um trabalho de avaliação e contextualização do Plano nesse período de um ano”, pontuou a coordenadora.

Fonte: Ascom Agerp    Texto: Samara Andrade   Data: 24/10/2016

Mulheres Rurais: Floricultura é a realização de agricultora de Paço do Lumiar

maria

Dona Maria, agricultora do povoado Vassoural

“Me senti como se estivesse começando do zero,” conta a agricultora familiar Maria da Conceição ao lembrar que quase desistiu da floricultura após o falecimento do esposo, mas que buscou a fé para dar continuidade ao que ela e o marido construíram em 30 anos.

De acordo com a agricultora de 65 anos, são muitas espécies de plantas e flores ornamentais que não consegue nem contabilizar. Rosas, dálias, margaridas, flores tropicais, palmeiras, ipês, essas são algumas das plantas que dona Maria cultiva em uma área de 3.700m² no povoado Vassoural, em Paço do Lumiar.

“Eu me sinto feliz e realizada em poder amanhecer dentro do meu próprio negócio e fazer aquilo que eu gosto, que é cuidar das plantas e comercializá-las. As pessoas vêm aqui em casa à procura de flores para montar arranjos nas igrejas, eventos e por aí vai,” diz.

Dona Maria recebe assistência técnica da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e comercializa na Feira da Agricultura Familiar, no escritório regional no bairro do João Paulo, todos os sábados e de onde tira até R$ 500 por feira. “Os técnicos da Agerp sempre estiveram presentes acompanhando e orientando as agricultoras de Vassoural, e foi com o apoio deles que conseguimos estufas,” completou.

Dona Maria já participou de várias exposições pelo país, como em Brasília e Rio de Janeiro, representando o Maranhão levando e comercializando plantas tropicais. Segundo a agricultora, o estande maranhense atraía grande público devido à decoração exposta que mostrava as belezas naturais do estado.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, as mulheres sempre desempenharam papel fundamental no desenvolvimento do país e destaca o trabalho da Agerp em apoiar as mulheres rurais para fortalecer a agricultura.

maria flor

Dona Maria, agricultora familiar do povoado Vassoural

“Vemos a participação das mulheres em vários setores protagonizando a cena no que diz respeito à renda e sustentação da família. Na agricultura familiar não é diferente, as vemos atuando nas mais diversas atividades e cultivos. Isso tem um aspecto positivo, pois as mulheres têm uma afinidade para manusear culturas que exigem um trato mais refinado, então faz com elas, naturalmente, dominem esses setores. A Agerp tem todo um olhar diferenciado para as mulheres rurais por reconhecê-las como parceiras para geração de emprego e renda, implemento tecnológico, verticalização e agregação de valor nos produtos”, enfatizou o presidente Júlio César Mendonça.

Reconhecimento
A história de dona Maria e de outras mulheres rurais ganha ainda mais destaque durante os “17 dias de Campanha pelo Empoderamento das Mulheres Rurais” em celebração ao Dia Mundial da Mulher Rural comemorado no próximo 15 de outubro. A ação internacional abrange o período de 1º a 17 de outubro e tem como um dos objetivos dar visibilidade para direitos e experiências positivas na promoção dos direitos das mulheres rurais na América Latina e no Caribe.

No Brasil, a campanha é liderada pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead).  São parceiros a Plataforma de Conhecimento sobre Agricultura Familiar da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) dentre outros.

Fonte: Agerp / Texto: Samara Andrade / Data: 14.10.2016

Mulheres Rurais: Agricultura familiar com toque feminino

Agricultora fmailiar Julia Assunção

Agricultora Júlia Assunção

Determinada. Assim a agricultora familiar Júlia Assunção, de 43 anos, se define. Há 26 anos morando na comunidade Iguaíba, no município de Paço do Lumiar, Região Metropolitana de São Luís, Júlia diz que já passou por altos e baixos desde que escolheu a agricultura como fonte de trabalho e renda. Em uma área que não era sua, e sim do sogro, a agricultora iniciou a atividade agrícola, cultivando frutas e verduras até conseguir juntar dinheiro e comprar sua própria terra.

