Facebook Twitter Instagram

Cadeias Produtivas

Como parte das ações do Sistema Estadual de Produção e Abastecimento (Sepab) voltadas para o aumento da produção agropecuária, o governador Flávio Dino lançou o Programa ‘Mais Produção’, que dentre vários projetos, desenvolve ações para o fortalecimento das cadeias produtivas do Maranhão, com objetivo de gerar emprego e renda. São dez cadeias que o Governo está desenvolvendo, sendo sete trabalhadas pelo Sistema da Agricultura Familiar (SAF, Agerp e Iterma) onde serão implantados Sistemas Integrados de Produção de Tecnologias Sociais (SISTECS) com foco nas cadeias produtivas.

1. Feijão-caupi

Para a cadeia produtiva do feijão, serão implantadas Unidades de Referências Tecnológicas (URTs), que é um modelo físico de sistema de produção, implantado em área pública ou privada, visando à validação, demonstração e transferência de tecnologias geradas, adaptadas e/ou recomendadas pelo Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária (SNPA), para a região, com o objetivo de demonstrar os benefícios ecológicos e econômicos do uso de uma determinada tecnologia. No caso das URT’s de feijão caupi, para a referida cadeia, será utilizada tecnologias de análise de solo, correção do pH do solo com calcário agrícola, fertilização com NPK, inoculação de sementes com Rhizobium(Fixação Biológica de Nitrogênio), organização da cultura em fileiras e espaçamentos adequados.

2. Mel 

A cadeia produtiva do mel ainda é a única, de todas as cadeias apresentadas acima, que possui balança comercial positiva. O Governo do Estado apoiará os apicultores maranhenses a partir da estruturação do Entreposto de Mel de Junco do Maranhão, da Casa de Mel de Santa Luzia do Paruá e modernização do Núcleo de Criação de Abelhas da Uema, em São Bento.

3. Mandioca

Para o fortalecimento e modernização da Cadeia Produtiva da Mandioca em todos os seus segmentos, com atividades direcionadas a implantação de Unidade de Referência de Produção – URP (Maniva – semente) e Unidades de Referências de Produção – URP (Sistema Tecnificado), para desenvolver e validar alternativas tecnológicas disponíveis capazes de melhorar os aspectos técnicos e elevar a produtividade de 08 ton/ha para 20 ton/ha de raiz de mandioca com a adoção de espaçamentos definidos e utilizando genótipos locais de mandioca com maior potencial de produção de raízes, garantindo a sustentabilidade das indústrias de farinha e fécula e consequentemente o acesso a novos mercados.

4. Ovinocaprinocultura

O SISTEC com foco na cadeia produtiva de ovinocaprinocultura se baseia num conjunto de ações capazes de dinamizar o seu desenvolvimento através da estruturação da produção, segurança hídrica, melhoria e ampliação do rebanho, inovação tecnológica, sanidade animal, processamento e agregação de valor, objetivando propiciar segurança nutricional dos animais de baixo potencial produtivo, através do uso da capineira, bem como a criação, fortalecimento e diversificação dos canais de comercialização.

5. Aves caipira

Com foco na Cadeia Produtiva de Aves Caipiras serão implantadas Unidades de Referências Tecnológicas (URTs), modelo físico de sistema de produção integrado, com bases alternativas, com inovação tecnológica, objetivando propiciar segurança alimentar, além da possibilidade de incremento na renda do agricultor (a) familiar, através da obtenção de produtos com qualidade, em pequena escala, com minimização de danos ao meio ambiente, além de propiciar a integração com outras atividades já desenvolvidas pelos criadores. Com a implantação das URTs objetiva-se também a adoção de práticas de manejo que torne o Sistema Alternativo de Criação de Aves Caipiras sustentável, com baixo investimento financeiro relativo e economicamente viável.

6. Hortifrúti Delta Caju

O Sistema de Tecnologias Sociais – SISTECS está alinhado com as demandas dos agricultores familiares na busca do fortalecimento da Cadeia Produtiva da Hortifruticultura do “Delta Caju” implementando ações direcionadas para implantação de Unidade de Referência de Produção – URP Substituição de Copa e Unidades de Referências de Produção – URP Sistema Tecnificado, a partir do uso de clones superiores, substituição de copa de cajueiros improdutivos por material genético superior, implementação de boas práticas agropecuárias e o uso de técnicas de colheita e pó-colheita. A adoção destas tecnologias permitirá um salto considerável no aumento da produtividade da cultura, na melhoria da qualidade, na agregação de valor aos produtos e derivados do caju e, consequentemente, sua competitividade

7. Hortifrúti Abacaxi Turiaçu

A Cadeia Produtiva da Hortifruticultura “Abacaxi Turiaçu” se dará por meio da implantação de Unidades Produtivas – UPs, modelo físico de sistema de produção, implantado em área pública ou privada, visando à validação, demonstração e transferência de tecnologias geradas, adaptadas e/ou recomendadas pelo Grupo de Pesquisa da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA para a região, com o objetivo de demonstrar os benefícios ecológicos e econômicos do uso de uma determinada tecnologia.

Para a referida cadeia produtiva, serão utilizadas tecnologias adequadas para o manejo da cultura. A aplicação do fomento será para aquisição de insumos, pequenas ferramentas agrícolas e materiais tidos como essenciais para a considerável melhoria do nível tecnológico, consequente aumento de produção/produtividade da cultura do abacaxi e elevação da renda do agricultor familiar.