Primeiro, Júlia começou a cultivar em uma área de três hectares, que foi crescendo e hoje corresponde a uma área de 15 hectares no Iguaíba. “Foi uma realização quando comprei minha terra. Como dizem por aí, hoje cultivo ‘só tudo’”, conta sorrindo. Em uma área de 15 hectares, a agricultora produz acerola, mamão, graviola, banana, macaxeira, maxixe, quiabo, cheiro verde, dentre outros.

A comercialização é feita aos sábados na Feira da Agricultura Familiar no escritório regional da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) no bairro do João Paulo e em mais duas feiras da capital, além de comercializar a produção por meio de programas federais, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

“Sempre digo que na agricultura familiar não existe crise. A gente produz o ano inteiro e vendemos o ano inteiro porque a população precisa se alimentar. Têm altos e baixos na vida e na agricultura não é diferente, mas a gente se mantém firme e forte para produzir”, afirma Júlia Assunção.

Agricultora de paço do lumiar, Julia Assinção

Agricultora de Paço do Lumiar, Julia Assunção

Acerola é o grande potencial da comunidade e da produção de Júlia Assunção. São 85 famílias produtoras de hortifrúti ligadas à Associação dos Pequenos Produtores de Iguaíba, dessas, 70% formado por mulheres como Júlia, que estão à frente da produção familiar. Por duas vezes, ela esteve à frente da Associação como presidente, mostrando o poder da mulher na tomada de decisões.

“Quando a Associação foi criada, apenas 10% das mulheres estavam associadas. Os homens achavam que a gente (mulheres) estava entrando num mundo que não era nosso e eu os desafiava e dizia que íamos conquistar a agricultura de Iguaíba, pois eles achavam que mulher não tinha capacidade para isso”, relembra.

Aos poucos, a Associação foi dando espaço para as mulheres e a agricultura familiar de Iguaíba ganhando mais capricho. “Nós mulheres temos uma prática diferenciada, fazemos tudo com carinho e colocamos perfeição no que fazemos”, afirma a agricultora.

Tanto Júlia quanto outros agricultores da comunidade são assistidos pelo Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp). O órgão é responsável por levar assistência técnica continuada e intermediar o acesso do agricultor a vários programas de comercialização e políticas rurais.

“Todo conhecimento que tive, técnico, capacitação, venda e tudo, foi a Agerp que me proporcionou. Se não fosse o apoio da Agerp eu não teria o que tenho hoje, talvez tivesse, mas não dessa maneira. Como mulher agricultora, me vejo como referência para outras. Lutei para conquistar o que tenho hoje e enfrento o que tiver que enfrentar para defender meus direitos e de todos da comunidade”, declara Júlia.

Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, as mulheres sempre desempenharam um papel fundamental no desenvolvimento do país. Ele destaca que ao apoiar as mulheres rurais, a Agerp fortalece ainda mais a agricultura familiar.

“Vemos a participação das mulheres em vários setores protagonizando a cena no que diz respeito à renda e sustentação da família. Na agricultura familiar não é diferente, as vemos atuando nas mais diversas atividades e cultivos. Isso tem um aspecto positivo, pois as mulheres têm uma afinidade para manusear culturas que exigem um trato mais refinado, então elas, naturalmente, dominam esses setores. A Agerp tem todo um olhar diferenciado para as mulheres rurais por reconhecê-las como parceiras para geração de emprego e renda, implemento tecnológico, verticalização e agregação de valor nos produtos”, enfatiza Júlio César Mendonça.

Reconhecimento

A história de Júlia e de outras mulheres rurais ganha ainda mais destaque durante os 17 dias da Campanha pelo Empoderamento das Mulheres Rurais em celebração ao Dia Mundial da Mulher Rural, comemorado neste sábado (15). A ação internacional abrange o período de 1º a 17 de outubro e tem como um dos objetivos dar visibilidade para direitos e experiências positivas na promoção dos direitos das mulheres rurais na América Latina e no Caribe.

No Brasil, a campanha é liderada pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead). São parceiros a Plataforma de Conhecimento sobre Agricultura Familiar da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), dentre outras instituições.

Fonte: Agerp   Texto: Samara Andrade

13/10/2016

Governo entrega kits de irrigação para comunidade quilombola Cacoal

IMG-20161010-WA0018

Agricultores do povoado Cacoal

O Governo do Estado, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, realizou na última sexta-feira (7), entrega de kits de irrigação para agricultores familiares do povoado quilombola Cacoal, em Viana.

Os equipamentos atenderão a demanda da comunidade que implantou há três meses, um campo agrícola para cultivo de hortaliças e envolve diretamente 30 famílias de produtores. As famílias recebem Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp).

Com muitas dificuldades, os agricultores irrigavam o campo manualmente, o que tornava o trabalho mais demorado e cansativo, mas com a instalação de um sistema de irrigação os produtores ganharão tempo na produção.

Além do campo agrícola, a comunidade desenvolve há um ano um projeto de piscicultura tendo como referência o povoado Itans, em Matinha, que hoje, é referência no Maranhão em criação de peixes em tanque.

Segundo o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, a comunidade é marcada pelo abandono, porém está seguindo os passos de Itans e será um exemplo para outras comunidades vianenses.

“O caminho é esse, o Governo do Estado está resgatando a dignidade e emancipação das comunidades quilombpolas por meio da produção. Cacoal pode servir de modelo para desenvolver uma politica de assistência técnica para comunidades quilombolas,” pontuou o presidente da Agerp.

DSC_0595Emocionado, o presidente da Associação de Produtores de Cacoal, Jorge Daniel, disse que a entrega dos kits representa a concretização de um sonho.

“Todo dia a gente irrigava os canteiros com garrafa e regador. Somos muito gratos pelo Governo estar nos atendendo e vamos honrar o que está sendo feito aqui e ajudaremos outras comunidades que se espelharem na nossa luta,” contou Daniel.

Fonte: Agerp    Texto: Samara Andrade

10/10/2016

Governo lança Agritec para o fortalecimento da agricultura familiar no território Campos e Lagos

julio

Presidente da Agerp destaca a importância da Agritec no território Campos e Lagos

Para fortalecer a agricultura familiar maranhense, o Governo do Estado tem investido nas Feiras da Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec). Nesta sexta-feira (7), foi lançada a oitava edição da Feira, que será realizada no município de Viana, no território Campos e Lagos, ainda este mês. A Agritec do Território Campos e Lagos será realizada entre os dias 27 a 29 de outubro no município de Viana.

O anúncio formal foi feito pelo presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Júlio César Mendonça. “É um marco histórico para a região devido ao abandono a que foi imposta por várias décadas. A Agritec vem resgatar a agricultura familiar da Baixada e colocar em pauta a agricultura em vários aspectos, ambientais, sociais e de políticas econômicas”, ressaltou o presidente da Agerp.

O território Campos e Lagos está situado na região da Baixada Maranhense e compreende 12 municípios. Devido aos elevados indicadores de precariedade, a realização de uma Agritec no território demonstra a preocupação do Governo do Estado em reverter o quadro de abandono que a região sofreu ao longo de décadas, principalmente em relação a agricultura familiar.

Agricultores acompanharam o lançamento da Agritec no território Campos e Lagos.

Agricultores acompanharam o lançamento da Agritec no território Campos e Lagos.

Diferente de outras feiras agropecuárias, a Agritec é direcionada para que o pequeno e médio agricultor familiar tenha acesso aos mais diversos conhecimentos relacionados à produção agrícola. A Agritec dispõe de espaços tecnológicos com demonstração de pequenas alternativas de cultivo viáveis para o produtor, oficinas, palestras, cursos, comercialização de produtos cultivados por agricultores dos municípios da região, dentre outros atrativos.

Sobre as capacitações, o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, ressaltou que têm alcançado elevado número de interesse e participação do agricultor familiar que busca se aprimorar e pôr em prática o conhecimento no cotidiano de sua produção rural.

adelmo

Secretário da SAF durante lançamento da Agritec

“A Feira é uma ferramenta que o Governo do Estado criou que permite reunir todos os agricultores e oferecer cursos e capacitações que causam uma mudança de pensamento. A Agritec vem a ser aquilo que faltava para o Maranhão”, enfatizou o secretário da Agricultura Familiar, Adelmo Soares.

Ao todo, foram capacitados até o momento, desde a primeira Agritec em 2015, mais de 9 mil agricultores familiares envolvendo os territórios da Baixada Maranhense, Cocais, Cerrado Amazônico, Vale do Mearim, Médio Sertão, Alto Turi/Gurupi, e agora Campos e Lagos. O próximo território a ser beneficiado é o Baixo Parnaíba.

Para a coordenadora da Rede de Colegiados Territoriais, Zulmira Mendonça, a Agritec é ímpar e impacta de forma positiva na vida da região. “O governador Flávio Dino está mostrando compromisso com o agricultor e está investindo para dar dignidade às famílias que tiram da terra seu sustento”, pontuou Zulmira Mendonça.

Fonte: Agerp   Texto: Samara Andrade  Data: 07/10/2016

Lançamento Agritec Viana

Lançamento Agritec Viana

Flickr Album Gallery Powered By: Weblizar

Governo do Estado prorroga prazo para inscrição de comunidades ao Programa Diques da Produção

Logo_Diques da Produção

Divulgação

O Governo do Maranhão prorrogou para até dia 30 de outubro o prazo de inscrição para seleção das comunidades interessadas em participar do Programa Diques da Produção, ação que tem objetivo combater a salinização dos campos naturais inundáveis da Baixada Maranhense e implantar grandes canais que permitirão armazenar água doce, para promover o desenvolvimento de projetos nas áreas da piscicultura, agricultura e pecuária nessa região.

O edital de Chamada Pública para seleção das comunidades, divulgado no dia 22 do mês passado, é direcionado aos povoados pertencentes aos municípios contemplados pelo Programa Diques da Produção. As condições e demais prerrogativas para a adesão das comunidades ao programa estão detalhadas no edital, divulgado no Diário Oficial do Estado.

Conforme o documento, a inscrição deverá ser feita por sindicatos, associações, cooperativas ou por um representante da comunidade que deverá apresentar um abaixo assinado, com a identificação dos moradores. O envio da ficha de inscrição e documentos necessários ao processo seleção deve ser feito à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social (Sedes) – Setor de Protocolo – Localizada à Rua das Gardênias, Quadra 01, Nº 25 Jardim Renascença – São Luís – Maranhão. Também estão aptos a receberem as inscrições os Escritórios Regionais da AGERP, em Bacabal, Pinheiro, Santa Inês e Viana.

Para estimular e ampliar o número de adesão ao projeto, a Sedes está realizando palestras nos municípios contemplados pelo ‘Diques de Produção’, para divulgar a ação, apresentar às comunidades os principais aspectos do programa e orientar sobre as prerrogativas para adesão. As equipes já estiveram nos municípios de Anajatuba, Santa Helena, São Vicente de Férrer, Bacurituba, Viana, Cajapió e São João Batista.

Seleção – O Programa Diques da Produção é coordenado pelas secretarias de estado do Desenvolvimento Social (Sedes), da Agricultura Familiar (SAF), da Agricultura Pecuária e Pesca (Sagrima), do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema) e Casa Civil.

A chamada pública para seleção atende às normas dispostas no decreto do Executivo Estadual de nº 31.762, emitido pelo governador Flávio Dino. O chefe do Executivo maranhense tem a iniciativa como mais uma ação fundamental para produção pesqueira, o crescimento econômico e da inclusão socioprodutiva, com vistas à mudança da realidade vivenciada atualmente na baixada maranhense.

As comunidades habilitadas por meio da Chama Pública terão prioridade nas ações, programas e projetos futuros que serão implantados pelo Programa Diques da Produção, nos 35 municípios contemplados pelas intervenções do programa, entre eles, Matinha, Pinheiro, Cedral, São João Batista, Cajari, Conceição do Lago Açu, Guimarães, Monção, Palmeirândia, Alcântara, Apicum-Açu, Penalva, Bacuri, São Bento, Viana, Mirinzal, Igarapé do Meio, São Vicente de Férrer, Cururupu, Bequimão, entre outros.

 O programa trabalhará na construção de duas modalidades: barragens – que poderão ser usadas para irrigação e para impedir a entrada de água salgada nos igarapés, e, com isso, proteger os mananciais de água doce das regiões e outros ecossistemas. Além da função de armazenamento de água, poderá ser utilizado como hidrovia interligando as pequenas propriedades. A ação tem ainda como propósito reduzir os índices de insegurança alimentar e de pobreza na região e promover a geração de trabalho, emprego e renda nas comunidades contempladas pelo projeto.

Data 03/10/2016